Governo do Estado

Governo do Estado
Governo do Estado

segunda-feira, 31 de outubro de 2016

O RESULTADO DAS ELEIÇÕES MUNICIPAIS

Por Michel Zaidan Filho*

Há muitas lições que retirar das últimas eleições municipais no Brasil. Uma das mais evidentes é o movimento pendular de uma "opinião pública" que oscila, de tempos em tempos, ao sabor da gastronomia midiática -  a serviço de interesses nem sempre confessáveis.

Opinião volátil que ora pende para a centro-esquerda ora para a centro-direita ou à direita. Desde que seguimos à moda americana de assimilar o processo eleitoral, de dois em dois anos, a uma espécie de mercado político (onde o poder econômico reina, sem limites), a propaganda política e seu rico arsenal de pesquisas quantitativas, qualitativas, com grupos focais etc. tomou conta do insubstituível debate de ideias e propostas.

Mais importante do que saber o que pensam os candidatos, parece ser a compra de seu discurso publicitário, elaborado por sofisticadas empresas de marketing político, que às vezes empregam sem o menor escrúpulo técnicas de pesquisa de mercado, como se o voto fosse uma mera preferência individual por uma nova marca ou produto, independentemente das consequências políticas que o resultado de uma eleição pode gerar na sociedade.

Enquanto as campanhas não forem baratas e propositivas, ao alcance de todos os partidos e candidatos, teremos um regime de competição eleitoral governado pelos que têm mais dinheiro, influência e poder para seduzir o eleitor.

Mais grave ainda é quando se soma a isso, as condições em que foi aprovada a reeleição dos atuais gestores e executivos. Jamais deveria ter sido aprovado esse instituto, sem o cuidado da desincompatibilização dos ocupantes de cargos públicos (nos três níveis de governo) e a proibição explícita do uso da máquina administrativa nas eleições.

A frouxidão ou ambiguidade entre a publicidade institucional sobre as ações do executivo e a propaganda eleitoral propriamente dita, leva os gestores-candidatos a usar e abusar da máquina pública, sob o pretexto de que estão informando à população dos atos da administração municipal, estadual ou federal.

Essa ambiguidade introduz uma  grande desigualdade de condições e oportunidades no pleito eleitoral, prejudicando os novos candidatos e a oposição de  um modo geral. Acrescente-se que a redução do tempo da campanha (para 45 dias) também prejudicou muito os que precisavam de mais tempo para se apresentarem e convencerem o eleitor da viabilidade de suas propostas políticas.

Outro problema é a liberdade da campanha eleitoral. Ela impede de que a Justiça - de si já muito passiva - tenha uma atitude corretiva e pedagógica em relação aos "discursos" dos candidatos. E pior, a "fulanização" das eleições municipais. O mote das campanha é centralizado na figura pessoal (às vezes seu apelido) do candidato, não se informando absolutamente nada do que são, do que pensam, do que farão ou podem fazer.

É a compra, pura e simples, de um mero "jingle" comercial massificado até a exaustão. A isso, é preciso juntar os preconceitos, os estereótipos, o jornalismo marrom, sem escrúpulo nenhum praticado por certos veículos da imprensa escrita e televisiva, com a ajuda - é claro - da Justiça e da Polícia Federal.

São conhecidas as estratégias de mobilização popular, ao se eleger um inimigo comum, contra o qual todos devem se unir, para combatê-lo. Essa caça às bruxas, sobre ser absolutamente irracional, fascista, produz uma polarização artificial entre os cavaleiros do bem e os bandidos, corruptos, ladrões, que precisam ser esconjurados a qualquer custo. Infelizmente foi essa a tática empregada por partidos de centro-direita que se tornaram os grandes vitoriosos nessas eleições.

A Igreja também deu a sua modesta contribuição. Na sua análise teológica-política, o mundo se divide entre os filhos de Deus, irmãos de Jesus Cristo e os hereges, pagãos, gente sem piedade ou religião no coração. Naturalmente os candidatos ligados à Igreja, os ministros religiosos, bispos, pastores, missionários são os mais indicados para o ministério das coisas laicas, sob a proteção e a luz divina.

Como a chamada Opinião Pública no Brasil é produto de uma esperta e astuta engenharia simbólica, a serviço de determinados interesses tanto estratégicos como econômicos - ela é volátil, muda com as nuvens do céu.

As mentiras "piedosas" plantadas na atual campanha que levaram a massa (e setores conservadores das classes médias urbanas) a sufragarem o voto em candidatos de direita ou centro-esquerda, ela pode mudar até as eleições de 2018.

Até lá o mote pode não ser mais o antipetismo, o anticomunismo ou o preconceito contra a política de esquerda. Mais ainda se o cenário econômico não melhorar e as consequências sociais do "ajuste fiscal" sobre a maioria do povo brasileiro deslocarem o pêndulo da preferência popular na direção contrária do que foi o movimento atual. Até lá, os partidos derrotados farão a sua justa autocrítica e os demais estarão estudando quais são as novas alianças a serem feitas, ou para continuar no poder ou para ter acesso ao poder.

*O garanhuense Michel Zaidan Filho é Cientista Político e professor da Universidade Federal de Pernambuco.

4 comentários:

  1. Sr Michel Zaidan: faça um favor... Pare de colocar seus MONGOLOIDES para invadirem as Universidades, tem muita gente querendo se formar.

    ResponderExcluir
  2. Esse Ewerton Souto deve ser um codinome do Altamir Pinheiro, ou será que eles são tão idiotamente iguais? Só pode ser isso, não haveria tanta coincidência imbecilizante e odiosa como essa no mesmo lugar.

