Governo do Estado

Governo do Estado
Governo do Estado

segunda-feira, 31 de outubro de 2016

PELÉ, QUE REJEITOU A FILHA, AGORA ESTÁ SEM ANDAR

Alguns sites do Centro Sul e até o jornal O Globo, do Rio de Janeiro, noticiam que Pelé, o maior jogador de futebol de todos os tempos, não consegue mais andar nem com o auxílio de uma bengala.
O ex-jogador, que está com 76 anos, fez uma cirurgia do quadril, o ano passado,  e estaria nesta situação por conta de “erro médico”.
Muitos lamentam a situação do “rei”. Mas há também quem ache que Edson Arantes do Nascimento está pagando pelo que fez com a filha, Sandra Arantes, que nunca reconheceu e não visitou nem no leito de morte, quando ela já estava com o câncer bem avançado.
Sandra lutou na Justiça para levar o sobrenome famoso, se elegeu vereadora em Santos, mas veio a doença e a levou precocemente.

Não são poucos os que condenam Pelé pela sua insensibilidade neste caso. Na verdade não precisava nem ter feito o exame de DNA, a mulher era quase uma cópia feminina do pai.
*Foto e mais dados: http://br.blastingnews.com/

RECIFE E PETROLINA FORTALECEM PAULO CÂMARA

Apesar das derrotas em municípios como Garanhuns, Caruaru, Belo Jardim e Olinda, o governador Paulo Câmara (PSB) ainda será um candidato forte à reeleição.
A vitória tranquila de Geraldo Júlio, no Recife, e de candidatos do seu partido na maioria dos municípios pequenos do Estado lhe dá fôlego para a próxima disputa.
O PSB venceu ainda com Miguel Coelho,  em Petrolina, principal cidade do Sertão de Pernambuco e o senador Fernando Bezerra deve continuar ao lado do governador, daqui a dois anos.
Mas a oposição deve estar mais forte em 2018 do que dois anos atrás. Venceu em colégios eleitorais importantes e com adesão de Bruno Araújo, Mendonça Filho, Priscila Krause, João e Raquel Lyra, José Queiroz e Armando Monteiro poderá ter condições de competir com os socialistas.
Paulo Câmara terá problemas também, na disputa pela reeleição, porque não conseguiu concretizar até agora as grandes promessas de sua campanha.
Disse que ia dobrar os salários dos professores, construir um novo hospital em Garanhuns e outro em Serra Talhada e assumiu também o compromisso de conseguir duplicar a BR-232 até Arcoverde. Até o momento não há perspectiva de nada disso ser realizado.
E ainda tem o “calo” do aumento da violência em todas as regiões do Estado , desde que o ex-Secretário da Fazenda virou governador.

Altamir Pinheiro, que costuma pegar pesado com os políticos que não são do seu agrado, agora só chama Paulo Câmara de “o governador da insegurança pública”.

A MAGIA DO NATAL EM GARANHUNS

O prefeito Izaías Régis não esconde sua satisfação em ver a cidade ficando ainda mais bonita, em função  do Natal Luz 2016. “Quem chega à cidade já se depara com todo o encantamento que só nós temos. O nosso pórtico está se transformando em um atrativo natalino para os turistas e para você que é daqui!”, escreveu o gestor, sobre a ornamentação feita para o final de ano.
“Garanhuns se prepara para receber você!”, convida Izaías, que irá abrir os festejos natalinos no próximo dia 11 de novembro.

A foto que ilustra o post é da jornalista Ezandra Ribeiro.

O RESULTADO DAS ELEIÇÕES MUNICIPAIS

Por Michel Zaidan Filho*

Há muitas lições que retirar das últimas eleições municipais no Brasil. Uma das mais evidentes é o movimento pendular de uma "opinião pública" que oscila, de tempos em tempos, ao sabor da gastronomia midiática -  a serviço de interesses nem sempre confessáveis.

Opinião volátil que ora pende para a centro-esquerda ora para a centro-direita ou à direita. Desde que seguimos à moda americana de assimilar o processo eleitoral, de dois em dois anos, a uma espécie de mercado político (onde o poder econômico reina, sem limites), a propaganda política e seu rico arsenal de pesquisas quantitativas, qualitativas, com grupos focais etc. tomou conta do insubstituível debate de ideias e propostas.

Mais importante do que saber o que pensam os candidatos, parece ser a compra de seu discurso publicitário, elaborado por sofisticadas empresas de marketing político, que às vezes empregam sem o menor escrúpulo técnicas de pesquisa de mercado, como se o voto fosse uma mera preferência individual por uma nova marca ou produto, independentemente das consequências políticas que o resultado de uma eleição pode gerar na sociedade.

Enquanto as campanhas não forem baratas e propositivas, ao alcance de todos os partidos e candidatos, teremos um regime de competição eleitoral governado pelos que têm mais dinheiro, influência e poder para seduzir o eleitor.

Mais grave ainda é quando se soma a isso, as condições em que foi aprovada a reeleição dos atuais gestores e executivos. Jamais deveria ter sido aprovado esse instituto, sem o cuidado da desincompatibilização dos ocupantes de cargos públicos (nos três níveis de governo) e a proibição explícita do uso da máquina administrativa nas eleições.

