domingo, 4 de dezembro de 2016

PASSAGEM DE ÔNIBUS DEVE PASSAR DE R$ 2,50

A passagem de ônibus em Garanhuns deve ser reajustada, a partir de janeiro, entre 7 e 8%, pulando dos atuais R$ 2,30 para um valor em torno de R$ 2,55. 

A informação é do site do Jornal Imprensa do Agreste.

O valor é considerado elevado, uma vez que o percurso dos ônibus dentro da cidade é muito curto. Da Avenida Santo Antônio para a Cohab I ou II, por exemplo, são pouco mais de 4 km, isso para quem vai do terminal do centro ao do bairro, ou vice versa.

Além disso muitos dos coletivos atuais só têm metade dos assentos e os passageiros, principalmente nos horários de pico, são obrigados a viajar em pé e algumas vezes “espremidos”.

Uma reclamação constante dos usuários é relacionada com a demora dos ônibus. Não é raro o passageiro numa parada ter de esperar 40 minutos e até uma hora até que surja o coletivo.

A São Cristóvão monopoliza o transporte público de Garanhuns e muitos moradores da cidade,  de pouca condição financeira, percorrem distâncias enormes a pé todos os dias para economizar com a passagem.

Outros,  obrigados pela necessidade, quanto têm um dinheirinho andam de moto-táxi, que estão cobrando tarifas absurdas e oferecem pouca segurança.

TEMER É HUMILHADO PELO SILÊNCIO EM CHAPECÓ

Do jornalista Paulo Nogueira:

O que é pior: ser vaiado ou desprezado? Ser apupado ou ignorado?

Não são questões fáceis estas que devem estar ocorrendo agora a Michel Temer.

Para resumir, pode-se dizer que ele teve o que merecia neste sábado em Chapecó.

Depois de uma série de idas e vindas, em que o pânico das vaias falou alto para sua alma medrosa como de hábito, ele decidiu ir ao estádio do Chapecó para as homenagens às vítimas da tragédia.

Seu nome foi anunciado. Nenhuma manifestação. Nem vaia, nem aplauso. Foi como se tivessem dado a hora.

O nome do embaixador da Colômbia foi anunciado: palmas. Palmas de pé.

O contraste foi humilhante para Temer. Foi um silêncio gritante.

Se tinham vontade de vaiar Temer, os presentes ao estádio deram uma lição de civilidade e humanidade. Não era, definitivamente, hora de misturar política e tributo. Cada coisa tem sua hora e seu lugar.

Vaiar Temer seria desrespeitar muito mais as vítimas da tragédia do que o próprio Temer.

O silêncio foi um gesto de grandeza da multidão. Ao mesmo tempo, foi mais uma prova de que Temer é menor que os brasileiros.

*O experiente jornalista Paulo Nogueira é editor do Diário do Centro do Mundo. O texto acima foi reproduzido do Blog Capoeiras.

OS DRAMAS HUMANOS NA OBRA DE JOSÉ CONDÉ

ESPECIAL - José Condé, escritor natural de Caruaru, nasceu em 1917, portanto no próximo ano deve ser comemorado o seu centenário.

É de se esperar que Raquel Lyra, que já terá assumido a Prefeitura, elabore uma programação festiva e cultural à altura do nome do romancista, autor de Histórias da Cidade Morta, Pensão Riso da Noite, Vento do Amanhecer em Macambira, Tempo Vida Solidão e Terra de Caruaru, entre outras obras reconhecidas pela crítica literária nacional.

Infelizmente, da mesma maneira que Luís Jardim, o grande nome da literatura nascido em Garanhuns, Condé está quase que esquecido e seus livros não são encontrados atualmente nas livrarias, a não ser nos sebos.

Condé nasceu na capital do Agreste, depois viveu em Recife, Petrópolis e finalmente no Rio de Janeiro, onde se consagrou com suas novelas e romances.

A prosa do caruaruense é simples, mas trata dos dramas humanos, da solidão, expõe a crueldade de homens brutos e se compadece das mulheres de pouco ou nenhum futuro.

Em “Terra de Caruaru”, um dos seus livros de maior êxito, mesmo sendo uma obra de ficção, José Condé conta a formação histórica da cidade, criando personagens fortes, alguns parecendo bem reais, lembrando pessoas que nós conhecemos em algum momento, nesses agrestes.

