SEBRAE

SEBRAE
SEBRAE

ALEPE

ALEPE
ALEPE

domingo, 16 de outubro de 2011

MARIA GADÚ - GRANDES NOMES DA MPB - 82º

O Brasil tem uma tradição de grandes cantoras. De um passado mais distante, nos chegam as vozes de Ângela Maria, Dalva de Oliveira, Dolores Duran, Maysa e Eliseth Cardoso. Dos anos 60 para cá surgiram estrelas do porte de Nara Leão, Gal Costa, Maria Betânia, Simone, Elba Ramalho, Adriana Calcanhoto, Marisa Monte, Ana Carolina, Cássia Eller, Elis Regina, Maria Rita e Vanessa da Mata.

Algumas foram chamadas pelo Criador, devem estar no céu quebrando a monotonia do paraíso com suas vozes maravilhosas. Outras estão aí, sessentonas, quarentonas ou trintonas, percorrendo o país em shows pelos grandes centros urbanos, gravando discos regularmente e dando sua contribuição para a história da música popular brasileira.

Da década passada para a atual, três cantoras se destacaram em meio às veteranas e outras novatas que surgiram. De uma delas trataremos agora, das outras em futuras postagens.

Hoje traçaremos o perfil de Maria Gadu, paulista, atualmente com 24 anos. Começou a cantar bem criança, registrando as interpretações em fitas cassete. Com pouco tempo aprendeu também a tocar violão.
Mayra Corrêa Aygadoux – este o verdadeiro nome de Maria Gadú – aos 13 anos começou a fazer shows em bares e festas de família de São Paulo.

Em 2008, já adulta, mudou para o Rio de Janeiro e passou a se apresentar em bares da zona sul carioca. A sua voz, o seu repertório, despertou a atenção de alguns nomes consagrados da MPB, como Caetano Veloso e Milton Nascimento.

Depois entrou na sua vida Jayme Monjardim, diretor de televisão, que escalou Gadú cantando “Ne me quitte pás” na trilha sonora da mini-série sobre Maysa.

No ano seguinte a cantora lançou seu primeiro disco, pelo selo Slap, da gravadora Som Livre, da Rede Globo. Uma das músicas do CD, “Shimbalaiê”, composta quando Gadú tinha apenas 10 anos, foi incluída na trilha sonora da novela “Viver a Vida”.

A canção caiu no gosto do público e com as bênçãos da TV Globo Maria ficou conhecida nacionalmente.
Mesmo com tão pouco tempo de estrada, a cantora já pode ser comparada aos bons nomes femininos da música popular brasileira. Gadú tem muita voz, carisma, fica à vontade no palco e chama a atenção pelo repertório refinado, mesclando canções novas e outras antigas, interpretadas de um jeito diferenciado.

É o caso de Filosofia, de Noel Rosa, e de Trem das Onze, de Adoniram Barbosa. As duas músicas foram incluídas no seu primeiro DVD ao vivo. Se alguém pensava que não se tinha mais nada a fazer sobre esses dois clássicos do cancioneiro popular estava enganado. É uma releitura brilhante que faz os versos dessas canções ficarem ainda mais bonitos.

Em janeiro de 2010, mais precisamente no dia 21, a cantora Maria Gadú participou de um show com o cantor e compositor sueco-americano Eagle-Eye Cherry em São Paulo na Via Funchal, tal show ao vivo foi registrado para o DVD do cantor. Estando sempre com seu parceiro Leandro Léo em seus shows, seu amigo íntimo canta algumas canções como ‘Laranja’, ‘Linda rosa’ e ‘A falta que falta faz’, tais canções mostram o carinho que o artista tem pela cantora.

Neste ano de 2011, Gadú, com a vitalidade dos seus 24 anos, dividiu o palco com o baiano Caetano Veloso, 68 anos, no show que resultou num disco e DVD com grandes performances de cada um.

O trabalho traz 26 músicas. Entre as faixas estão Sozinho, Alegria Alegria, O Leãozinho, Odara, Belzeza Pura, Dona Cila, Escudos, Shimbalaiê e o Quereres.

Quando Caetano começou a cantar Shimabalaiê, na primeira apresentação, Maria Gadú começou a lembrar de infância, de quando compôs a música e não conseguiu conter as lágrimas. Esse momento foi registrado pelas câmeras de TV, pelas máquinas fotográficas, em reportagens dos jornais, revistas e sites da internet.

Maria Gadú, pela voz, pelas composições, pelo repertório nota 10 já merece figurar na constelação de estrelas da Música Popular Brasileira.

O TREM - Clique na palavra o trem, toda em maiúsculo, para acessar a excelente intepretação de Maria Gadú para Trem das Onze, um dos grandes clássicos da música popular brasileira.

Nenhum comentário:

Postar um comentário