A frouxidão ou ambiguidade entre a publicidade institucional sobre as ações do executivo e a propaganda eleitoral propriamente dita, leva os gestores-candidatos a usar e abusar da máquina pública, sob o pretexto de que estão informando à população dos atos da administração municipal, estadual ou federal.

Essa ambiguidade introduz uma  grande desigualdade de condições e oportunidades no pleito eleitoral, prejudicando os novos candidatos e a oposição de  um modo geral. Acrescente-se que a redução do tempo da campanha (para 45 dias) também prejudicou muito os que precisavam de mais tempo para se apresentarem e convencerem o eleitor da viabilidade de suas propostas políticas.

Outro problema é a liberdade da campanha eleitoral. Ela impede de que a Justiça - de si já muito passiva - tenha uma atitude corretiva e pedagógica em relação aos "discursos" dos candidatos. E pior, a "fulanização" das eleições municipais. O mote das campanha é centralizado na figura pessoal (às vezes seu apelido) do candidato, não se informando absolutamente nada do que são, do que pensam, do que farão ou podem fazer.

É a compra, pura e simples, de um mero "jingle" comercial massificado até a exaustão. A isso, é preciso juntar os preconceitos, os estereótipos, o jornalismo marrom, sem escrúpulo nenhum praticado por certos veículos da imprensa escrita e televisiva, com a ajuda - é claro - da Justiça e da Polícia Federal.

São conhecidas as estratégias de mobilização popular, ao se eleger um inimigo comum, contra o qual todos devem se unir, para combatê-lo. Essa caça às bruxas, sobre ser absolutamente irracional, fascista, produz uma polarização artificial entre os cavaleiros do bem e os bandidos, corruptos, ladrões, que precisam ser esconjurados a qualquer custo. Infelizmente foi essa a tática empregada por partidos de centro-direita que se tornaram os grandes vitoriosos nessas eleições.

A Igreja também deu a sua modesta contribuição. Na sua análise teológica-política, o mundo se divide entre os filhos de Deus, irmãos de Jesus Cristo e os hereges, pagãos, gente sem piedade ou religião no coração. Naturalmente os candidatos ligados à Igreja, os ministros religiosos, bispos, pastores, missionários são os mais indicados para o ministério das coisas laicas, sob a proteção e a luz divina.

Como a chamada Opinião Pública no Brasil é produto de uma esperta e astuta engenharia simbólica, a serviço de determinados interesses tanto estratégicos como econômicos - ela é volátil, muda com as nuvens do céu.

As mentiras "piedosas" plantadas na atual campanha que levaram a massa (e setores conservadores das classes médias urbanas) a sufragarem o voto em candidatos de direita ou centro-esquerda, ela pode mudar até as eleições de 2018.

Até lá o mote pode não ser mais o antipetismo, o anticomunismo ou o preconceito contra a política de esquerda. Mais ainda se o cenário econômico não melhorar e as consequências sociais do "ajuste fiscal" sobre a maioria do povo brasileiro deslocarem o pêndulo da preferência popular na direção contrária do que foi o movimento atual. Até lá, os partidos derrotados farão a sua justa autocrítica e os demais estarão estudando quais são as novas alianças a serem feitas, ou para continuar no poder ou para ter acesso ao poder.

*O garanhuense Michel Zaidan Filho é Cientista Político e professor da Universidade Federal de Pernambuco.

A COMOÇÃO PRESCREVEU, SR. GOVERNADOR!

Raquel Lyra e o seu pai, João Lyra, eram do PSB. Foram forçados a sair do partido porque Paulo Câmara fez opção por Jorge Gomes desde o início do processo eleitoral.

Os Lyra se filiaram ao PSDB e foram à luta, que foi difícil.

No primeiro turno Raquel passou a campanha quase toda em terceiro lugar, só conseguindo ultrapassar o Delegado Lessa na reta final, para garantir sua vaga no 2º turno.

Quando saíram as primeiras pesquisas da segunda fase da eleição Tony Gel apareceu bem na frente. Não podia ser diferente, pois o peemedebista tinha tido quase o dobro de votos de Raquel no dia 2 de outubro.

Mas no segundo turno Raquel foi crescendo, com uma campanha muito bonita nas ruas e na televisão.

A candidata apresentou propostas inovadoras em quase todas as áreas. Projetos viáveis que o adversário preferiu menosprezar, chamando de “mirabolantes”.

Raquel chegou ao debate da TV Asa Branca empatada tecnicamente, mas se saiu bem melhor do que o concorrente diante das câmeras de televisão.

Gel se preocupou mais em atacar José Queiroz e João Lyra, que não eram candidatos, do que qualquer outra coisa.

Acusou Raquel de esconder seus apoios e levou um verdadeiro “tiro no peito” com a resposta dada ao peemedebista.

“Meus apoios são claros. E vou terminar todas as obras que Queiroz iniciou”, disse a filha de João Lyra, citando até indiretamente Armando Monteiro, o senador que esteve ao seu lado nas ruas de Caruaru.

“Quem esconde seus apoios é você, que abandonou a prefeitura de Caruaru e entregou a Neguinho Teixeira. Este terminou na prisão. Você é apoiado por ele e os 10 vereadores de Caruaru que foram presos pela polícia”, disse ainda Raquel. Tenho a impressão que foi neste momento que ela consolidou a virada e venceu por 7% de vantagem uma disputa que estava empatada tecnicamente nas pesquisas.

