Colégio Diocesano de Garanhuns

Colégio Diocesano de Garanhuns
Colégio Diocesano de Garanhuns

Governo de Pernambuco

Governo de Pernambuco
Governo de Pernambuco

CO-VEREADORAS RECLAMAM DE INTOLERÂNCIA RELIGIOSA NA CÂMARA

Vereadora Fany das Manas (PT) e as outras duas parlamentares que exercem o mandato coletivo na Câmara Municipal de Garanhuns, estão apontando intolerância religiosa na Casa Raimundo de Moraes.

Marília Ferro, co-vereadora,  fez um vídeo abordando a questão e Fany falou com a imprensa a respeito do assunto. 

No requerimento apresentado pelas Manas (Fanny, Marília e Fernanda Limão) foi solicitada a concessão da Medalha Gabriel Hofstede a José Ismael Tenório Pereira, com atuação em Garanhuns como psicólogo, administrador de empresas, tendo sido professor da AESGA.

Dois integrantes da Comissão de Justiça, vereadores Alcindo Ferreira e Bruno dos Santos, votaram contra a proposta.

A vereadora titular do mandato apresentou recurso à Mesa Diretora, que segundo ela foi negado sem nem mesmo ter sido apreciado.

Para Fany, é um caso típico de intolerância religiosa e a honraria foi negada porque Ismael é ligado a uma religião de origem africana.

De acordo com a vereadora, o Padre Gabriel, que dá nome a medalha tinha uma visão diferente dessa dos parlamentares, pois era tolerante com todas as religiões. Na prática, acredita, os dois integrantes da Comissão de Constituição e Justiça negaram a prática de vida do religioso.

A Medalha Gabriel Hofstede foi foi criada em março de 2020,  quando o presidente da Câmara era o vereador Daniel da Silva. "A proposta que foi aprovada na época deixa claro que a honraria deve ser concedida a pessoas de todas as correntes religiosas, sem discriminação", comentou a petista. 

Ela garante que seu requerimento cumpriu as exigências regimentais e Ismael Tenório é uma pessoa de grande relevância para a cidade. Parlamentar acredita que a justificativa dos vereadores que negaram a concessão, alegando que a primeira medalha deve ser entregue a um padra, apenas disfarça o preconceito.

Fanny Bernal informou ainda que Ismael é aposentado pela Secretaria de desenvolvimento Social do Estado - FUNASE,  onde exerceu o cargo de Gerência Técnica da Antiga Febem, portaria no 071/93, D.O/PE e Diretor Geral, portaria no 080/95, D.O/PE e foi Diretor Técnico do Hospital Regional Dom Moura, portaria 136/90, D.O/PE. 

Na justificativa do seu requerimento, consta ele é o representante dos terreiros aqui no nosso território, sendo "Pejigân”. Foi iniciado aos 27 anos de idade,  no ano de 1989,  no então conhecido ÌÁ OMO MESSAM İLÊ AXÉ OYÁ BALEGUM, pelas mãos do saudoso pai de santo Fernando Ubiratan de Andrade (OYA BELEGUM), neto de Genivaldo (Akorotojo), bisneto de Mercival Francisco de Arruda. Teve os seus oduns pagos nos anos de 1990 e 1996. 

"Foi delegado representando nossa região do Agreste na 1a Conferência nacional de Promoção de Igualdade Social no ano de 2017, no 1° Encontro Estadual de Saúde da População Negra, Comunidade de Terreiros das Religiões de Matriz Africana no ano de 2019. Tem certificado de Publicações Científicas, o da Assistência de Enfermagem aos povos, Tradicionais de Terreiro e Assistência de Enfermagem e dos Adolescentes Privativos de Liberdade, ambos publicados no ano de 2021", acrescenta o documento.

Por fim, registra que a pessoa de José Ismael Tenório Pereira conhecido pelos povos tradicionais de terreiro como ÔNY CÀJÁ YDÊ foi o primeiro Pai Péjigân Raspado em Garanhuns o segundo no Estado de Pernambuco, transita nos 38(trinta e oito) terreiros da cidade fazendo formações e trabalhos sociais, foi responsável pelo mapeamento de todos os terreiros da cidade, e continua prestando serviços de grande relevância social e educacional aos povos de terreiros e à População de Garanhuns. 

Na mesma Câmara que negou hoje a homenagem a José Ismael, a vereadora Nelma Carvalho, em março de 2020, propôs a criação de um polo cultural no bairro da Liberdade, citando a emboaba de de Preto Limão e o Candomblé de Pai Diógenes. Ninguém a contestou na ocasião, embora os dois nomes citados - como Ismael - estão ligados ao Candomblé e as religiões de matriz africana.

Preto Limão, que faleceu em 2016, aos 92 anos marcou época em Garanhuns. Apresentava inclusive programa na Rádio Difusora, hoje integrante do Sistema Jornal do Commercio.

Nenhum comentário:

Postar um comentário