sábado, 29 de dezembro de 2018

PARTIDOS DE CENTRO E ESQUERDA BOICOTAM BOLSONARO


A que ponto chegou o Brasil. Um presidente da República, eleito com 55 milhões de votos,  vai tomar posse e partidos políticos que representam significativa parcela do eleitorado vão se ausentar de Brasília,  no dia 1º de janeiro.

As bancadas do PT, PSOL e PC do B estarão ausentes da posse do presidente, assim como parte do PDT e PSB.

Ninguém contesta que Bolsonaro foi eleito pela vontade da maioria do eleitorado, a legitimidade de sua vitória não está em julgamento.

Esse protesto anunciado para a posse se deve a suas posições políticas radicais, exibidas antes e depois da eleição de outubro.

O presidente eleito, que antes de conquistar a presidência nas urnas nunca escondeu suas posições machistas, homofóbicas e racistas, além da antipatia pelos nordestinos, depois do 28 de outubro criou embaraços nacionais e internacionais.

Além disso, pouco tempo antes da posse, a grande imprensa - incluindo Globo, Veja, Folha e Estado de São Paulo - noticiaram o suspeito caso da movimentação financeira do motorista Fabrício Queiroz, que trabalhou com o deputado estadual Flávio Bolsonaro, eleito este ano senador pelo Rio de Janeiro.

Queiroz tinha mais de R$ 1 milhão e 200 mil na conta bancária e o COAF, um órgão federal, descobriu que o motorista depositou dinheiro até na conta da futura primeira dama do Brasil, Michelle Bolsonaro.

As explicações para a movimentação de tanto dinheiro e do porquê de um motorista depositar um cheque na conta da mulher do presidente eleito,  até agora não foram muito convincentes.

Piorou quando Fabrício Queiroz, depois de faltar a duas convocações do Ministério Público Federal, deu uma entrevista no SBT e disse que sabe “fazer dinheiro”. E seu patrimônio seria resultado da compra e venda de carros.

A versão tem sido questionada por jornalistas e políticos respeitados.

É neste clima suspeito, com o pais dividido e nações fortes sem querer mandar representação para o Brasil, no dia 1º, que Bolsonaro tomará posse, sem que dezenas de deputados eleitos em outubro estejam presentes.

Como em 2014, quando Dilma Rousseff foi reeleita, o país continua dividido.

Isso é ruim. Porque a situação econômica não é favorável e somente com união é possível superar as dificuldades, que são muitas.

O Brasil precisa de conciliação, mas o que estamos vendo é um clima de confronto, é a instalação de um governo que antes mesmo de começar a trabalhar já é bombardeado por setores importantes da política, da imprensa, do Ministério Público e de personagens independentes do Poder Judiciário.

Lamentável.

*Foto: Carta Capital

Nenhum comentário:

Postar um comentário