Foi a vitória de Raquel, do seu pai, o João, de Zé Queiroz e seu filho Wolney, do senador Armando Monteiro e do povo de Caruaru.

Os grandes derrotados foram Tony Gel e seus principais padrinhos, o governador Paulo Câmara (PSB) e o ex-governador Jarbas Vasconcelos (PMDB).

Por sinal o governador de Pernambuco deu uma boa ajuda a Raquel. Apareceu muitas vezes no Guia Eleitoral da TV pedindo votos para Tony. Cada vez que fazia seu apelo a candidata tucana crescia um pouco mais.

A comoção prescreveu, Sr. Governador. Veja o caso de Olinda, onde o irmão querido de Eduardo Campos, o “Tonca”,  perdeu a eleição para o Professor Lupércio.

Em 2018, o socialista terá contra si o Agreste Meridional liderado por Izaías Régis (PTB), o Agreste Setentrional liderado pelos Lyra, além das derrotas em Olinda e Jaboatão, dois dos maiores colégios eleitorais de Pernambuco, merecendo ser citado também o município de Belo Jardim, onde o PTB  foi vitorioso.

E tem mais: Mendonça Filho, Priscila Krause, Bruno Araújo, José Queiroz, os Lyra e outras lideranças que apoiaram Paulo Câmara em 2014, estão se aliando à oposição capitaneada no Estado pelo senador Armando Monteiro.

Tudo isso que está acontecendo é o resultado da pior gestão que Pernambuco já conheceu e da inabilidade política do governador.


Em 2018, sem o fator da comoção e pouquíssimas obras relevantes pra mostrar,  Paulo terá uma campanha difícil pela frente. (Roberto Almeida).

*Fotos Google: 1) Raquel Lyra derrotou Tony Gel, Paulo Câmara e Jarbas Vasconcelos; 2) Professor Lupércio: de origem simples, negro, venceu "Tonca", representante da oligarquia branca formada no Estado e irmão querido de Eduardo Campos.

domingo, 30 de outubro de 2016

RAQUEL LYRA É A PRIMEIRA PREFEITA DE CARUARU

Com todas as urnas apuradas, Raquel Lyra (PSDB) é a primeira mulher a se eleger prefeita de Caruaru. A representante dos tucanos na capital do Agreste obteve  53,15% dos votos, contra 46,85% de Tony Gel (PMDB).
Raquel correu o risco de não ir para o segundo turno, pois até perto do dia 2 de outubro (no primeiro turno), estava atrás do Delegado Lessa, ultrapassando o candidato do PR na reta final.
Nas primeira pesquisas do segundo turno Tony Gel tinha mais de 10 pontos de vantagem, mas fazendo uma campanha bonita, limpa, organizada, moderna, Raquel conquistou o eleitorado e até a simpatia dos moradores dos municípios próximos, como Garanhuns, Belo Jardim e São Bento do Una.
De tradicional família política, a prefeita eleita é filha de João Lyra Neto, que foi prefeito de Caruaru duas vezes, vice-governador de Eduardo Campos e governador de Pernambuco por 10 meses.

Seu avô, João Lyra Filho, também governou a cidade duas vezes e seu tio, Fernando Lyra (já falecido, como o avô), foi deputado federal por sete mandatos.

RECIFE, OLINDA E JABOATÃO - Geraldo Júlio (PSB) foi reeleito no Recife com mais de 60% dos votos, enquanto Anderson Ferreira (PR) venceu em Jaboatão dos Guararapes.

Em Olinda o irmão do ex-governador Eduardo Campos, Antônio Campos (PSB), foi derrotado pelo professor Lupércio. O candidato do Solidariedade venceu com 30 mil votos de diferença.

RAQUEL LYRA MANTÉM VANTAGEM DE 4%

Com mais de 74%das urnas de Caruaru apuradas Raquel Lyra (PSDB) mantém uma frente em torno de 4% de vantagem sobre o candidato Tony Gel (PMDB).

Os números das urnas estão batendo com os da pesquisa do Instituto Paraná, a qual o blog citou pela manhã, que foi proibida de ser divulgada por determinação da Justiça Eleitoral.

GERALDO, LUPÉRCIO, E RAQUEL LIDERAM APURAÇÃO


Em Pernambuco as pesquisas estão sendo confirmadas no Recife e Jaboatão, com vitórias folgadas de Geraldo Júlio (PSB) e Anderson Ferreira (PR). Com cerca de 20% das urnas apuradas o socialista e o republicano estão obtendo em torno de 60% dos votos, enquanto João Paulo (PT) e Manoel Neco somam apenas 40%.

Em Olinda, o Professor Lupércio (Solidariedade) está na frente de de Antônio Campos (PSB), enquanto em Caruaru Tony Gel (DEM) começou ganhuns no início da apuração, mas Raquel Lyra (PSDB) já está na frente,  depois de 20% das urnas apuradas.


Advogados ligados a Raquel enviaram boletins de urna ao jornalista Magno Martins mostrando a tucana com boa vantagem na maioria das urnas. Por isso eles acreditam que ela vencerá a eleição. De todo modo ainda é cedo para um dos dois cantar vitória.

