SEBRAE

SEBRAE
SEBRAE

domingo, 26 de maio de 2019

EM CAPOEIRAS MONSENHOR NELSON CRITICA CORTES NA EDUCAÇÃO DO GOVERNO BOLSONARO E DIZ NÃO ÀS ARMAS


Por Junior Almeida

Foi encerrada hoje em Capoeiras a Romaria de Frei Damião 2019, que acontece todos os anos na última semana do mês de maio. Foram três dias de homenagens ao frade capuchinho, que faleceu no último dia do mês mariano de 1997 e, que em abril deste ano foi, pelo Papa Francisco, considerado Venerável.


Antes do “arrastão da fé”, onde os jovens, em sua maioria, caminharam da entrada da cidade à Matriz de São José acompanhados por um mini trio elétrico tocando músicas católicas, a última missa da romaria foi celebrada ao lado do monumento de Frei Damião na Serra dos Quatis pelo Monsenhor Nelson Brito, auxiliado pelo também Monsenhor José Augusto, Pároco de Capoeiras, e Padre Valdevan Bezerra, Vigário Paroquial.


Em sua homilia, o atual Pároco de Canhotinho, Monsenhor Nelson, falou das promessas de Jesus para seu povo, dizendo que “o Espírito Santo lhes seria dado, para que os homens construíssem um mundo bom”. Em relação ao homenageado, lembrou da sua convivência com o “quase Santo Frei Damião” quando trabalhou no município de São João, chegando, inclusive, segundo narrou, a lavar as pernas doentes de erisipela do Apóstolo do Nordeste.


Mostrando que está antenado com a grave situação por que passa o país, o carismático religioso alertou aos fiéis presentes sobre os desmandos e as perdas de direitos do povo no governo Bolsonaro. Disse Monsenhor Nelson Brito:


Para que o Brasil seja bom, nada de 13 milhões de jovens fora da escola. Nada de cortar dinheiro da universidade. Quem disse isso?! Que coisa feia. Cortar nada! A gente paga impostos para ter educação e saúde de qualidade para todo mundo. Paga para ter moradia e emprego para todo mundo, e ganhando um salário justo.


O religioso foi bastante aplaudido ao proferir tais palavras, e continuou sua crítica social cobrando, além de orações do povo, ações dos governantes, dizendo que “o desemprego ‘joga’ as pessoas nas drogas e até na prostituição”.


A religião não é pra alienar a gente. Que adianta você rezando, rezando, e sua vizinha de lado no feijão bebido (puro, sem mistura, sem carne) e os jovens nas drogas? Cadê o emprego, cadê terra pra plantar? E quando planta não tem uma boa colheita, uma boa política agrícola, não tem estradas boas para escoar a produção. Disse o politizado religioso.


Depois de sua homilia, no momento das preces da Missa, Monsenhor Nelson Brito voltou a criticar o atual governo, e uma das medidas mais polêmicas de Bolsonaro: de armar a população do país. O celebrante disse um sonoro NÃO às armas, pedindo que:


Ninguém tivesse armas em casa, no carro, ou em lugar nenhum, mas sim mesa farta, empregos e acesso à universidade.


As palavras do Monsenhor Nelson Brito devem incomodar os que pensam e agem no sentido oposto do que ele pregou, mas certamente mostra ao povo de Deus que a Igreja não se cala diante de tantas medidas polêmicas do atual governo, que penalizam sempre os mais vulneráveis. Monsenhor Nelson neste domingo 26 em Capoeiras foi Igreja Viva, foi Dom Hélder, foi Francisco.


*Foto: Monsenhores José Augusto e Nelson Brito e Padre Valdevan Bezerra, na Romaria de Frei Damião em Capoeiras.

Um comentário: