Governo do Estado

Governo do Estado
Governo do Estado

sexta-feira, 28 de outubro de 2016

EM NOME DOS NOSSOS SONHOS...


Por Samuel Salgado*

A repressão política teve início em abril de 1964 com o golpe militar, tornando-se mais evidente após a edição do Ato Institucional n° 5, em 1968, ao suprimir os direitos de cidadania, dando poderes totalitários ao Sistema que governava o país.

Nessa época um simples simpatizante do socialismo era chamado de subversivo. Foi uma época de prisões, torturas e mortes. Muitas vezes, prenderam as mulheres, filhos e até parentes dos “suspeitos”, mesmo que fossem alheios às supostas atividades dos acusados, obrigando, assim, o indiciado a confessar seus supostos delitos ou delatar outras pessoas.

Impuseram o silêncio de toda e qualquer forma, objetivando prevalecer seus interesses.

Tempos de muito sofrimento e angústia. Não há exagero no que estou relatando. Nenhum.

Tudo isso representa a expressão da realidade daquele período sombrio. Tudo era repressão. Ausência total de liberdade.

Até hoje muitas mortes não foram esclarecidas e sequer sabe-se onde estão os seus corpos.

Nos anos 60 e 70 a desesperança tomou conta de todos e principalmente da juventude brasileira.

Lembrar isso é até uma forma de gratidão àqueles que se foram em nome dos nossos sonhos.

A verdade do que aconteceu só começou a aparecer após a extinção do AI-5, em janeiro de 1979. Daí por diante, tomamos conhecimento de parte da intensidade e do horror vivido nos "anos de chumbo".

Princípio dos anos 80...

O País estava mudando. Ainda governado pelos militares, mas já sob a influência de forte pressão popular, a nação caminhava a passos largos em busca de um novo estado democrático.

Alguns exilados políticos receberam anistia e foi restabelecido o pluripartidarismo com a criação de novos partidos (PDS, PMDB, PT) e a volta de outros (PTB e PCB), extinguindo-se a ARENA (Aliança Renovadora Nacional) e o MDB (Movimento Democrático Brasileiro).

Para muitos, essa reforma constituiu-se em mais uma manobra dos militares tentando dividir a oposição que se tornara cada vez mais forte.

Nesse contexto, foram realizadas as eleições de 1982.

Na verdade, deveria ter ocorrido em 1980, porém o governo identificando que O PMDB, sucedâneo do MDB era frágil no Norte, Nordeste e Centro-Oeste e no intuito de beneficiar seus candidatos, prorrogou os mandatos dos Prefeitos por dois anos para que a eleição municipal coincidisse com a estadual.

Desde o ano de 1962, que não se votava em Governador.

Esta eleição foi recheada de algumas particularidades.

Era a primeira em que o eleitor votava em Governador, Senador, Deputado Federal, Deputado estadual, Prefeito e Vereador.

Além disso, houve a verticalização eleitoral através do voto vinculado, ou seja, o eleitor era obrigado a votar em candidatos do mesmo partido para todos os cargos.

Note-se, ainda, que os partidos podiam indicar até três candidatos por legenda. Tudo isso se constituía numa verdadeira estratégia política visando sua permanência no poder.

Angelim, 1982...

Já se vão 34 anos e parece que foi ontem...

Debruço-me sobre o passado e seleciono o que de mais significativo aconteceu naquele ano marcado por uma disputa municipal acirrada e tensa. Duas candidaturas a foram postas. De um lado, o candidato do Partido Democrático Social (PDS), João da Costa, pertencente ao grupo que estava no poder a mais de 20 anos.

Do outro lado, os oposicionistas, angustiados com os desmandos administrativos e entusiasmados por uma proposta de mudança capaz de romper com este ciclo, defendida, principalmente, pela participação direta e espontânea da juventude e dos segmentos mais pobres da população, representados por mim (Samuel Salgado), jovem professor de apenas 32 anos, filiado ao Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB).

No sentimento do povo era imperativa a substituição da arrogância e da soberba na relação com suas entidades representativas, assim como a necessidade de uma política de valorização da qualidade dos serviços públicos que pudessem gerar oportunidades concretas dando materialidade aos seus sonhos.

Minha candidatura ganhou as ruas e os sítios.

Fizemos uma campanha simples e quase sem recursos financeiros.

Foi uma campanha bonita que sensibilizou, encantou e emocionou o povo.

As concentrações populares, além de alegrarem e movimentarem as manhãs das quartas-feiras (dia de feira), as noites dos sábados e tardes dos domingos, cada vez mais, impressionavam pelo entusiasmo e pela multidão de participantes.

Lembro que no comício de encerramento na Praça São José, centro da cidade, a emoção tomou conta de mim e a multidão foi ao delírio quando afirmei que por onde eu passava, as pessoas diziam: “voto em você, não apenas por ser o melhor candidato, mas, também, por ser filho de um homem chamado Deoclécio Cavalcanti”.

Ganhamos as eleições em todas as urnas.

Foi uma vitória com as cores e a alegria da luta pela dignidade de um povo.
Para se ter uma ideia do rolo compressor que representava o poder do PDS, desde o Agreste até o Sertão, só Angelim, Caruaru e Itapetim elegeram Prefeitos do PMDB.