BISPO DA IGREJA UNIVERSAL É O NOVO PREFEITO DO RIO

Marcelo Bezerra Crivella, engenheiro, cantor gospel, senador da República, bispo licenciado da Igreja Universal do Reino de Deus e amigo próximo de Edir Macedo, foi eleito hoje, no segundo turno, prefeito do Rio de Janeiro.

Filiado ao PR, Crivella derrotou o candidato do PSOL, Marcelo Freixo. O prefeito eleito obteve 60% dos votos, contra 40% do seu opositor.


Por conta da rivalidade com a Record, a TV Globo apoiou a candidatura do socialista Marcelo Freixo, mas não teve jeito e o candidato ligado a ao bispo líder da Universal venceu disparado.

PESQUISA QUE DÁ RAQUEL NA FRENTE É PROIBIDA

A Justiça Eleitoral suspendeu a divulgação de três pesquisas eleitorais realizadas em Caruaru, a pedido da coligação que apoia Tony Gel (PMDB).
O levantamento do Instituto Paraná Pesquisas, que seria divulgado hoje, não pôde chegar ao conhecimento do público, por decisão da juíza Orleide Rosélia Nascimento Silva.
A magistrada justificou sua decisão argumentando que “não consta no registro do trabalho de campo informações quanto à nota fiscal, documento que comprova a origem dos recursos gastos na pesquisa e, considerando o peso de uma pesquisa eleitoral no convencimento do eleitor, tal omissão não pode ser ignorada pela Justiça Eleitoral”.
Apesar de não ter sido veiculada nos meios de comunicação, os números podiam ser acessados por qualquer pessoa agora pela manhã,  no site do Instituto Paraná Pesquisas, indicando uma vantagem de cinco pontos percentuais para a candidata Raquel Lyra (PSDB).
Outras pesquisas que foram divulgadas sem impedimento da Justiça Eleitoral, apontaram empate técnico na disputa em Caruaru.
De qualquer maneira a eleição de hoje na capital do Agreste é duríssima.

SERRA RECEBEU 23 MILHÕES DA ODEBRECHT

Da grande imprensa, apenas o jornal Folha de São Paulo divulgou a notícia de que a Odebrecht deu 23 milhões de reais, via caixa dois, para a campanha presidencial de José Serra (PSDB) em 2010.
O acerto financeiro foi feito com o ex-deputado federal Ronaldo Cezar Coelho e o dinheiro foi depositado numa conta da Suíça.

O Jornal Nacional, da TV Globo, não noticiou este fato, mesmo sendo destaque no principal informativo impresso do Brasil.

OPOSIÇÃO A PAULO CÂMARA FICA MAIS FORTE

Inaldo Sampaio revela hoje que independente do resultado da eleição em Caruaru, um bloco forte de oposição está se formando em Pernambuco para apoiar Armando Monteiro em 2018.
Fazem parte do grupo, segundo o jornalista da capital, os Lyra de Caruaru (PSDB), o prefeito José Queiroz (PDT), o ministro Bruno Araújo (PSDB), a deputada estadual Priscila Krause (DEM), o deputado federal Silvio Costa e o ministro Mendonça Filho.
Esses políticos até já se reuniram, durante a semana, em Caruaru e chegaram a conclusão de que na Frente Popular não há espaço para todo mundo.

O bloco é forte e não terá participação do PT.

CLÁUDIO ANDRÉ ESTREIA NA BOM CONSELHO FM

Na próxima terça-feira, 1º de novembro, o blogueiro e radialista Cláudio André estreia na Rádio Bom Conselho FM, apresentando o programa Você faz a Notícia.

O novo projeto profissional de Cláudio André irá ao ar na emissora FM da cidade em duas edições: de 7 às 8 horas e das 12 às 13 horas.

Cláudio André tem 23 anos de experiência em rádio e no seu novo programa focará no jornalismo, tendo a informação atualizada como ponto central.

Os acontecimentos de Bom Conselho e da região serão destacados através de uma linguagem simples, objetiva e com muita responsabilidade.

Nas duas edições de Você faz a Notícia teremos entrevistas, informações e os principais destaques das redes sociais. Também será criado um “elo” de participação com os ouvintes, pelo telefone e através da internet.


O programa será reproduzido no dois horário pela Rádio Web do Poeta.com

sábado, 29 de outubro de 2016

MUDANÇAS NO SECRETARIADO PODEM CHEGAR A 90%

Pessoas próximas ao prefeito Izaías Régis (PTB) garantem que a reforma do secretariado do Governo, no segundo mandato, será pra valer. Segundo alguns as mudanças podem atingir até 90% da equipe.

Um dos nomes mais cotados para o primeiro escalão é o do jornalista Carlos Eugênio, que foi um dos homens fortes da gestão Luiz Carlos de Oliveira, mas agora está muito próximo do prefeito reeleito.

Izaías, no momento, está mais preocupado com a realização do Natal Luz e somente no final do ano deve anunciar os novos nomes do Secretariado.

GARANHUNS CONSCIENTIZA CONTRA CÂNCER DE PRÓSTATA

Após um mês de mobilização rosa, agora é a vez do azul colorir Garanhuns, município mais importante do Agreste Meridional.

A campanha, intitulada “Novembro Azul”, tem o objetivo de conscientizar o público masculino quanto aos cuidados e prevenção referentes ao câncer de próstata.

