sexta-feira, 21 de novembro de 2014

A ÚLTIMA VIAGEM DO JORNALISTA GILDSON OLIVEIRA E DE OUTROS COMPANHEIROS DO BATENTE

Longe da capital, vez por outra sou abalado por uma notícia triste vinda das bandas de lá. “Foi embora mais um companheiro de batente”. Com quase todos eles cruzei em algum momento, nas passagens pelo Diario de Pernambuco, Jornal do Commercio, Folha de Pernambuco, Rádio Clube, Assembleia Legislativa, Governo do Estado ou TV Manchete.

Do meu tempo da capital já fizeram sua viagem definitiva os companheiros Gilberto Carvalho, Edilson Torres, Natan Lucas, Alécio Nicolak, Paulo Marques, o garanhuense Marcílio Luna (funcionário do Jornal do Commercio até se aposentar) e Lula Farias, este último Secretário de Imprensa de Pernambuco no Governo Carlos Wilson.

Esta semana, com atraso, chega a informação da morte de Nivaldo, que trabalhou muitos anos como diagramador no velho Diario (o jornal, mais antigo da América Latina, conserva a grafia de antes, sem o acento) e de Gildson Oliveira (foto), editor regional do DP durante décadas.

O ano passado ele me mandou um artigo sobre Ivo Amaral para publicar no Correio Sete Colinas e conversamos por mais de uma vez por telefone. Agora, ele está no céu, junto com os demais, e espero que lá tenha uma redação, para a gente continuar respirando lead, furo e notícia.

Transcrevo abaixo o texto do jornalista Magno Martins em homenagem a Gildson Oliveira. Confesso que foi difícil conter a emoção.

ESCLARECIMENTO - Para quem não é acostumado ao jargão jornalístico ou das redações esclarecemos o significado de algumas palavras usadas no texto. Profissional do batente é aquele que efetivamente exerce sua profissão, que vive nas ruas ou na redação atrás da notícia. Furo é a notícia importante dada em primeira mão. Lead é o primeiro parágrafo do texto jornalístico, trazendo as informações mais importantes.

Lá se foi meu mestre!

Na semana passada, em meio à expedição aos santuários eleitorais do Bolsa Família no Nordeste, soube, lamentavelmente, da morte do jornalista Gildson Oliveira. Extremamente ocupado, fiquei devendo esta homenagem ao meu primeiro chefe, no início dos anos 80.

Matuto, vindo de Afogados da Ingazeira, cheguei até Gildson pelas mãos de Meuse Nogueira, que atuava em Economia e que conheci casualmente. A Meuse, perguntei o que era preciso para ser correspondente do Diário de Pernambuco em minha terra natal e ele me sugeriu procurar Gildson.

Na época, já premiado nacionalmente pelas grandes reportagens sobre temáticas nordestinas, como a seca, Gildson editava a página Regional do DP, espaço destinado ao noticiário do Interior. Potiguar de Natal, o velho companheiro aceitou de imediato as minhas colaborações sem vínculo empregatício.

Foi muito sincero. “Aqui, você não vai ganhar nada, mas o DP será a tua universidade”, advertiu. E foi mesmo! Conheci de imediato o companheiro Machado Freire, correspondente do jornal no Sertão. Diferentemente de mim, que estava chegando como colaborador, Freire era funcionário e cobria o Sertão entre Salgueiro e Petrolina.

Fiquei concentrado, inicialmente, em Afogados da Ingazeira, trabalho depois ampliando para o Pajeú, região com 17 municípios. “Nos primeiros textos enviados para Gildson, quase desisto. Ele era extremamente criterioso, profissional de texto impecável.

Mas teve paciência de Jó comigo. Lembro perfeitamente de uma das suas lições para o lead, abertura da matéria. “Imagine você desfiando um boi: tira-se primeiro o couro para se chegar as partes mais saborosas. Depois, vá desfiando parte a parte, cuidadosamente, pacientemente. Assim, se faz um texto”.

Gildson me ensinou tudo, inclusive o que não aprenderia na faculdade. Foi, também, através dele, que tive a oportunidade de fazer a primeira grande jornada pela região da seca, um grande aprendizado. Nunca mais esqueci o grande aprendizado da longa viagem.

Vi, mais tarde, meu mestre ganhar o Esso com a série de reportagens sobre Luiz Gonzaga, que acabou na produção de um belíssimo livro. Além de professor, Gildson foi conselheiro.

Quando estava em dúvida entre aceitar convite do jornal O Globo para correspondente em Fortaleza e aventurar no mercado de Brasília, já formado pela Unicap, com o canudo nas mãos, ele não pensou duas vezes: “Vá embora para Brasília”, aconselhou.

Gildson Oliveira era um jornalista completo: via notícia onde poucos enxergavam. Perfeccionista, escrevia romanceado, texto saboroso. Era um poeta, culto e arejado. Encarava a profissão como um verdadeiro sacerdócio. Sua grande obsessão era sair na frente, furar a concorrência. Dizia que a notícia estava nas ruas e não nas redações refrigeradas.

Por isso, foi um andarilho premiadíssimo, um jornalista que exercia o ofício como se tivesse um fio, ligando as pessoas ao mundo. O jornalismo de Gildson, do qual tirei meu alicerce, esclarecia, não escurecia. Seu trabalho era iluminar as tocas onde se escondem os hipócritas e os mentirosos. Fará muita falta! (Magno Martins).

Nenhum comentário:

Postar um comentário