Mesmo morando no Rio de Janeiro, o escritor nordestino não esqueceu suas raízes e nos seus livros contou histórias passadas em Caruaru, no Recife ou cidades fictícias da região.

Tanto soube abordar os dramas rurais, de cunho regional, como a solidão nos centros urbanos, como faz com maestria ao narrar a vida do velho Naé, um “pobre diabo” vivendo em quase completa miséria e solidão, convivendo com pobres como ele na área do Cais do Apolo, na capital pernambucana.

José Condé morreu com pouco mais de 50 anos, em 1971,  deixou uma dezena de livros que merecem ser conhecidos por quem gosta da boa literatura com um toque regional, sem deixar de ser universal.

O homem, a vida, as incertezas, a angústia, o sofrimento, o seu tempo... tudo isso está na obra de Condé, que deve ser motivo de orgulho para os caruaruenses e pernambucanos.

Abaixo, um pequeno trecho de “Tempo, Vida, Solidão”, que expressa bem a força da literatura do escritor nascido em Caruaru:

O mundo era um só; onde estivesse o ser humano, aí estaria o mundo com suas esperanças ou tristezas. O mundo estava naquele bar sujo e sórdido perdido numa noite do Recife, onde dois garçons, em silêncio, observavam um velho, que, diante da mesa de mármore cheia de nódoas e moscas, bebia, impassível, um cálice de aguardente.

Rompendo o silêncio, o garçom português disse ao garçom mulato:

- Com efeito, a velhice deve ser uma coisa triste.

Entretanto, o velho Naé estava pensando: “Há muitos dias não me sinto tão feliz como hoje”.

CONSIDERAÇÕES SOBRE A LEI DE ABUSO DE AUTORIDADE

Do jornalista Elio Gaspari*
Os doutores da Operação Lava Jato declaram que o projeto que castiga os abusos de autoridade praticados por policiais, juízes e promotores destina-se a “aterrorizar procuradores, promotores e juízes”.
Não estão sozinhos. A presidente do Supremo, ministra Cármen Lúcia, pergunta : “Criminalizar a jurisdição é fulminar a democracia. Eu pergunto a quem isso interessa? Não é ao povo, certamente. Não é aos democratas, por óbvio. Desconstruir-nos como Poder Judiciário ou como juízes independentes interessa a quem?”
Foi procurador da República e ministro do Supremo Tribunal Federal, corte da qual foi presidente de 2012 até 2014.
Joaquim Barbosa, que ocupou a cadeira da ministra, fez um raciocínio mais acrobático. Se eu posso derrubar um chefe de Estado, segundo ele, as forças que cassaram o mandato de Dilma Rousseff estariam num novo lance: ” por que não posso intimidar e encurralar juízes?”
A ideia de que o projeto aprovado na Câmara intimida, encurrala, ou amedronta os juízes, procuradores e policiais repetiu-se dezenas de vezes. Basicamente, o projeto estabelece penas de seis meses a dois anos de prisão para juízes que ajuízem ações com má-fé, por promoção pessoal ou perseguição política ou para procuradores que instaurem procedimentos “em desfavor de alguém, sem que existam indícios mínimos de prática de alguma transgressão”. O nó está aí, um inquérito aberta levianamente pode dar cadeia.
Na análise na delegação especial, deputados recusaram alguns dos pontos originais da proposta do Ministério Público, batizada de “dez medidas contra a corrupção”, entre elas chance de utilização de provas ilícitas, desde que obtidas de boa fé, e enfraquecimento do habeas corpus. No documento, o juiz federal declara compreender que “este não é o melhor momento para debater sobre o projeto” da lei de abuso de autoridade pois sua aprovação poderá ser interpretada como medida para impedir a progressão de inquéritos criminais importantes como a Lava Jato.
Na quinta-feira 24 de novembro em nova audiência da ação contra o ex-presidente Lula no Paraná, o juiz federal Sergio Moro, que governava o processo, havia rebatido nesta quinta a tese da defesa do petista, que via um elo entre a Operação Lava Jato e o governo estadunidense.
Alguns artigos são banais, como o que penaliza os servidores que venham a “proceder de modo incompatível com a honra, a dignidade e a decência de suas funções.” Houve época em que um presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo deixava sua Porsche no estacionamento da Corte. Vá lá. Num surto, o projeto deseja proibir juízes de dar vislumbradas. É verdade que eles não teriam que falar fora dos autos, mas não podem ser amordaçados.
A Lava Jato e os inquéritos estariam ameaçados porque, aberto uma investigação, um cidadão que se julgue prejudicado poderá processar procuradores ou mesmo o juiz por abuso de autoridade. “Um atentado à magistratura”, de acordo com o juiz Sergio Moro.
O juiz também questionou o pacote anticorrupção aprovado na madrugada de quarta-feira pela Câmara que, segundo ele, foi desconfigurado pelos deputados. O juiz falou diversas vezes em “Câmera” para se referir à Câmara dos Deputados, confundiu “célere” com “célebre” e quando desejava declarar”servo” em outro ponto, disse “cervo” quando de suas colocações.
Antes de consentir com o fim do mundo, fica uma questão: quem poderá condenar o policial, o procurador ou o juiz? Um juiz, e só um juiz.
Se os procuradores da Lava Jato, o juiz Moro, a ministra Carmen Lúcia e seu colega Joaquim Barbosa não confiam na Justiça, por que alguém haverá de fazê-lo?
De fato, juízes e procuradores podem se sentir intimidados, até mesmo aterrorizados. A Lei Maria da Penha, por exemplo, intimida e aterroriza milhares de homens que pensam em bater numa mulher. Assim são as coisas e é bom que assim sejam.