A abertura oficial do evento acontecerá na próxima segunda-feira (31), na Câmara Municipal. A solenidade será aberta ao público e iniciará às 13h.

A campanha seguirá por todo o mês de novembro.

A partir do dia 1º até o dia 4 e entre os dias 21 e 25 será realizado um ambulatório noturno no Centro de Especialidades Luis Lessa (Cell), localizado no Centro Administrativo Municipal.

O objetivo da ação é facilitar ao público masculino o acesso aos serviços de saúde. Durante os dias de atendimento, que acontecerá das 18h até as 20h, o público contará com triagem de PA, HGT, peso, altura; avaliação nutricional, consulta médica; consulta odontológica; teste rápido de HIV, sífilis e hepatite; coleta de sangue, entre diversos outros serviços, que serão fornecidos gratuitamente.

Neste ano, a campanha terá três dias marcantes, considerados como “Dia D”, com ações pontuais no Parque Euclides Dourado, no dia 6; no 71º Batalhão de Infantaria Motorizado (71º BIMtz), no dia 17, e no Espaço Colunata, no centro da cidade, no dia 30. No dia 23 será realizado um evento voltado para os servidores públicos do município com o tema “Servidor também se cuida”. O evento acontecerá no Cell, a partir das 18h. O encerramento da campanha acontecerá no dia 30 de novembro, no Espaço Colunata.  (Ruthe Santana/Secom).

TONY E RAQUEL FAZEM DEBATE QUENTE NA TELEVISÃO

Quem esperava que o peemedebista Tony Gel “destroçasse” a tucana Raquel Lyra no debate de ontem à noite, na TV Asa Branca,  pode ter ficado decepcionado.

O candidato do PMDB começou sua vida profissional trabalhando em rádio, fez e nome como comunicador e quando entrou na política se elegeu deputado federal, deputado estadual, vereador e prefeito de Caruaru duas vezes.

Tem todo um currículo e experiência, portanto, para arrasar diante das câmeras qualquer adversário.

Não foi o que se viu, porém, no confronto desta sexta-feira, que terminou pouco depois das 23h, com grande audiência da afiliada da Globo,  em Caruaru e outros municípios.

Raquel escolheu melhor a roupa para aparecer na televisão, o que pode parecer uma bobagem, mas não é.

Os tons claros do conjunto escolhido pela candidata passaram uma imagem mais jovem e de tranquilidade, embora ela tenha se açodado em alguns momentos do debate, no ímpeto de rebater Tony Gel.

Este, por seu lado, estava diante das câmeras de terno preto, e embora seja simpático e sempre estampe um sorriso no rosto, parecia um pouco fúnebre e alguém deve ter se perguntado porque estava de “luto”.

O peemedebista passou a impressão de estar enfrentando na disputa o ex-governador João Lyra ou o atual prefeito José Queiroz, porque sua principal preocupação, o tempo todo era atacar esses dois, procurando vinculá-los a Raquel.

Questionou várias vezes porque a representante do PSDB escondia Queiroz do seu palanque e o fato do prefeito não aparecer ao seu lado em nenhum momento.

A filha do ex-governador foi dura na resposta: disse que seus apoios são conhecidos de todo povo de Caruaru e inclusive pretende terminar uma série de obras importantes iniciadas pela atual gestão. Acusou Tony de ter abandonado a prefeitura da última vez que se elegeu, tendo deixado o município nas mãos de Neguinho Teixeira, que acabou sendo preso por corrupção.

“Você tem o apoio de Neguinho Teixeira e dos 10 vereadores do município que foram presos pelo delegado Lessa por irregularidades. Agora, você esconde esses apoios”, cutucou Raquel Lyra.

Na tréplica, Tony Gel disse que a adversária tinha na sua coordenação de campanha um parente próximo de Neguinho Teixeira.

“Se você ganhar a eleição deve dar um bom cargo a ele na prefeitura”, escorregou o peemedebista, admitindo que Raquel pode ser eleita no próximo domingo.

Durante mais de uma hora os dois candidatos discutiram temas importantes como a questão da segurança pública em Caruaru, obras de mobilidade urbana, iluminação pública e a feira da sulanca.

Tony e Raquel chegam ao domingo da eleição, amanhã, empatados tecnicamente e somente saberemos se o debate desequilibrou a disputa se for divulgada alguma pesquisa nova neste sábado.

*Foto: G1 Caruaru.

PREFEITO CONVIDA PARA A ABERTURA DO NATAL LUZ

Pelo que está se desenhando o Natal Luz 2016 em Garanhuns será ainda mais bonito do o ano passado. E olhe que a festa em 2015 já foi uma beleza!

A Suíça Pernambucana está sendo preparada com carinho e locais como a entrada leste da cidade, a Praça do Relógio de Flores, a Avenida Santo Antônio e a Praça da Fonte Luminosa, estão recebendo uma decoração que irá encantar os garanhuenses e visitantes.

O prefeito Izaías Régis já está enviando o convite (imagem acima) para a abertura dos festejos natalinos, no próximo dia 11 de novembro.

CASA DAS JUVENTUDES TERÁ NOVIDADES EM LAJEDO

A Secretaria Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos está apresentando ideias inovadoras para o jovem. Voltada unicamente para este público, as atividades serão escolhidas e divulgadas por eles mesmos através da Casa das Juventudes de Lajedo. As metas que começarão a ser colocadas em prática já neste fim de ano foram discutidas esta semana pelos setores relacionados abaixo.

