quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

ARENA PERNAMBUCO VIRA "DOR DE CABEÇA"

A Arena Pernambuco virou uma grande “dor de cabeça” para os pernambucanos.

Construído em São Lourenço da Mata, para a Copa do Mundo de 2014, o estádio tornou-se deficitário e em vez de ajudar os clubes está ajudando a afundá-los, tanto que a nova diretoria do Náutico está pensando já expressou o pensamento de que o time voltará a mandar seus jogos nos Aflitos, em 2016.

Sport e Santa Cruz esses dois é que querem pouca conversa mesmo com o estádio que fica distante do Recife e nem mesmo oferece transporte seguro e de qualidade.

Preocupado com o futuro do estádio, que pode se tornar um “elefante branco”, o governador Paulo Câmara mandou realizar um estudo, pela Fundação Getúlio Vargas a respeito da Arena. E divulgou a seguinte nota sobre o que foi constatado:

O Governo do Estado de Pernambuco informa que recebeu na data de hoje, 29/12/2015, a segunda etapa do estudo realizado pela Fundação Getúlio Vargas – FGV, sobre o contrato de concessão da Arena Pernambuco.

Não obstante já ser possível extrair do estudo que o contrato deva ser revisto ou desfeito, em razão, entre outros motivos, da não confirmação da expectativa de receita que balizou sua celebração, o trabalho da FGV será objeto de detida análise por parte do corpo técnico do Estado.

O Governo dará conhecimento dessa etapa do estudo da FGV ao parceiro privado, para que ele possa externar suas eventuais considerações. Se houver necessidade, também serão solicitados esclarecimentos ou complementações à FGV.

Concluída a análise técnica, o Governo comunicará à sociedade a decisão a ser tomada em relação a este contrato de concessão.

Recife, 29 de dezembro de 2015.

Os que fazem oposição ao Governo no Legislativo Estadual reagiram mal à nota da administração estadual, consideraram o resultado do estudo da FGV frustrante e salientaram que a Arena Pernambuco apenas em 2015 consumiu 50 milhões do dinheiro do Estado.

NOTA DA OPOSIÇÃO  - A Bancada de Oposição na Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe), assim como a sociedade pernambucana, recebeu com um sentimento de frustração a notícia de que a Fundação Getúlio Vargas (FGV) entregou o estudo sobre a viabilidade financeira da parceria público-privada (PPP) Arena Pernambuco. O que se esperava, como foi afirmado pelo vice-governador Raul Henry, em audiência pública realizada em maio na Alepe, era que fosse apresentada a efetiva solução para a problemática desse empreendimento, mas termina-se o ano sem nenhuma perspectiva.

Para a Bancada de Oposição, o anúncio do Estado é mais uma medida protelatória, do que de fato uma ação para solucionar o imbróglio que se tornou o empreendimento. O receio é que a Arena Pernambuco se torne mais uma novela, como outra PPP, a do Complexo Prisional de Itaquitinga, que desde o início do ano tem promessas de uma solução e até agora, a única coisa efetiva feita pelo Governo do Estado foi apresentar pedidos de prorrogação de prazos, passando dos 180 dias iniciais (já estourado) para 270 dias (também já estourado) até seguir, agora, sem tempo definido.

No caso da Arena Pernambuco, esperava-se que se não fosse apresentada ainda uma decisão, ao menos fossem divulgadas as alternativas apontadas pelo estudo. No entanto, de maneira inconsistente e evasiva, o Governo diz apenas que o contrato pode ser revisto ou desfeito. A mesma certeza que se tinha em maio, por ocasião da audiência pública sobre o empreendimento realizada na Alepe.

Vale lembrar que o estudo realizado pela FGV é bem vindo, mas que a decisão sobre o empreendimento cabe ao Governo do Estado, assim como coube em todas as fases da concessão, desde a encomenda dos estudos à Odebrecht à entrega do estádio, passando pela aceleração da obra em um ano para a Copa das Confederações - fatura ainda cobrada pela construtora.

Toda a população pernambucana está ansiosa para saber qual a solução que será dada à Arena Pernambuco, que só este ano consumiu mais de R$ 50 milhões do Tesouro Estadual, que poderiam ter sido alocados em serviços à população.

Assim, a Bancada de Oposição na Alepe cobra do Governo de Pernambuco uma posição objetiva, que apresente os estudos financeiros, aponte as alternativas possíveis e discuta com a sociedade o que fazer com esse empreendimento, quem vem obrigando o Estado a aportar um volume alto de recursos, como o ocorrido este ano. A esta altura, nem estamos falando mais em Cidade da Copa, centro de convenções, complexo de entretenimento ou Operação Fair Play. Aguardamos que o Governo apresente, o quanto antes, uma solução para a Arena Pernambuco aos pernambucanos.

8 comentários:

  1. Mais um elefante branco desse governo do PT. E ainda tinha a cara de pau que em 2014 o Brasil ia fazer a copa das copas. Fez a copa dos 7 x 1

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Por isso, nunca na história nenhum país perdeu de 7x1 e 3x0 em semifinal e final de copa do mundo, do jeito errado conseguiu entrar para a história !!!

      Excluir
  2. O elefante branco é do PSB foi o governador Eduardo Campos quem fez o estadio em São Lourenço da Mata

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso mesmo, foi o grande politico e empreendedor, o senhor Eduardo Campos, endeusado por muitos intelectuais e políticos do pernambucanos, olha aí o resultado, o estado pernambucano quebrado, o PSB quebrou o estado de Pernambuco e, mesmo assim os cacique nos mais diversos cargos continuam na luxuria como se estivessem nadando em dinheiro, desfilando pra cima e pra baixo de AMAROK,LOCADA. Não tem dinheiro para dar aumento aos funcionários estáveis, mas continuam contratando sem concursos na calada da noite. Não é V. GERES? cadê a justiça de Pernambuco?

      Excluir
  3. O Brasil divia vender esses campo de futebol pa tapar o rombo da petrobas

    ResponderExcluir
  4. Tem muito gente besta nesse país, só falam na Petrobrás, como se existisse só este roubo no Brasil.

    ResponderExcluir
  5. O jeito é apelar para a corte internacional!

    ResponderExcluir
  6. O jeito é apelar para a corte internacional!

    ResponderExcluir