    ResponderExcluir
  3. RESPONDENDO AO Anônimo 1 de novembro de 2016 12:59,

    Cidadão de um português impecável: Eu não sei porque(intuição), mas você deve ser blogueiro e, se faz, que não sabe que eu também sou...

    Caso seja quem eu estou pensando(blogueiro), Não me ocupo de ouvir, ler ou comentar o que esse rascunho de escriba produz. Porém, isso é coisa de frangote!!!

    Blogueiro: seu aspecto físico é de um sujeito retardado... Vá se tratar, cara!!! Quando você se refere a esses dois comentaristas, críticos ferrenhos de ladrões petistas (NÃO SEI SE VOCÊ É LADRÃO, APENAS DESCONFIO QUE SEJA BLOGUEIRO), deixa-nos uma impressão que deve ser mais um lunático petralha que finge morar em marte e viver como o avestruz de cu pra cima!!!

    P.S.: - REPITO: VÁ SE TRATAR, MEU CAMARADA!!! POR ENQUANTO, RECEITO-LHE DOIS DIAZEPANS: UM ORAL OUTRO ANAL... OU SEJA, UM GOELA ABAIXO, OUTRO ÂNUS ACIMA!!!


    ResponderExcluir
  4. Ilm° Sr EWERTON SOUTO.


    Vossa Senhoria deveria também fazer uma análise sobre as eleições municipais contribuindo assim para o bom debate.Quem vive nos municípios sabem como se deram essas eleições.

    Eu fui candidato a vereador e senti mais uma vez como o processo eleitoral está totalmente corrompido, dilapidado,corrupto e que somente se elegeu na minha cidade e nas outras também quem gastou em média uns R$ 50.000,00 a R$ 300.000,00.

    Sai 2 candidatos a prefeito de uma cidade. De um lado 30 candidatos a vereadores e de outro mais 30 candidatos.Em quantidade numérica estão todos empatados.

    Os candidatos chamam todos para um reunião e diz eu vou dar a cada uns R$ 5.000,00. Faltando 15 dias para o pleito vocês chamam 50 pessoas para ensinar as pessoas a votarem.

    Não dá para nem melar as mãos dos cabos eleitorais.Quem pode contrada uns 100 e outros 200 e outros 300.E quem pode muito mais chega na caso dos eleitores e dizem assim: amanhã não pode haver boca de urna.Tome R$ 50,00 e vote em mim e não precisa ir trabalhar no dia da eleição.Em outras casas dão 200,300 e R$ 1.000,00.

    Esta sim é a verdadeira compra de votos.Como somente tem vagas para 9 ou 13, os cabos eleitorais entram em jogo faltando exatamente uma semana e fazem todo tipo de pressão dizendo uns aos outros que fulano e fulano,beltrano e beltrano estão derrotados e dão mais um cala boca de R$ 50,00 para tomar um refrigerante no dia da eleição.Por isso que aparecem a maioria dos candidatos e candidatas com 1,2,3,4 a 20.E as 50 pessoas que receberam R$ 100 votaram em quem?Essas se vendem também.

    Quando são abertas as urnas os candidatos vitoriosos são quase os mesmos e parecem até piadas que os que compraram mais são os mais votados em todas as coligações.

    Depois do resultado das eleições os irmãos de alguns candidatos chegam para eu e você e dizem:cara,o povo não sabe votar deixaram de votar no candidato A , B , C e D; um advogado, um professor,um escrivão, um tabelião e outra pessoa formada.

    E ainda dizem alguns dos candidatos e irmãos de candidatos,o meu filho e meu pai foram eleitos honestamente e não compraram votos.Alguém respondeu assim,é ele não comprou, mas os outros compraram por ele.O outro diz fulano comprou 2 votos meus por R$ 300,00.Eita voto caro da seiscentos diabos.

    Nas vésperas das eleições, isto é, no sábado é passeio de motos até umas 03:00h.Depois todos foram dormir e no outro dia vem a atuação nas bases nos transportes dos eleitores.

    Em um determinado sítio o eleitor me disse.Fulano de tal comprou votos demais e nas barbas da justiça eleitoral que não faz nada porque dorme à noite toda e no outro dia vem a justiça com os seus carros com os juízes e promotores e dizem se eu pegar uma pessoa comprando votos eu casso o mandato do candidato.

    Essa conversa já dura 50 anos e a cada dia ficou de pior a pior.Agora todos compram e todos fingem que estão fiscalizando uns aos outros.

    Ainda vem o irmão de um candidato comprador de votos e diz com a cara de pau,essas urnas eletrônicas não são confiáveis.Devem haver muita fraude no dia da eleição.Eu respondi, que nada.O roubo dos votos se dão faltando uma semana.

    Por isso que ainda hoje predominam muitos coronéis em nossa política e essa gente de todos os grandes partidos tem uma raiva da besta fera desse Sérgio Moro.Porque o cara precisa apenas deixar de ser PARCIAL CONTRA o PT do Lula e da Dilma e botar torando no PMDB,PSDB,DEM,PFL,PP,PSD,PROS, PPS,PDT,PSB e os demais.Os partidos na sua essência e formação já são corruptos e fazem o jogo sujo comprando e vendendo apoios dentro e fora do congresso nacional.0 PT foi safado e corrupto também.

    0 PT paga o preço de ser governo ao lado dos maiores corruptos deste país e que se reuniram e deram um golpe no Brasil.Ainda bem que, essa PEC 241 veio apenas para confundir para tirar o governo Michel Temer da inércia.



    Parabéns,PROFESSOR MICHAEL JAIDAN FIlHO, pelo comentário lúcido,bem feito e de uma profundidade fora do comum.

    ResponderExcluir