ALEPE

ALEPE
ALEPE

GOVERNO DO ESTADO

GOVERNO DO ESTADO
GOVERNO DE PERNAMBUCO - FUNDARPE

sexta-feira, 20 de julho de 2012

O SURPREENDENTE ZECA BALEIRO

O maranhense Zeca Baleiro é o melhor cantor-compositor surgido no Brasil, dos anos 90 para cá e não para de surpreender os seus incontáveis fãs e a crítica especializada.

O artista despontou nas paradas de sucesso cantando com Gal Costa a instigante "Vapor Barato" e ficou mais conhecido quando Simone fez uma arrojada gravação da ardente "Lenha", uma das melhores criações do inspirado compositor. A partir daí ele consolidou sua carreira no 1º time da MPB.

Num mercado de disco combalido pelas novas tecnologias, Zeca Baleiro tem lançado seus trabalhos regularmente. Ao contrário do paraibano Chico César, que começou bem e depois deslizou em álbuns irregulares, o maranhense não errou uma até agora.

O 1º CD de Zeca, "Onde Andará Stephen Fry?", de 1997, é muito bom. Traz algumas pérolas, como Heavy Metal do Senhor, Salão de Beleza, A Flor da Pele (Vapor Barato) e a faixa título. Em 1999 o cantor lançou "Vou Imbolá", quando ele mesmo gravou Lenha, de uma roupagem brilhante a Pagode Russo, de Luiz Gonzaga, e encantou os ouvidos sensíveis em canções como Piercing e Não Tenho Tempo.

"Líricas", o disco do ano 2000, é sua obra prima. A começar com a abertura, com Minha Casa, seguindo com a irônica Você só pensa em Grana e concluindo com a singela Brigitte Bardot.  Baleiro acerta de novo com "Pet Shop Mundo Cão), de 2003, neste mesmo ano faz uma parceria de ótimos resultados com Fagner, que resulta num belo CD e em 2005 grava ao vivo Baladas de Asfalto e Outros Blues, com uma faceta mais dançante, puxando às vezes para o pop e até mesmo o rock.

"O Coração do Homem Bomba" é de 2008 e foi dividido em dois volumes. Um disco traz Zeca mais elétrico, com músicas mais animadas, e outro puxa para o seu lado lírico. Numa das melhores e tocantes músicas ele faz uma homenagem a Odair José, o cantor brega dos anos 70.

Em 2012 o bom Zeca Baleiro surpreende outra vez. Num disco de 12 faixas ele alterna o pop (uma das músicas lembra o velho iê-iê-iê), baladas e blues e apenas a canção "Mamãe no Face", justifica todo o álbum e ratifica a criatividade e o talento do artista.

Genial e desprovido de preconceitos, Zeca já fez releituras de cantores como Luiz Ayrão, Benito de Paula, Martinho da Vila e Roberto Carlos. As regravações que fez de Disritmia e Palavras são sensacionais, superaram as originais.

Também já gravou com o citado Odair José e neste último disco faz um dueto bonito com Margareth Menezes.

Zeca Baleiro é bom cantor e excelente letrista, como comprovam essas estrofes da deliciosa "Mamãe no Face":


Mamãe, eu fiz o disco do ano 
E até mesmo o Caetano parece que aprovou 
Mamãe, eu sigo na minha rota 
Veja só o Nelson Mota disse que o disco é show 

Só falta que a Folha de São Paulo 
Comece a incensá-lo 
Dizer que eu sou o cara 
Ou então, que os rapazes da Veja 
Me chamem pra uma cerveja 
Veja só que coisa rara 

Mamãe, eu fiz o disco do ano 
Parece até que o Hermano falou bem na Piauí 

Mamãe, o fato é que eu tô na moda 
Mamãe, fiz um disco foda 
Faz um download 
Ouve aí.

Nenhum comentário:

Postar um comentário