ALEPE

ALEPE
ALEPE

quarta-feira, 20 de abril de 2016

PREFEITURA DE SALOÁ ACUMULA DÍVIDA DE 36,32% COM PROFESSORES DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO

Por Wellington Freitas*

O município de Saloá ainda não reajustou os salários dos profissionais do magistério neste ano de 2016. Também não reajustou o piso salarial nos anos de 2015 e 2014. Inclusive em 2014,  depois de várias tentativas frustradas, teve que amargar a 1º greve dos profissionais nos mais de 50 anos de emancipação do município.

O governo municipal saiu da peleja com os professores totalmente desmantelado e para não dar o braço a torcer recorreu ao TJ-PE e conseguiu uma liminar barrando o pagamento que era devido, já que os profissionais conseguiram vencer na Justiça Saloaense e no Ministério Público.

Em 2015, a prefeitura inventou uma conta mirabolante e os efetivos novamente não receberem o que lhes era (é) devido por direito, somente os contratados foram contemplados. A política educacional praticada no município de Saloá nos anos de 2013 até 2015, foi tão desastrosa, que culminou com a queda da então Secretária de Educação, que como era de se esperar levou toda a culpa do fracasso.

Para 2016, o município de Saloá tratou logo de pôr ordem na casa, afinal é ano eleitoral, chamou um saloaense para assumir a Secretaria de Educação (afinal a ex-secretária não tinha mais diálogo com a classe), e com isso muitas críticas foram abafadas, já que o rapaz estava chegando e não tinha culpa pelo passado.

O Secretário de Educação é novo. Mas os atos da administração são os mesmos. Estamos no final do mês de Abril, e até o fechamento desta matéria nenhum projeto do reajuste dos professores foi mandado para a Câmara de Vereadores analisar. O fato é que a dívida do município de Saloá para com os professores municipais e inativos é de 36,32%. Isso no triênio 2014, 2015 e neste ano de 2016.

Novas reuniões estão sendo convocadas pelos “lutadores“ professores saloaenses. E apesar das nossas JUSTAS e JUSTIFICADAS críticas, esperamos que tudo dê certo e que a Prefeitura de Saloá pague o que deve, pois caso contrário, o próximo governo irá herdar uma tremenda dívida com os profissionais do magistério.

*Wellington Freitas é blogueiro e vereador no município de Saloá.

2 comentários:

  1. José Fernandes Costa20 de abril de 2016 13:54

    “Impeachment: por Deus, por Ustra e pela família”
    “A minha revolta contra a política nacional, não expressa um sentimento de revolta com a política. Expressa uma voz descontente, preocupada e indignada, acima de tudo com a apologia feita ao torturador Ustra, pelo deputado Bolsonaro.
    “São muito atuais estas palavras de José Saramago: ‘Estamos numa situação em que a democracia que, segundo a definição antiga, é o governo do povo, para o povo e pelo povo, nessa democracia, precisamente está ausente o povo.”



    ResponderExcluir
  2. Sabemos que um gestor pagar o salário devidamente em dia não é um favor, mas sim uma obrigação com os profissionais que lhe prestam serviços e contudo trabalham com mais motivação e tranquilidade em ter seu direitos respeitados. Quero focar aqui o compromisso do prefeito de são João Genaldi Zumba que honrou com seus compromissos e está em dia com os profissionais da educação pagando o Piso Salarial Nacional do Magistério 2016 no mês de Março com retroativo de Janeiro e Fevereiro. Que outras prefeituras sigam o exemplo e não deixem os direitos dos professores para últimos planos, porém a cidade sem educação é uma cidade fantasma. Parabéns ao gestor municipal da cidade de São João!!!! Basta de tanta tristeza e decepção que vem sofrendo o nosso país.

    ResponderExcluir