Assembleia Legislativa

Assembleia Legislativa
Assembleia Legislativa

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

BATATA PREVÊ IDA DE AÉCIO AO SEGUNDO TURNO

Faltando apenas uma semana para o pleito presidencial, gostaríamos de apresentar alguns números, tendências e constatações extraídas pelas duas últimas pesquisas do Ibope e Datafolha, nas quais contingente de eleitores indecisos e que, por algum motivo, pretende anular o voto, representa algo em torno de 28 milhões de votos. Os chamados infiéis (aqueles que podem mudar o voto) representam aproximadamente 35% dos eleitores do Brasil, sendo 43%, dos que declararam voto em Marina; 35%, dos que declararam voto em Aécio e 31%, dos que declararam voto em Dilma.
Somados os infiéis, os indecisos e os que podem anular o voto, significa dizer que 51 milhões de votos estão em jogo para serem conquistados pelos principais candidatos.

Logo, conclui-se que a presidente Dilma estará garantida no 2º turno e que, ao analisarmos as tendências de queda de Marina (após o efeito tragédia, onde teve pico de 36%, caindo para 33%, 31%, 27% e até 25%, na última pesquisa Isto É Sensus, do sábado passado), observa-se que ela tende a estabilizar entre 24% e 26%, voltando ao patamar das eleições passadas, com um aumento de 4 a 6 pontos, devido à estrutura partidária herdada do PSB.

Quanto ao candidato Aécio Neves, após a queda de 21% para 14% (com o efeito tragédia), vem, de forma lenta e gradual, recuperando ponto a ponto, chegando nesta última semana a 18%, 19% e 20,7% (este último pela última pesquisa Isto É Sensus).

Levando-se em conta que, pela lógica, os indecisos que não foram na “onda” Marina e os que foram e saíram, tem forte tendência a se decidirem por Aécio Neves, candidato com propostas mais sólidas e confiáveis. Enquanto os eleitores que nas últimas semanas migraram para a presidente Dilma, diante de uma campanha terrorista contra a candidata Marina, tem leve tendência a também migrarem para o candidato Aécio, que se apresenta como mudança segura.

Outro fator que deve ser levado em consideração são as mudanças que estão ocorrendo nos Estados de São Paulo e Minas Gerais, que são os dois maiores colégios eleitorais do país.

Em São Paulo, na última semana, Aécio subiu 6%, enquanto Marina caiu 4%. E é, justamente, nesse Estado onde há o maior número de indecisos: 3 milhões de eleitores.

Ao passo que, em Minas Gerais, Estado natal do candidato Aécio Neves, apesar de erros estratégicos confirmados pelo próprio candidato, na fase inicial da campanha, há uma forte tendência de recuperação; principalmente, pelo apelo emocional ao povo mineiro, de ter um filho da terra como Presidente da República.

Logo, não precisa ser nenhum cientista político para constatar que a disputa entre Aécio e Marina será voto a voto; e que, considerando as tendências de crescimento e os fortes palanques estaduais com candidatos bem avaliados (Geraldo Alckmim, em São Paulo; Beto Richa, no Paraná; Ana Amélia, no Rio Grande do Sul e Paulo Souto, na Bahia), nos arriscamos a afirmar que o candidato Aécio Neves ira para o 2º turno, onde teremos uma nova eleição entre um governo autoritário, corrupto e que desestruturou toda a economia do país; e um jovem, ex-governador (com aprovação de mais de 92%) e capaz de convencer os quase 70% de cidadãos que clamam por mudança neste país.

A título de lustração, se a campanha de Aécio não tivesse cometido erros estratégicos na região nordeste, que representa mais de 35% do eleitorado brasileiro, ele, certamente, estaria no 2º turno com uma larga vantagem sobre Marina, a qual tem forte rejeição nesta região, onde se sente a falta de confiança do eleitor na sua figura frágil e sem inspirar confiança na governabilidade. Daí, o aumento significativo de Dilma no nordeste, nas últimas pesquisas.

Em alguns Estados do nordeste, como no caso particular de Pernambuco, a campanha chega a ser vergonhosa, onde os responsáveis por ela foram incapazes até de fornecer material para formadores de opinião e simpatizantes, que poderiam se transformar em multiplicadores, mesmo sem estrutura.

CARLOS BATATA
Ex-Deputado Federal

Nenhum comentário:

Postar um comentário