GOVERNO DE PERNAMBUCO

GOVERNO DE PERNAMBUCO
GOVERNO DE PERNAMBUCO

CONVENÇÕES DE CELINA DE DUDU E E NÊGO DO MERCAO SERÃO NO DIA 20


Foram marcadas as convenções partidárias para homologação das candidaturas que concorrerão às eleições suplementares de prefeito de Capoeiras, em pleito marcado pelo Tribunal Regional Eleitoral para o dia três de outubro próximo.

Pelo grupo governista mais uma vez deve concorrer o comerciante Nêgo do Mercado (PSB), que perdeu para Dudu em 2020. 

Como o prefeito eleito teve uma prestação de contas rejeitada na Câmara Municipal, foi impedido de assumir o cargo em decisão final do TSE.

Agora, a esposa de Dudu, Celina, será a candidata pelo PL, tendo como vice o ex-vereador Ailton Lino (PIU), que também foi vice de Luiz Claudino de Sousa.

A disputa é acirrada e provavelmente a eleição será decidida por uma margem pequena de votos.

Na eleição do ano passado foram cinco candidatos: Dudu (PL), Nêgo do Mercado (PSB), Carlos Batata (Avante), Felipe Vieira (MDB) e João Calado (Patriotas).

O representante do Partido Liberal foi o mais votado de todos eles. O eleitor o escolheu para ser o prefeito de Capoeiras, mesmo sabendo que o TRE o tinha considerado inelegível.

Travou uma longa batalha judicial, chegou a obter um liminar anulando as decisão da Câmara, mas não obteve ganho de causa, o que para muitos foi uma grande injustiça.

Nêgo do Mercado é apoiado pelos ex-prefeitos Neném e Neide Reino, que juntos governaram Capoeiras por 16 anos.

Socialista, do mesmo partido do governador Paulo Câmara, também atraiu para o seu palanque apoios regionais, como o dos deputados estaduais Álvaro Porto, Claudiano Filho e Marcantônio Dourado Filho, além do federal Silvio Costa Filho.

Celina, que apresenta boa desenvoltura como candidata, também conseguiu novos apoios locais e no âmbito estadual e federal.

A nível do município uma adesão de peso foi a do ex-vereador José Nielson dos Santos, que na campanha do ano passado apoiou Nêgo.

Estão com a ex-secretária de Ação Social do município as seguintes lideranças: Eriberto Medeiros (presidente da Assembleia Legislativa), Débora Almeida (ex-prefeita de São Bento do Una, que faz fronteira com Capoeiras), empresário José Almeida, deputado estadual Doriel Barros e deputados federais Fernando Rodolfo (PL) e Marília Arraes.

O ex-prefeito Carlos Batata e seu sobrinho, Felipe Vieira, que somados tiveram mais de 900 votos em 2020 vêm mantendo uma posição de neutralidade na campanha e seus partidários se dividiram.

O vice de Batata, João Moita, está com Nêgo, o vice de Felipe, Ailton Rodrigues, ficou com Celina de Dudu.

As convenções do representante do PSB e da candidata da oposição serão realizadas no mesmo dia, no próximo dia 20 deste mês de agosto.

Um comentário:

  1. Juntando-se todos os chamados cabos eleitorais dos dois candidatos, sequer calçam as chuteiras de o maior deles: PITONHO. O prefeito Pitonho vem se dedicando de corpo e alma à campanha de NEGO DO MERCADO. Como Nego do Mercado perdeu por apenas pouco mais de 200 votos, somando-se os 900 sufrágios que tiveram Batata e Felipe, e Pitonho que vai ser o fiel da balança pró-Nego, a família quarenta deve sair vencedora com uma margem folgada acima dos 1.000 votos. Como a forasteira candidata do PL é frágil, fraca e sem a menor dimensão política, além de totalmente desconhecida (por morar em Garanhuns), o pleito de 3 de outubro em Capoeiras será ou tende a ser vencido por Nego do Mercado com uma certa facilidade.


    Outro item que vai pesar muito para o povo votar maciçamente no candidato do prefeito Pitonho, sem dúvida, será o banho de loja que a cidade vai receber. Antes da eleição, Capoeiras será toda asfaltada e o embelezamento das ruas vai contribuir para o povo se decidir em bloco e cerrar fileiras no voto reconhecidamente útil para Nego do Mercado.


    P.S.: - O perigo que poderia ocorrer é se o empresário Ricão de São Bento e sua intragável filha jogassem sacos de dinheiro para comprar votos, mas isso será impossível em razão da família quarenta está vigilante e pronta para denunciá-los à Juíza eleitoral, caso a safadeza da compra de votos seja a moeda de troca para a forasteira se eleger.

    ResponderExcluir