Reuniram-se coordenadores do CRAS, CREAS, Quartel Mirim, S.C.F.V. e Projeto Mais Educação para definir de que maneira a Casa das Juventudes pode ser movimentada com os jovens e o que pode ser ofertado. “No primeiro momento queremos fazer a divulgação da Casa através do próprio jovem, mediante decisão dele, e que sua opinião seja ouvida em conversa”, diz a coordenadora da Casa das Juventudes, Thayse Diniz.

O grupo irá se reunir com os alunos do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (S.C.F.V.) nesta sexta-feira para ouvi-los. Inclusive as atividades serão estendidas às escolas para que o maior número de adolescentes participe. A intenção é que a divulgação seja feita através de apresentações de dança e até da criação do “Cine Juventude” com histórias reais.

Foram idealizadas ações para os três turnos, visto que há público. E todas as ações serão levadas para as comunidades através das parcerias dos serviços. “O nosso ponto no momento é atingir as comunidades para tirar esses jovens da ociosidade”, completou Thayse. (Da Assessoria de Imprensa da Prefeitura).

sexta-feira, 28 de outubro de 2016

EM NOME DOS NOSSOS SONHOS...


Por Samuel Salgado*

A repressão política teve início em abril de 1964 com o golpe militar, tornando-se mais evidente após a edição do Ato Institucional n° 5, em 1968, ao suprimir os direitos de cidadania, dando poderes totalitários ao Sistema que governava o país.

Nessa época um simples simpatizante do socialismo era chamado de subversivo. Foi uma época de prisões, torturas e mortes. Muitas vezes, prenderam as mulheres, filhos e até parentes dos “suspeitos”, mesmo que fossem alheios às supostas atividades dos acusados, obrigando, assim, o indiciado a confessar seus supostos delitos ou delatar outras pessoas.

Impuseram o silêncio de toda e qualquer forma, objetivando prevalecer seus interesses.

Tempos de muito sofrimento e angústia. Não há exagero no que estou relatando. Nenhum.

Tudo isso representa a expressão da realidade daquele período sombrio. Tudo era repressão. Ausência total de liberdade.

Até hoje muitas mortes não foram esclarecidas e sequer sabe-se onde estão os seus corpos.

Nos anos 60 e 70 a desesperança tomou conta de todos e principalmente da juventude brasileira.

Lembrar isso é até uma forma de gratidão àqueles que se foram em nome dos nossos sonhos.

A verdade do que aconteceu só começou a aparecer após a extinção do AI-5, em janeiro de 1979. Daí por diante, tomamos conhecimento de parte da intensidade e do horror vivido nos "anos de chumbo".

Princípio dos anos 80...

O País estava mudando. Ainda governado pelos militares, mas já sob a influência de forte pressão popular, a nação caminhava a passos largos em busca de um novo estado democrático.

Alguns exilados políticos receberam anistia e foi restabelecido o pluripartidarismo com a criação de novos partidos (PDS, PMDB, PT) e a volta de outros (PTB e PCB), extinguindo-se a ARENA (Aliança Renovadora Nacional) e o MDB (Movimento Democrático Brasileiro).

Para muitos, essa reforma constituiu-se em mais uma manobra dos militares tentando dividir a oposição que se tornara cada vez mais forte.

Nesse contexto, foram realizadas as eleições de 1982.

Na verdade, deveria ter ocorrido em 1980, porém o governo identificando que O PMDB, sucedâneo do MDB era frágil no Norte, Nordeste e Centro-Oeste e no intuito de beneficiar seus candidatos, prorrogou os mandatos dos Prefeitos por dois anos para que a eleição municipal coincidisse com a estadual.

Desde o ano de 1962, que não se votava em Governador.

Esta eleição foi recheada de algumas particularidades.

Era a primeira em que o eleitor votava em Governador, Senador, Deputado Federal, Deputado estadual, Prefeito e Vereador.

Além disso, houve a verticalização eleitoral através do voto vinculado, ou seja, o eleitor era obrigado a votar em candidatos do mesmo partido para todos os cargos.

Note-se, ainda, que os partidos podiam indicar até três candidatos por legenda. Tudo isso se constituía numa verdadeira estratégia política visando sua permanência no poder.

Angelim, 1982...

Já se vão 34 anos e parece que foi ontem...

Debruço-me sobre o passado e seleciono o que de mais significativo aconteceu naquele ano marcado por uma disputa municipal acirrada e tensa. Duas candidaturas a foram postas. De um lado, o candidato do Partido Democrático Social (PDS), João da Costa, pertencente ao grupo que estava no poder a mais de 20 anos.

Do outro lado, os oposicionistas, angustiados com os desmandos administrativos e entusiasmados por uma proposta de mudança capaz de romper com este ciclo, defendida, principalmente, pela participação direta e espontânea da juventude e dos segmentos mais pobres da população, representados por mim (Samuel Salgado), jovem professor de apenas 32 anos, filiado ao Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB).

No sentimento do povo era imperativa a substituição da arrogância e da soberba na relação com suas entidades representativas, assim como a necessidade de uma política de valorização da qualidade dos serviços públicos que pudessem gerar oportunidades concretas dando materialidade aos seus sonhos.

Minha candidatura ganhou as ruas e os sítios.

Fizemos uma campanha simples e quase sem recursos financeiros.

Foi uma campanha bonita que sensibilizou, encantou e emocionou o povo.

As concentrações populares, além de alegrarem e movimentarem as manhãs das quartas-feiras (dia de feira), as noites dos sábados e tardes dos domingos, cada vez mais, impressionavam pelo entusiasmo e pela multidão de participantes.

Lembro que no comício de encerramento na Praça São José, centro da cidade, a emoção tomou conta de mim e a multidão foi ao delírio quando afirmei que por onde eu passava, as pessoas diziam: “voto em você, não apenas por ser o melhor candidato, mas, também, por ser filho de um homem chamado Deoclécio Cavalcanti”.

Ganhamos as eleições em todas as urnas.

Foi uma vitória com as cores e a alegria da luta pela dignidade de um povo.
Para se ter uma ideia do rolo compressor que representava o poder do PDS, desde o Agreste até o Sertão, só Angelim, Caruaru e Itapetim elegeram Prefeitos do PMDB.

O moleque, como eu era chamado, virou Prefeito, tendo como Vice-Prefeito Josemir Miranda. Dois jovens que a exemplo dos Vereadores eleitos João Ferreira, João Marcos, Zé Sátiro, Paulo Rodrigues, Zé Lira e o primeiro suplente Paulo Nunes nunca tinham disputado eleição. A responsabilidade era, portanto, muito grande.

No primeiro mês de administração, Paulo Nunes assumiu o mandato com a ida de João Marcos para Secretaria de Administração.

Há 34 anos, no imaginário coletivo está guardado o gesto que entrou para a história do município quando Zaqueu e Naná arrancaram a porta do Gabinete do Prefeito, numa demonstração de que aquela era uma conquista da luta de muita gente.

Falar desta grande conquista dos angelinenses é falar com emoção de um tempo de alegria daqueles que foram às ruas e aos sítios defenderem mudanças.

Rostos conhecidos como os de Luiz das Quatro Bocas, Samuel Paulo, Rui Cavalcanti, Zé Possidônio, Gilva, Zefinha de Manoel Delmiro, Maria Beliza, Celina do Poço do Boi, Eriberto Ricardo, Tino, Pedro Carlos, Nando de Alfredo Fumeiro, Marcos Siqueira, Zé Tito, Naná, João de Chico, João Siqueira, Vavá Inácio, Zé Inácio e Manoel de Eduardo (Mané Farrista), ao lado de outros rostos anônimos, tinham em comum o sentimento político tecido pelo fio da coragem e ousadia, capazes de transformarem a vida do povo.
Valeram muito todos os desafios que enfrentamos em busca dos sonhos de muita gente.

Com aquela conquista a cidade começou a se transformar. Desde então, Angelim não foi mais a mesma. 

*Samuel Salgado foi prefeito de Angelim por três mandatos.

ARMANDO ANTECIPA PAGAMENTO DO FUNCIONALISMO

Deputado Claudiano Martins, prefeito 
Armando Duarte e o vice, Severino Gordo

Hoje, Dia do Funcionalismo Público, o prefeito de Caetés, Armando Duarte, faz questão de homenagear todos os servidores do município.

“Sem os funcionários nós não conseguiríamos realizar tudo que temos feito pela cidade e zona rural. Parabenizo a todos que trabalham por uma saúde humanizada, por melhor qualidade na educação, os que se esforçam para desenvolver a agricultura, as pessoas que se dedicam tanto ao setor de obras, à cultura, aos esportes, aos que cuidam das finanças e a cada homem ou mulher que participa da administração em geral. Deixo aqui o meu abraço ao gari, à merendeira, aos professores, à enfermeira, ao médico, ao diretor ou secretário, enfim a todos que contribuem não com Armando Duarte, mas sobretudo com o desenvolvimento e o progresso de Caetés”, escreveu o prefeito.

Além da mensagem, simples, mas feita com o coração, segundo disse o gestor, Armando anunciou que está antecipando para hoje, dia 28, o pagamento de outubro de todos os vinculados ao município, sejam efetivos, contratados, comissionados, aposentados ou pensionistas.


ANA JÚLIA - A ESTUDANTE QUE EMOCIONOU O BRASIL

Do alto de seus 16 anos, a estudante Ana Júlia Ribeiro ainda tenta entender a guinada que sua vida deu em menos de 24 horas. Na quarta-feira (26), a jovem miúda e de olhos brilhantes não se intimidou diante dos deputados e, em plena Assembleia Legislativa do Paraná, fez um pronunciamento emocionado em que defendeu as ocupações dos colégios estaduais. O discurso viralizou na internet, trazendo os holofotes sobre a si e sobre o movimento estudantil. Ainda impressionada com a repercussão, Ana Júlia parece longe de reivindicar qualquer status de destaque ou de liderança. Afirma que quer apenas dar voz aos discentes. A repercussão do discurso rendeu até uma ligação do ex-presidente Lula. A jovem agradeceu o apoio, mas não quer que sua fala seja vinculada a partidos políticos.
“Eu estou orgulhosa de saber que os estudantes se sentiram representados”, disse. “Não, pelo amor de Deus, não quero ser líder de nada. Temos que ir com calma. A pauta, o movimento é muito mais importante”, acrescentou.
Ana Júlia recebeu a Gazeta do Povo, na tarde desta quinta-feira (27), no Colégio Estadual Senador Manuel Alencar Guimarães (Cesmag), nas Mercês, que está ocupado. A jovem que suspira pelas disciplinas de ciências humanas – principalmente filosofia e sociologia – participa do movimento desde que a escola foi tomada, há pouco mais de uma semana. Frequenta os debates, aulões e oficinas diversas, que são promovidos por voluntários. Acredita no movimento como forma de protestar contra a reforma do ensino médio, proposta pelo governo federal.
“A medida provisória [que prevê a reforma do ensino médio] não vai ser a melhor coisa pra gente. Nós queremos um canal de diálogo, para que a gente possa participar dessa construção”, disse.
Filha de uma professora municipal e de um advogado, Ana Júlia é curitibana e cresceu no bairro Santo Inácio. Desde cedo, a menina doce, mas de opinião, demonstrou interesse pela leitura. Aos 12 anos, devorou “O Mundo de Sofia”, que lhe ampliou os horizontes e mudou sua forma de pensar. Desde então, tem sido incapaz de ficar indiferente à dor dos outros. No ano passado, por exemplo, participou de uma missão de um grupo de jovens da Igreja Católica, em que foram a uma comunidade marcada pela pobreza em Montes Claros, Minas Gerais. A expedição ajudou a reforçar suas convicções.
“Eu tive certeza de que o Brasil precisa muito de mais políticas públicas”, resumiu. “Apesar de tudo, aquelas pessoas eram muito receptivas, dispostas a dividir o que tinham”, contou.
A aluna sonha em cursar Direito, principalmente por causa de um tema específico: direitos humanos. Aponta que quer lutar para desfazer mitos, como o que prega que “bandido bom é bandido morto”. “As pessoas dizem muito as coisas, mas sem saber. Parece que ninguém está interessado nas causas [dos problemas sociais]. Eu espero que esse movimento também façam com que elas reflitam mais”, pontuou.

Apartidarismo

Postado no Youtube e nas redes social, é praticamente impossível saber quantas vezes foi replicado. Assista ao discurso da estudante abaixo. Diante da repercussão, a estudante destaca que o movimento não tem vínculo com partidos políticos ou outras agremiações. Aponta que a mobilização é horizontal, múltipla e que pertence aos estudantes: não há uma liderança. Refuta qualquer hipótese de os alunos serem induzidos por professores.
“Essa história de doutrinação chega a nos ofender. Tudo aqui é discutido, debatido. Não somos vazios”, apontou. “Somos apartidários. Não temos lado. Aqui, mesmo [na ocupação], tem gente de direita, de esquerda. A nossa única bandeira é a educação”, ressaltou.
Entre as personalidades que compartilharam o conteúdo, está a ex-presidente Dilma Rousseff (PT) e chegou a receber um telefonema do também ex-presidente Lula (PT). Ela agradece pelo apoio, mas demonstra cautela: teme que alguém tente vincular o movimento a algum partido. “Eles [Dilma e Lula] tem o direito de compartilhar o vídeo. Eu não posso intervir nesse direito de manifestação deles”, ponderou.
Em um dos trechos mais comentados do discurso, Ana Júlia diz que os deputados “estão com as mãos sujas de sangue” pela morte do estudante assassinado dentro de uma escola ocupada. Após intervenção do presidente da Assembleia, deputado Ademar Traiano, que disse que não aceitaria acusações contra os parlamentares, a jovem emendou a tréplica: argumentou que, segundo o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), a responsabilidade pela educação é da sociedade, dos pais e do Estado.
“Eu já ia explicar, falar do ECA, mas ele [Traiano] interrompeu, ficou nervoso. Acho que isso chamou mais a atenção”, observou.
Ocupação
Ana Júlia participa da ocupação desde que o colégio foi tomado, há pouco mais de uma semana. Como o irmão dela também estuda no Cesmag, de cara, toda a família acabou se integrando ao movimento. A mãe chegou a dormir com os estudantes por três noites seguidas. No último fim de semana, o pai foi à escola para preparar um almoço aos alunos.
“No primeiro dia [de ocupação] eu vi um vídeo na internet, aqui da ocupação. Era um discurso improvisado, mas muito forte, claro. Eu pensei que fosse uma professora. Fui ver e era a Ana Júlia”, disse o pai da menina, o advogado Júlio César Pires Ribeiro.
Como pauta específica, os estudantes reivindicam a inclusão de artes (restrita ao 2.º ano) e de história (restrita aos 1.º e 3.º anos) em todo o ensino médio. O pai de Ana Júlia chegou a sugerir à estudante que se transferisse para um colégio particular. Ela negou.
“A Ana Júlia me disse: ‘Pai, esse é meu colégio. É essa realidade que eu tenho que mudar’. Ela acredita muito nisso, de que a gente pode transformar a realidade. E a gente pode mesmo”, disse Pires Ribeiro.
Antes de dar a entrevista por encerrada, este repórter perguntou se ela gostaria de responder sobre algum tema que não havia lhe sido questionado. Ela respondeu: “Eu só queria que o movimento aparecesse mais. A gente falou muito sobre mim, mas o movimento é mais importante”, finalizou.

Bienal

Bienal