O moleque, como eu era chamado, virou Prefeito, tendo como Vice-Prefeito Josemir Miranda. Dois jovens que a exemplo dos Vereadores eleitos João Ferreira, João Marcos, Zé Sátiro, Paulo Rodrigues, Zé Lira e o primeiro suplente Paulo Nunes nunca tinham disputado eleição. A responsabilidade era, portanto, muito grande.

No primeiro mês de administração, Paulo Nunes assumiu o mandato com a ida de João Marcos para Secretaria de Administração.

Há 34 anos, no imaginário coletivo está guardado o gesto que entrou para a história do município quando Zaqueu e Naná arrancaram a porta do Gabinete do Prefeito, numa demonstração de que aquela era uma conquista da luta de muita gente.

Falar desta grande conquista dos angelinenses é falar com emoção de um tempo de alegria daqueles que foram às ruas e aos sítios defenderem mudanças.

Rostos conhecidos como os de Luiz das Quatro Bocas, Samuel Paulo, Rui Cavalcanti, Zé Possidônio, Gilva, Zefinha de Manoel Delmiro, Maria Beliza, Celina do Poço do Boi, Eriberto Ricardo, Tino, Pedro Carlos, Nando de Alfredo Fumeiro, Marcos Siqueira, Zé Tito, Naná, João de Chico, João Siqueira, Vavá Inácio, Zé Inácio e Manoel de Eduardo (Mané Farrista), ao lado de outros rostos anônimos, tinham em comum o sentimento político tecido pelo fio da coragem e ousadia, capazes de transformarem a vida do povo.
Valeram muito todos os desafios que enfrentamos em busca dos sonhos de muita gente.

Com aquela conquista a cidade começou a se transformar. Desde então, Angelim não foi mais a mesma. 

*Samuel Salgado foi prefeito de Angelim por três mandatos.

4 comentários:

  1. A HISTÓRIA precisa ser contada para que os mais novos possam acompanhá-la no tempo e no espaço.Fatos aconteceram e fenômenos surgiram e os tempos são outros.

    Cada um tem sua própria história para contar e se lembrar.Lembro-me que ser do PMDB era muito difícil mesmo.

    Colocar uma foto de MIGUEL ARRAES,aquela de Chapéu de Palha era uma conquista para ser guardada debaixo do travesseiro.

    Andar com o Retrato de Arraes e Lula,os ex-prefeitos nos chamavam de doido e comunista de Cuba de Fidel Castro.Outros diziam que eles iriam invadir as propriedades com a REFORMA AGRÁRIA.Hoje ninguém fala mais de REFORMA AGRÁRIA.

    Parabéns pelos fatos narrados mostrando o que é HISTÓRIA verdadeira!

    ResponderExcluir
  2. Já no primeiro parágrafo, já se perde na diferença entre totalitário e autoritário.

    TOTALITÁRIOS FORAM E SÃO ATÉ HOJE OS REGIMES CUBANO, SOVIÉTICO, CHINÊS, NORTE COREANO, TOTALITÁRIO SERIA O QUE OS SANTINHOS DA ESQUERDA ESTAVAM PLANEJANDO TRAZER AO BRASIL, CAOS OS MILITÁRES NÃO TIVESSEM AGITO COM FORÇA.

    "Até hoje muitas mortes não foram esclarecidas e sequer sabe-se onde estão os seus corpos."

    Hoje na sua DEMOCRACIA 60 000 mil pessoas são assassinadas por ano no Brasil e somente 8% desses crimes são elucidados.

    A esquerda é TOTALMENTE incessível quanto a isso, nos dias de hoje, existe este verdadeiro HOLOCAUSTO e eles estão preocupados com 400 terroristas que sumiram ha 40 anos atrás. Só esse fato, por si só já deixa claro que a mentalidade desse pessoal de esquerda é completamente deturpado!

    ResponderExcluir
  3. Jornalista Roberto Almeida, honra-me ver este texto publicado em seu blog que se constitui num dos mais lidos e conceituados do Estado de Pernambuco, além de ter grande destaque no Brasil.

    Samuel Salgado.

    ResponderExcluir
  4. José Fernandes Costa29 de outubro de 2016 20:30

    PARABÉNS ao autor do texto, senhor Samuel Salgado! - Saber que ele foi prefeito por três mandatos, em Angelim, faz calar a boca de elementos burros, que vêm aqui dizer asnices! - Só os insanos podem sentir falta de um Garrastazu Médici, de um Brilhante Ustra, ou do hediondo delegado Sérgio Paranhos Fleury; todos estes e mais milhares de seguidores daquela cambada, são de triste memória! - Porque todos exerceram a tortura sanguinária, com "fé e orgulho"! – INFELIZES TEMPOS AQUELES! - 2. Lembro-me de que, em 1986, fui visitar um casal de professores universitários, aqui em Recife. - Em dado momento, perguntaram-me em quem eu iria votar pra governador. - Respondi: em doutor Miguel Arraes de Alencar. - A dona casa (professora universitária) tomou o maior susto, e disse-me: "Por Nossa Senhora... esse homem vai tomar tudo quanto a gente tem... e você vai votar nele?" – Então, fiz pouco caso do espanto dela e desviei o assunto! – 2. Santa ignorância de um povo quadrúpede, em sua maioria. /.



    ResponderExcluir