segunda-feira, 30 de abril de 2012

GARANHUNS ESTÁ HÁ 20 ANOS SEM ZÉ CARDOSO

Exatamente hoje, dia 30 de abril de 2012, fazem 20 anos que Garanhuns perdeu uma de sua maiores lideranças políticas no campo popular, o ex-vereador e ex-deputado estadual José Cardoso (foto), que militou a maior parte de sua vida no campo progressista e da esquerda. No período pós Anistia, esteve sempre ligado a Leonel Brizola e ao PDT, dedicando sua vida a causa dos menos favorecidos. 

 Na Câmara Municipal, o vereador Sivaldo Albino (PPS), relembrou a trajetória política de Zé Cardoso: 

José Cardoso nasceu em Garanhuns, em 1927, e teve uma infância humilde. Sempre pautou sua conduta pelos valores da honra e da ética, tendo sido considerado um exemplo de homem público. Antes de ingressar na política trabalhou como radialista na antiga Rádio Difusora, isso na década de 50. 

O programa que apresentava na hoje Rádio Jornal, “Desfile das Cinco”, o projetou como comunicador, levando-o depois à política. Foi vereador por dois mandatos, tendo sido o mais votado no interior de Pernambuco, na eleição de 1959. 

Em 1962, sempre ao lado das forças populares, Zé Cardoso se elege deputado estadual. Exerce o seu trabalho nos anos de 1963 e 1964, até ser alcançado pelo golpe militar e ter seus direitos políticos cassados. 

Com a Anistia, nos anos 80, recupera seus direitos políticos se candidata a deputado, fica na suplência, mas assume o mandato, em 1987. Na época foi vice-líder do PDT de Leonel Brizola na Assembleia Legislativa e Constituinte Estadual em 1989. 

Em 1992, quando era considerado o candidato mais forte à Prefeitura de Garanhuns, adoece e morre, deixando órfãos milhares de garanhuenses que o amavam como um autêntico líder popular. 

Na opinião de Sivaldo Albino, o exemplo de Zé Cardoso ficou e os que fazem política no município, nos dias de hoje, não devem esquecer as lições do garanhuense de tantas lutas. “Cardoso é digno da lembrança e de todas as homenagens por parte do nosso povo e neste mês, quando se completam duas décadas que ele nos deixou, fazemos questão de nos irmanar aos seus amigos, aos seus correligionários, à família e a todos que conviveram com esse grande político”, disse o vereador. 

José Cardoso dá nome a PE 177, projeto do deputado Marcoantônio Dourado; a Central de Abastecimento de Garanhuns (CEAGA), por proposta do vereador Paulo Gomes e denomina uma rua no Parque Fênix, uma homenagem dos moradores do bairro. (A foto de Zé Cardoso foi publicada originalmente na Agenda Garanhuns).

9 comentários:

  1. HOMEM PAUTADO PELA ETICA,HONESTIDADE JOSÈ CARDOSO VOCE E UM EXEMPLO DE POLITICO.

    ResponderExcluir
  2. Esquerdista de alta linhagem sem nunca ter sido comunista, ZÉ CARDOSO era possuidor de uma coragem inimaginável, politicamente falando... Tinha como filosofia de vida em defesa do seu povo o seguinte lema que cumpria à risca: “RETROCEDER NUNCA, RENDER-SE JAMAIS”. Por isso, pagou um preço muito alto nas cadeias que tirou e na clandestinidade política em que viveu. Se vivo fosse, pela sua bravura em prol da Suíça Pernambucana, como costumava chamar seu torrão natal, jamais permitiria que Garanhuns viesse a se tornar povoados de Lajedo ou Caetés como quer esse governadorzinho intrometido e desrespeitador...

    ResponderExcluir
  3. Parabésn pela a materia. Zé Cardoso merece todo nosso respeito e adimração, pois enfrentou todo tipo adversidade pela reconstrução da democracia. Pagou o preço com sua liberdade, mas nunca se dobrou. Lebro muito bem que Ivan Rodrigues chegava de Recife na sexta feira, eles saiam as autas horas da noite petendo na porta dos colegionários fazendo campanha, já que não podiam fazer as claras. Hoje é tudo muito facil, graças a estes homens valorosos. Até os aprendizes de politica "canta de galo". Por isto que tenho sempre dito: "Garanhuns, Pernambuco, deve muitos as estes homens.
    Sales/Garanhuns

    ResponderExcluir
  4. Essa opiniao do altamir diz tudo.......... tudo...... tudo......

    ResponderExcluir
  5. Esse altamir do chumbo grosso e madeira de dar em doido

    ResponderExcluir
  6. Faz vinte anos.O verbo fazer no sentido de tempo não vai para o plural.Só uma lembrança. ERD.

    ResponderExcluir
  7. Agradeço sinceramente a colaboração. O blogueiro realmente ficou na dúvida, mas ao fazer uma consulta sobre o uso do verbo encontrei esta observação:

    "Entretanto, na expressão “FAZER ANOS”, ou seja, aniversariar, o verbo “FAZER” tem sujeito e, portanto, flexiona-se normalmente.

    Assim, acreditamos que usamos o verbo acertadamente. Grande abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu caro Roberto: A flexão verbal, sendo questão de forma,se apequena diante da substância. É importante a preservação da memória, sobretudo para fazer justiça aos que resistiram durante os chamados "anos de chumbo", como o velho companheiro Zécardoso. Temos o testemunho da querida amiga Margarida, sua companheira até a morte e partícipante de todas as suas lutas. As nossas saídas furtivas para pedir votos às escondidas; a disposição de disputarmos eleições, mesmo sabendo que a derrota era inevitável; o importante era resistir e aproveitar os poucos espaços disponíveis para a pregação da democracia. Zécardoso cumpriu sua parte e deixou história. Os que sobrevivem têm o dever de prosseguir na luta, mas, para isso, o momento histórico de Garanhuns exige A UNIDADE de suas forças políticas e sociais. Se ficarmos aferrados aos medíocres projetos pessoais, estaremos decretando por antecipação a derrota dos que sonham com a mudança da cultura política de Garanhuns. Lembro mais uma vez a mensagem que deve ser de todos nós: Não lamente a escuridão! Trate de acender uma vela! Abraço de Ivan Rodrigues

      Excluir
  8. Grande Roberto, valeu. Edmar R. Dias

    ResponderExcluir