SECRETARIA DE SAÚDE DO ESTADO

VIDA ALÉM DA MORTE - Por Michel Zaidan Filho


O filósofo alemão Theodoro Adorno escreveu que os sobreviventes do Holocausto não tinham direito de viver. Deveriam ser solidários com os judeus que morreram nos campos de concentração. Esta reflexão desesperada diante de uma catástrofe indizível tornou-se o ponto de partida de uma séria meditação sobre o destino comum de todos nós, mortais, sobretudo diante da morte dos outros e mais ainda, dos nossos entes queridos. Qual o sentido de sobreviver à morte daqueles que amamos?

Sendo ateu, não acredito em vida eterna ou na ressureição dos mortos, no dia do Juízo Final. Como Strindberg, penso que o inferno é aqui. E que morrer é se libertar do sofrimento. Não vou dizer, como Sartre, que o inferno são os outros. Porque há muita coisa valiosa na convivência humana, social e familiar. Mas o problema é a morte de quem se ama. Dizia um hegeliano espanhol, que a morte é um problema para quem fica vivo, não para quem se foi. Buscamos através das religiões, filosofias e livros de autoajuda explicações, justificativas ou racionalizações para a morte. Houve até um autor que disse que somos um ser para a morte.

Eu não penso assim.  A vida é uma espécie de jardim e nós, de jardineiros. Ela será bela ou feia, dependendo do que formos capazes de fazer dela. Não fizermos nada de belo, digno, humano ou justo, ela será uma aventura melancólica que talvez não tenha valido a pena. Mas se cultivarmos o jardim, certamente a vida terá valido muito a pena. Tenho pensado muito o que fazer com o resto da vida que ainda tenho. Por certo lamentar a morte dos meus entes queridos não basta. É preciso sobreviver à morte, à morte de cada ser humano que morre hoje em dia e das pessoas de que gostamos.

E o sentido dessa vida pós-morte – para mim – é ajudar os que sofrem, as vítimas da injustiça cotidiana, os que são explorados, humilhados e ignorados pela sociedade. Não vejo a acumulação de bens, prestigio social ou um bom padrão de vida como o principal objetivo dessa minha sobrevida. Mas lutar ou me indignar contra a injustiça social e pessoal, buscar contribuir para dignidade do ser humano e para que todos tenham uma vida digna, isto sim.

Será esta a minha razão de existir, sem naturalmente deixar de honrar todos os dias a memória dos que foram e nos legaram a vida.

*Ilustração: Cena do filme Encontro Marcado.

Um comentário:

  1. Theodoro Adorno um dos cânceres da sociologia alemã que juntamente com Max Horkheimer, Walter Benjamin, Herbert Marcuse, Jürgen Habermas, entre outros da Escola de Frankfurt, criaram a bosta da Teoria Crítica cujo único fundamento é CRITICAR, TUDO, O TEMPO TODO SEM PARAR, gerando uma confusão mental permanente na população objetivando manter ou levar ao poder filhos da puta que não merecem um tiro n a testa para não desperdiçar bala! Graças estes lixos o mundo é este inferno de criticas infinitas a tudo e a todos de forma contínua e ininterrupta! Suas idéias foram os produtos do período nazista na Alemanha mais bem difundidos nas faculdades de humanas do ocidente até hoje!

    ResponderExcluir