GOVERNO MUNICIPAL

GOVERNO MUNICIPAL
PREFEITURA DE GARANHUNS

terça-feira, 4 de dezembro de 2018

GRANDEZA DO PAPA FRANCISCO É MOSTRADA NO CINEMA


Desde que foi escolhido papa, em 2013, o argentino Jorge Mario Bergoglio se tornou não só conhecido no mundo inteiro, como é um dos mais populares da história da Igreja Católica.

É querido em todos os continentes e suas posições progressistas, sua opção pela simplicidade, tem conquistado admiração, mas também por vezes o Sumo Pontífice é alvo de críticas de setores conservadores.

Não faltou quem já o chamasse de comunista, pois na cabeça de alguns estar do lado dos pobres é ser marxista e não cristão.

Livros e filmes já foram feitos contando a história de vida do papa e um dos melhores trabalhos certamente é “Francisco, Conquistando Corações”, uma produção conjunta da Argentina, Itália e Espanha, lançada em 2017.

O longa é praticamente um documentário, simpático ao religioso, e que se utiliza do trabalho de uma jornalista espanhola (Ana no filme) para narrar a vida do líder católico desde a juventude até se tornar o primeiro papa da América Latina.

Filme mostra Bergoglio nas igrejas e nas favelas de Buenos Aires, andando de transporte público, cumprimentando as pessoas com uma simplicidade que encanta.

Deixa claro que o então cardeal da capital argentina não foi conivente com a ditadura militar, versão que chegou a circular quando Jorge Mário foi escolhido no conclave.  Pelo contrário, ele ajudou mais de um sacerdote a escapar do regime de exceção e chegou a ser ameaçado pelas suas posições progressistas.

Uma das melhores cenas do trabalho cinematográfico é quando o arcebispo está frente à frente com um linha dura do exército argentino, em busca de dois jesuítas desaparecidos e tem um diálogo ríspido com um representante do governo autoritário.

Jornalista espanhola (filha de mãe argentina) acompanha o papa durante muitos anos e foi uma das poucas a prever sua eleição.

Depois de escolhido, Jorge Bergoglio liga para amigos e dentre eles está Ana, uma agnóstica que fica fã do papa e demonstra muita felicidade quando o argentino é eleito pelos cardeais.

A repórter tem uma filha sem ser casada, reluta em batizá-la, mas quando toma essa decisão escolhe o então arcebispo de Buenos Aires para fazer o sacramento (outros religiosos não acolhem as mães solteiras).

Uma jornalista do Portal Globo escreveu que “Papa Francisco, Conquistando Corações” é um filme feito com carinho e a assertiva foi muito feliz.

Carinho pelo homem, pelo cardeal, pelo papa, por um representante da Igreja Católica que realmente segue os ensinamentos de Jesus e de São Francisco de Assis.

Elisabetta Piqué, verdadeiro nome da jornalista que se tornou amiga do papa, escreveu o livro Vida e Revolução, inspirando o longa de 2017.

Recomendado tanto para os cristãos como para quem não o é. 

O filme está no catálogo da Netflix,  apresentado como documentário. A direção é de Bela Docampo, espanhol que morou muito tempo na Argentina.

Um comentário:

  1. É tão popular que está extinguindo a igreja católica com sua prática de pernas abertas aos comunistas. Já estão dizendo que o papa vermelho poderá ser o último papa da igreja católica!

    ResponderExcluir