A defesa da lei do abuso tem uma carga maldita. De um lado estão juízes e procuradores que batalham a favor da ética e do outro, personagens de pouca fama. Uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa. Imagine-se que um sujeito entra numa igreja e vê um batizado. Os padrinhos são os senadores Renan Calheiros e Romero Jucá, mais os deputados Rodrigo Maia e Weverton Rocha, signatário da emenda que define crimes de responsabilidade para juízes e procuradores. O bebê é inocente, nada sabe da vida, mas acaba associado aos quatro padrinhos.
*Elio Gaspari é um dos jornalistas mais conceituados do mundo. Autor de um série de livros sobre a ditadura de 1964,  que viraram best seller no Brasil, assina uma coluna que é publicada nos principais jornais do país, como O Globo, Folha de São Paulo e Jornal do Commercio do Recife.

CRECHES TÊM ACOMPANHAMENTO DE NUTRICIONISTA

Há 4 anos, desde o início da gestão do prefeito Rossine Blesmany , as creches de Lajedo recebem atenção de profissionais da Nutrição. Anualmente são feitos acompanhamentos através de avaliação nutricional com todas as crianças. Esta semana as creches Cecília Vilaça, Menino Jesus e Nosso Lar foram visitadas por uma das três nutricionistas da Secretaria Municipal de Educação.

A avaliação nutricional consiste em pesar e medir os alunos para verificar os índices de desnutrição e obesidade. “Quando começamos em 2013 os dados apresentaram alguns casos de desnutrição, obesidade e até anemia. Este ano poderemos mostrar a evolução após 4 anos de reforço”, contou a nutricionista Tainã de Moraes.


Após identificar através da curva de crescimento (peso, idade e altura), a nutricionista conversa com os pais para que a alimentação seja reforçada em casa, afinal 80% da alimentação das crianças do maternal I, II e III é feita na creche. As nutricionistas procuram adaptar o cardápio de acordo com as necessidades nutricionais de cada criança com esses problemas. “Nós queremos ter a garantia que na creche a alimentação chegue perto dos 100% para que em casa complemente os 20%. Mas infelizmente em alguns casos isso não acontece devido vários fatores sociais”, explicou.

sábado, 3 de dezembro de 2016

ARTISTAS ACUSAM GOVERNO DO ESTADO DE DAR CALOTE

Por Junior Almeida

Artistas da Associação Luiz Gonzaga de Forrozeiros do Brasil se reuniram para cobrar do Governo do Estado seus pagamentos, que segundo eles está atrasado há um ano. Em um vídeo que já foi visto por milhares de pessoas e também um texto divulgados no Facebook da associação (aqui), nomes como o sertanejo Flávio Leandro (foto), o sobrinho de Luiz Gonzaga, Joquinha Gonzaga, dentre outros forrozeiros, falaram da demora em receber pelo que trabalharam. 

