sexta-feira, 12 de novembro de 2010

GRANDES NOMES DA MPB XLV


(Ao clicar no nome do artista, acima, você acessa um vídeo do youtube com uma apresentação dele na TV Globo cantando a linda música "Me Dê Motivo").

Aos 14 anos Tim Maia já vivia entrando e saindo de conjuntos. Se desentendia com os coleguinhas candidatos a músicos, com o padre, até com seu irmão. Era um garoto rebelde, inquieto. Seria assim - uma pessoa difícil - a vida inteira.

Sebastião Rodrigues Maia nasceu no Rio de Janeiro, no dia 28 de setembro de 1942. Penúltimo de 19 irmãos, aos oito anos já tentava compor suas primeiras músicas. Na pré-adolescência formou seu primeiro grupo musical “Os Tijucanos do Ritmo”, formado por garotos que viviam no bairro da Tijuca.

Pouco tempo depois conheceu uma turma de meninos que viriam a ser estrelas da música popular brasileira: conheceu e conviveu com Jorge Bem, Wilson Simonal, Erasmo Carlos e Roberto Carlos.

Com a dupla de compositores mais conhecida do país participaria de um programa de TV, o Clube do Rock (comandado pelo Carlos Imperial), e criaria um conjunto intitulado The  Sputnik, nome baseado numa nave espacial russa lançada ao espaço no final dos anos 50.

O reencontro com Roberto Carlos se daria anos depois quando o artista de Cachoeiro de Itapemirim, já famoso, gravou de Tim a composição “Não Vou Ficar”, um dos grandes sucessos do Rei.

Com a morte do pai, em 1959, Tim Maia foi embora para os Estados Unidos. Por lá estudou inglês e iniciou a carreira como vocalista, participando de um grupo denominado The Ideals. Ficou na América até 1963, quando foi preso por porte de maconha e terminou sendo deportado de volta ao Brasil.

Gravou um compacto simples em 68 e repetiu a dose em 69. Uma de suas músicas, em inglês, foi incluída no disco de Elis Regina daquele ano. Fizeram um duo que chamou a atenção e as portas começaram a se abrir para o jovem rebelde de vozeirão.

Tim Maia estourou no início da década de 70, quando gravou seu primeiro LP, com o seu nome na capa.Com as músicas Primavera, Azul da Cor do Mar e Chico Bento caiu no gosto do público e ficou 24 semanas nas paradas musicais do país.

Nos três anos seguinte o artista continuou gravando e emplacando sucessos. Não quero dinheiro (Só quero amar)), Gostava tanto de você,  Réu confesso, foram algumas das canções que se destacaram. Votou a emplacar outro grande sucesso em 1978 com a música Sossego.

Durante um tempo aderiu a um movimento místico ou religioso chamado Racionais, tendo gravado dois discos expressando essa sua fase da vida.Os trabalhos não tiveram boa aceitação do público e ele depois abandonou essa filosofia de vida. Produziu um disco só de bossa nova, fez um som pop que antecipou a música de muitos que vieram depois, cantou rock e baladas românticas.

Nos anos 80 o gordo Tim, com sua voz rouca e grave ainda brilhava. Com a canção “Me Dê Motivo”, da dupla Sullivan e Massadas, encantou os brasileiros de Norte a Sul.

Em 28 anos de carreira Sebastião Rodrigues Maia gravou 32 discos. Sempre polêmico, temperamental, mas com talento inquestionável como compositor e cantor. A Festa de Santo Reis, Gostava Tanto de Você e Você, estão entre outros sucessos inesquecíveis desse grande artista.

Durante a gravação de um show para a TV sentiu-se mal, vindo a falecer em 15 de Março de 1998 em Niterói, após internação hospitalar, em razão de infecção generalizada.

Muitas das músicas de Tim Maia seriam regravadas por artistas como Marisa Monte, Paralamas do Sucesso e Skank. Embora não tenha virado cult, como Raul Seixas - na verdade anda até um pouco esquecido -, não resta dúvida de que o garoto irriquieto do bairro da Tijuca contribuiu muito com a renovação da música nacional e não pode ficar de fora numa relação dos Grandes Nomes da MPB. (Fontes de Consulta: "Roberto Carlos em Detalhes", de Paulo César Araújo, Enciclopédia da Música Brasileira e Enciclopédia do Google).

2 comentários:

  1. Ê bons tempos aqueles do 1º gráu, do Científico, das dancinhas nas salas de aula, dos esquetes, dos bailes de formatura. As músicas daquela epóca...Roberto, Jerry, Tim Maia, Nilton Cezar, Altemar, Fevers, Renato, Pholhas, Jessé, Fagner, Trepidants, Golden Boys..., quanta doçura, sem malícia. Os primeiros goles de Rum com coca, de vodka com fanta. Das matinês na AGA e do Municipal.
    Festas na Escolas, a nossa participação e da família, dia dos Professores(inesquecíveis), dia das mães, dos Pais...quanta festa pequena e grandiosa nos pátios das escolas, para sempre em nossos corações. Meu Deus, como foi bom...e as bandas da epóca, quantos músicos maravilhosos: INSEPARAVEIS, ALCANO, TREPIDANTES, MACH FIVE DA BAHIA, TUAREGS, THE BROTHERS, HOMENS DE OURO, OGIRIO CAVALCANTE, SUPER OARA, TOCANTINS DE PALMARES, ADMIRAVEIS, RENATO E SEUS BLUE CAPS, THE FEVERS, BANDA GLAUCIO COSTA, NOSTALGIA...são demais as lembranças.
    Sou feliz, porém saudoso.

    Antonio Ivo - Garanhuns/PE

    ResponderExcluir
  2. Sempre fui fã do Tim Maia. Desde criança mesmo. Hoje consigo perceber com mais clareza o porquê dele ser um ícone da nossa musica popular e o precursor da Black music tupiniquim.
    Além de contar com recursos vocais invejados por todo mundo e um ouvido hiper sensível, era realmente uma grande figura. Excêntrico, perfeccionista e dono de um senso de humor ranzinza e apuradíssimo.
    Os discos I e II da sua época na sua fase “racional” da seita “Universo em desencanto” nunca foram relançados, atendendo aos pedidos do próprio Tim Maia, que alegava ter vergonha desta fase da sua vida, fato que causa estranheza, já que não é segredo pra ninguém que Dom Maia passou a vida enfiando os dois pés na jaca sem a menor cerimônia. Parou com tudo com o nascimento da sua primeira neta, que ele citava em todos os seus shows depois disso. Carlinha foi a redenção deste ser único de nossa cultura, pena ela não ter nascido uns dez anos antes, quem sabe dessa maneira ainda contássemos com a presença dele entre nós?

    ResponderExcluir