Com um bolo na mão com uma velinha de um ano, os artistas cantaram um irônico parabéns, pelo ano de espera. O vídeo protesto ainda acusa o Governo de Pernambuco de ser contra Gonzagão. Abaixo a nota na íntegra divulgada pelos artistas:

Com ou sem Governo...A festa não pode parar...
Caros amigos, há três anos, em conjunto com o Parque Asa Branca em Exu, nós, artistas da Associação Luiz Gonzaga dos Forrozeiros do Brasil, estamos segurando a festa anual em homenagem ao Rei do Baião, na garra, cedendo os nossos cachês, bancando a estrutura, etc. 

O Governo de Pernambuco virou as costas para o Gonzagão. Quando dá um mísero patrocínio para custear despesas, demora de um a dois anos para pagar!!! Muita gente, às vezes, critica, cobrando uma grade mais arrojada, mas, os grandes nomes da música nordestina que beberam diretamente da fonte do Mestre Lua não estão afeitos à causa. 

A verdade é que boa ou ruim, grande ou pequena, a festa tem que acontecer, e estaremos sempre prontos pra dar nossa contribuição. Neste ano, o Governo de Pernambuco, além de não pagar as despesas do ano passado, já sinalizou que só ajudaria com 30 mil reais. Resolvemos não aceitar a esmola para não sermos obrigados a fazer propaganda gratuita dessa gestão.

 Sendo assim, peço a colaboração de todos os gonzagueanos que compareçam ao Parque Asa Branca em Exu, nos dias 10 e 11 de dezembro. Abracem os artistas que que irão compor a grade. Valorizem estes artistas. Agradeçam aos mesmos...


Façamos a festa, independentemente de governo. Somos fortes, Somos Luiz, somos Luz, somos Forró, Somos Baião, Somos Reis...

IZAÍAS PODE SER VICE DE ARMANDO MONTEIRO?

Há um zum zum zum em Garanhuns com relação a eleição de 2018.

Segundo algumas pessoas o prefeito Izaías Régis (PTB) poderia ser o nome ideal para ser candidato a vice-governador na chapa de Armando Monteiro, caso o líder petebista tope enfrentar Paulo Câmara pela segunda vez. Como Raquel Lyra (PSDB), prefeita de Caruaru, também vai apoiar a oposição, essa dupla sairia bastante forte do Agreste.

Na próxima eleição são duas vagas para o Senado. Aí a Região Metropolitana do Recife seria contemplada com um ou mesmo os dois candidatos a esses cargos, na chamada Câmara Alta.

Se essa hipótese não vingar Izaías também pode disputar um mandato de deputado federal, fazendo dobradinha com Michelle Régis, que tentaria resgatar a vaga do município na Assembleia Legislativa.

Logicamente que o prefeito não vai falar sobre o assunto nem admitir essa possibilidade, pois ainda nem iniciou o segundo mandato.

Mas que tem gente do seu grupo sonhando alto, isso tem.

Quanto ao vice-prefeito Haroldo Vicente, da confiança do gestor do município, ninguém duvida de que faria o sacrifício de assumir o Governo Municipal por dois anos, na hipótese de Izaías disputar outro cargo em 2018.


Caruaru já teve na história recente de Pernambuco os nomes de Roberto Fontes, Jorge Gomes e João Lyra Filho como vice-governadores. Por que Garanhuns também não pode ocupar esse espaço de poder?

Para quem acha que Izaías não tem cacife para ser vice é bom lembrar que ele foi deputado estadual por 10 anos e como prefeito é respeitado nos quatro cantos do Estado, sendo considerado como um dos melhores gestores atuais, incluindo os 184 municípios pernambucanos.

Não é à toa que o petebista foi reeleito com 70% dos votos, contra quatro candidatos da oposição.

Pode-se gostar ou não de Izaías Régis. O que não se pode negar é que ele é um vitorioso na política, além de ser "pé quente". Tanto que em 2012, quando a campanha estava difícil, Silvino renunciou para lhe apoiar contra Zé da Luz e então as coisas ficaram bem mais fáceis.

CAPOEIRAS DE DISTRITO A CIDADE

Capoeiras, a 24 km de Garanhuns, foi distrito de São Bento do Una, até se emancipar, em 21 de dezembro de 1963, no primeiro governo de Miguel Arraes de Alencar, que antes de ser deposto pelos militares deu autonomia a vários lugarejos de Pernambuco.

Quando vila de São Bento, Capoeiras tinha poucas casas, quase todas na rua do comércio, já que a maioria dos logradouros e avenidas atuais não existiam nesta época.

Um dos homens que impulsionou a economia da cidade foi João Borrego, que em plena década de 60 tinha uma loja no distrito e depois cidade com amplo sortimento e um razoável número de empregados.

João Borrego hoje dá nome a principal praça do centro de Capoeiras. Um dos seus filhos, Heronides Borrego, também foi de grande importância na formação e desenvolvimento do município.

Nos anos 60 e 70, no ex-distrito de São Bento do Una, se destacaram, além de João e Heronides Borrego, personagens como Álvaro Tenório, José Soares de Almeida, Gabriel Branco, Olegário Bento de Souza, Euclides Almeida,  Adauto Praxedes, Gildo Marques, José Manuel e seu irmão, Manoel Antônio, Aluízio Bezerra, Superpino, Zé Vieira, Seu Doca, Moisés Calado, José Gila, Manoel Reino, Joaquim de Neco, Dona Antônia (primeira mulher a se eleger vereadora do município) e muitos outros e outras.

Cada um a seu modo deu sua colaboração ao município, desenvolvendo o comércio, aproveitando o potencial da feira, realizada às sextas - que sempre foi forte - e alguns se dedicando à vida pública e realizando obras importantes em benefício da população.

A maioria das pessoas citadas tiveram a preocupação de dar estudos aos filhos, muitos deles se deslocando, quando chegou a idade, para Garanhuns e Recife, onde conseguiram diplomas de médicos, advogados, engenheiros, veterinários, fisioterapeutas, odontólogos, farmacêuticos e professores, dentre outras profissões.

Capoeiras sempre foi um lugar tranquilo e antigamente tanto na cidade ou zona rural raramente acontecia um homicídio ou assalto. Esta realidade hoje é um pouco diferente e a violência crescente tem sido uma preocupação dos moradores do ex-distrito de São Bento do Una.

O IBGE faz uma estimativa que Capoeiras fechará 2016 com uma população bem próxima dos 20 mil habitantes. O censo de 2010 deu os seguintes números: 19.593 moradores, 6.263 vivendo na cidade e 13.330 na zona rural.

Homero Fonseca, no seu livro sobre os municípios pernambucanos, escreveu o seguinte sobre a terra de João Borrego:

Capoeiras, no Agreste Meridional, abriga em suas terras a nascente do Rio Una e os remanescentes de antigos quilombos, no Sítio Imbé.

Inicialmente foi distrito de São Bento, emancipando-se pela Lei Estadual 4.998, de 1963.

Seu nome significa, segundo o Houaiss, “terreno roçado regularmente cuja vegetação se compõe basicamente de ervas e arbustos” e seria derivado do tupi ko´peera, de ko: roça+pwera: que já foi.

Mário Melo considera ser uma corruptela de cáa-poera, “mato extinto, mata cortada ou destruída”, que “costuma se confundir capueira, de co-poéra, roça extinta, roça velha, abandonada e já invadida pelo mato.
O gentílico para quem nasce no lugar é capoeirense.


O município tem uma área de 335 m2. Portanto é uma zona rural extensa, além dos distritos de Maniçoba, Alegre e Riacho do Mel.

TEMER MUDA DE OPINIÃO E VAI A VELÓRIO

Por Junior Almeida

Definitivamente não se pode escrever o que o presidente Michel Temer diz. Assim como um iô iô que vai e volta no cordão, o político do PMDB também é acostumado a ir e voltar em suas decisões, a anunciar e desanunciar medidas, a dizer e depois desdizer e também a nomear e depois desmanchar o que fez. Com mais essa mudança de opinião, o mandatário do país escreve mais uma linha do capítulo da sua nada honrosa história política.

Incomodado com a enorme repercussão negativa de não comparecer ao velório coletivo das vítimas da tragédia do voo da Chapecoense, na Arena Condá, o presidente voltou atrás em sua decisão, e anunciou agora pela manhã que não vai mais receber os familiares dos mortos no aeroporto de Chapecó, onde pretendia consolá-los, que vai sim “enfrentar” o povo, mesmo que seja vaiado, o que é pouco provável devido a comoção das pessoas. Tentando melhorar a imagem de Temer, a decisão do presidente vem sendo amplamente divulgada pela mídia amiga, como se tal ato por parte do presidente fosse um favor que ele estaria fazendo as famílias enlutadas.

Um momento esperado pelos presentes e principalmente pela imprensa é o provável encontro de Temer com Osmar Machado, pai de uma das vítimas do acidente, o zagueiro da Chape, Felipe Machado. Osmar foi aquele senhor que soltou o verbo contra Temer, dizendo ser uma vergonha o representante maior do país não querer ir ao encontro dos parentes da vítima. Vamos esperar para ver, pois até o fim do dia, pode ser que o Senhor Presidente mude de opinião.

* Foto do Google. 

O PRESIDENTE QUE TEM MEDO DE TUDO


Do jornalista Josias de Souza, hoje na Folha de São Paulo:

Michel Temer decidiu render homenagens aos mortos de Chapecó. Bom! Acompanhado de Marcela, sua mulher, o presidente voará para a cidade catarinense neste sábado. Ótimo!! Após determinar o transporte dos mortos pela FAB, Temer deseja confortar os parentes. Extraordinário!!!
A coisa parecia caminhar bem. Até que… O setor de inteligência do governo farejou o risco de protestos. Temer foi aconselhado a evitar o velório. Com medo de vaias, concordou. Deve cumprimentar os parentes no aeroporto, em cerimônia a ser realizada após o desembarque dos corpos. Se é assim, melhor ficar em casa.

O aeroporto esvazia a morte do seu sentido dramático. Os defuntos estarão fora do seu ambiente natural. Prevê-se uma solenidade de distribuição póstuma de medalhas. Os parentes serão constrangidos a trocar a espontaneidade da dor por uma máscara cerimoniosa. Um desastre!
Pai do zagueiro Filipe, Osmar Machado declarou: “Eu não preciso do cumprimento dele no aeroporto. Se ele tem dignidade e vergonha na cara, que venha aqui [no velório a ser realizado no estádio municipal] cumprimentar as pessoas.''

Temer talvez devesse ouvir menos seus assessores. Há risco de protestos em Chapecó? Pior para os organizadores, que desrespeitam o luto alheio. No mais, resta constatar: um presidente da República que não pode frequentar um velório talvez esteja vivendo seu próprio funeral. Em política, quando o vivo é pouco militante muitos têm vontade de lhe enviar coroas de flores.

*A foto é da Folha de São Paulo. O título é nosso. Na coluna de Josias a manchete é: "Quem não pode ir a velório vive o próprio funeral".

NATAL DE GARANHUNS INAUGURA POLO INFANTIL

O Natal Luz de Garanhuns está chegando em seu quarto final de semana, com diversas atrações no Polo Prefeitura, na Avenida Santo Antônio e no distrito de Miracica. Além disso, neste final de semana, o Natal Luz trará novidade. Neste sábado (3), às 16h30, será inaugurado o Polo Infantil, que funcionará na Praça Souto Filho, conhecida popularmente como “Fonte Luminosa”. Neste primeiro dia, o público poderá conferir a apresentação “Rede Mestre e Brinquedos”, com o Reisado de Fuzarca. Este polo funcionará aos sábados, até o final do evento, com horários alternados.

Ontem,  sexta-feira, a programação natalina incluiu Cantata do Colégio Santa Sofia, em frente à Catedral Santo Antônio, no centro da cidade. O tema da apresentação foi “A Mais Perfeita Criação”. Às 19h30, no Palco Prefeitura, o público pôde apreciar o Coral Infantil da Igreja Presbiteriana Central. Ainda no mesmo polo, às 20h houve show de Dalva Diniz e Aldecy Souza, intitulado “Horizontes do Natal”, e às 21h30 a programação foi finalizada com o show de Nosso Jazz. 

Hoje os garanhuenses e turistas que estarão na cidade poderão acompanhar, a partir das 18h, o Desfile do Papai Noel, que acontece na Avenida Santo Antônio. Às 19h, a casa do Bom Velhinho, instalada em frente à sede do Poder Executivo, é aberta para visitação. Em seguida, a partir das 20h, o Palco Prefeitura receberá a Orquestra Manoel Rabelo e um dos artistas mais esperados desta edição do evento, Altemar Dutra Júnior. 

No dia domingo (4), O desfile de Natal e visitação à Casa do Papai Noel seguem no mesmo horário. A partir das 19h30 será iniciada a programação no Palco Prefeitura, com o Grupo de Violões do Centro de Referência de Assistência Social (Cras) Heliópolis, junto ao Coral do Cras Várzea. Em seguida, o público poderá conferir a apresentação do Grupo de Flautas do Cras Magano e um musical da Escola Adventista, com a apresentação “Um Milagre de Natal”. E para encerrar a programação, a Banda Outono subirá ao palco com o show “A Arte da Música”. 

Ainda no domingo, o Natal Luz chegará também ao distrito de Miracica. Com apresentações a partir das 17h30, os moradores da comunidade poderão prestigiar a Rede Mestre e Brinquedos, que apresentará o “Reisado de Fuzarca”; a Orquestra Meninos de Saloá; estudantes da Escola Elisa Coelho, apresentando “Auto de Natal: O Messias Nordestino” e o Trio Pisa na Fulô, com o show “Forrozando no Natal”. 


Solidariedade – Nesta edição, o Natal Luz também está promovendo mais solidariedade. Se você quer participar da campanha, basta depositar algum brinquedo na Casa do Papai Noel, instalada em frente à Prefeitura, no centro da cidade. Os presentes serão doados às crianças carentes do município. 

(Ruthe Santana, da Secretaria de Comunicação).

sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

COM MEDO DE VAIAS TEMER NÃO VAI AO VELÓRIO DO TIME DA CHAPECOENSE E IRRITA FAMILIARES DOS MORTOS

Por Junior Almeida

Pouco a pouco vai caindo a ficha dos brasileiros de que foram enganados, que o golpe que apoiaram com perspectivas de melhoras para as suas vidas, faz a cada dia a situação do país piorar em todos os setores. Para piorar, o presidente Temer tem a desfaçatez de ir a televisão pedir paciência ao povo.

Paciência para que ele termine de desmontar a Petrobras, ou de salvar a pele de todos os corruptos que tomaram o poder, e agora estão ameaçado com a delação da Odebrecht, a chamada “delação do fim do mundo”?

Para completar, Temer é a imagem do baixo clero da política nacional, imagem da covardia, dos que agem em surdina e à traição. Na abertura da Olimpíada mesmo, consciente do Judas que foi e da alta rejeição que tem, Michel Temer, como representante da nação, limitou-se a declarar os jogos abertos, sem nem ao menos cogitar discursar. Mesmo assim não impediu que levasse uma sonora vaia, que a grande mídia tratou de tentar abafar.

Temer agora passa mais uma vez o recibo de sua pequenez. Enquanto o mundo, especialmente o Brasil, chora pela tragédia do time da Chapecoense, o mandatário do PMDB além de anunciar que não vai comparecer ao velório coletivo na Arena Condá, em Chapecó, Santa Catarina, por medo do povo, por medo das vaias, ainda quer que os familiares dos mortos vão até ele no aeroporto sejam supostamente consolados.

Quando soube dessa “novidade”, que teria de deixar de velar o corpo do filho, o pai do zagueiro Felipe Machado, soltou o verbo. O possesso Osmar Machado, disse:

-Eu não vou de jeito nenhum. Ele (Temer) que tem que vir aqui (no velório). Você acha que eu vou deixar meu filho aqui e vou lá dar uma abraço nele só porque ele é presidente?

Osmar Machado, que parece não ter “papas na língua”, externou toda sua indignação com o fraco presidente dizendo:

- Eu acho até uma falta de respeito ele ficar lá (no aeroporto). Eu acho que ele teria que vir aqui participar ficar aqui com nós.


Como pode-se notar, nem só a economia do país vai mal, o próprio Temer com suas atitudes mesquinhas, protetoras aos corruptos amigos seus, fazem cada vez mais que ele despenque em popularidade, que já é bem baixa.

PREFEITURA COMPRA NOVOS ÔNIBUS ESCOLARES

O prefeito Izaías Régis reconhece que ainda há muito a se fazer pela  educação em Garanhuns, mas garante que a situação melhorou na sua gestão e os avanços vão continuar.

O petebista aproveita para informar que a Prefeitura comprou mais de 10 novos ônibus escolares, com o objetivo de encurtar o caminho à escola, assegurando mais conforto e segurança aos alunos.
*Foto: FH Studios

JORNALISTA ATACA BARBOSA E É CHAMADO DE IDIOTA

O jornalista Reinaldo Azevedo que escreve para a Revista Veja e o jornal Folha de São Paulo, atacou em sua coluna o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, por este ter avaliado o impeachment como uma “encenação”.

Segundo a opinião de Azevedo as respostas de Barbosa, na entrevista dada ao jornal Folha de São Paulo “trazem uma das maiores quantidades de bobagens por centímetro quadrado dos últimos tempos”.

Joaquim Barbosa, como os brasileiros já sabem, não é de ficar calado a qualquer tipo de provocações. Hoje mesmo os jornais e sites de notícia trazem uma resposta do ex-presidente do STF ao jornalista.


Ele disse que há um ano não dava entrevista e quando abriu a boca logo apareceu o primeiro ataque. “De quem? De um 'pau mandado' de grupos e partidos políticos chamado Reinaldo Azevedo. Um idiota que não tem consciência da própria irrelevância", detonou Joaquim Barbosa citando nominalmente o jornalista da Veja.

JUÍZES DE GARANHUNS CRITICAM DEPUTADOS FEDERAIS

Os Juízes de Direito da região de Garanhuns, que abaixo subscrevem, vêm a público manifestar concordância com a “A NOTA DA ASSOCIAÇÃO DOS MAGISTRADOS BRASILEIROS (AMB),  QUE REAGE AO ATO DE APROVAÇÃO DE MEDIDAS QUE ALTERARAM O PACOTE ANTICORRUPÇÃO E VISAM ENFRAQUECER O JUDICIÁRIO E O MINISTÉRIO PÚBLICO COMO INSTITUIÇÕES ESSENCIAIS AO ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO”, cujo teor, em síntese, é o seguinte:

“A Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) manifesta repúdio à aprovação das medidas que alteram o pacote anticorrupção e considera grave a votação que referendou a versão desconfigurada de um projeto que não atende aos interesses da sociedade.

O que aconteceu na madrugada do dia 30 de novembro de 2016 torna o Judiciário e o Ministério Público reféns daqueles que tentam enfraquecer a atuação dessas carreiras, atingindo de uma forma irreversível essas instituições, o que trará impactos graves para o futuro da nação.

O que restou da iniciativa popular que contou com a assinatura de mais de 2 milhões de brasileiros e que trazia propostas legítimas e de grande impacto no combate à corrupção foi um conjunto de atentados à democracia, à independência do (...) Judiciário e ao Ministério Público.
(....)
Essa medida não pode prevalecer, por isso a magistratura não se intimidará e convoca os cidadãos, para que toda a sociedade esteja junto e possa reagir a um dos maiores retrocessos já vistos. É hora da cidadania se expressar e levar a sua voz aos senadores exigindo o respeito às instituições democráticas das quais o Brasil depende para prosperar.

João Ricardo Costa
Presidente da AMB”
Garanhuns-PE, 01 de dezembro de 2016.

Alyne Padilha
Andrian de Lucena Galindo                                 Lucas Tavares Coutinho
Enéas Oliveira da Rocha                                     Francisco Milton Araújo Júnior
Karla Fabíola Rafaela Peixoto Dantas                           Thiago Fernandes Cintra
Glacidelson Antônio da Silva                                       Guilherme Augusto Arzani
Márcio Bastos Sá Barretto                                   Rômulo Macêdo Bastos
Maria Betânia Duarte Rolim
Maurício Santos Gusmão Júnior
Rafael Carlos de Morais
Zélia Maria Pereira Melo
Pollyanna Maria Barbosa Pirauá Cotrim

Priscila Maria de Sá Torres Brandão