SEBRAE

SEBRAE
SEBRAE

ALEPE

ALEPE
ALEPE

domingo, 21 de novembro de 2010

GRANDES NOMES DA MPB XLVI


(Clicando no nome do artista, acima, você acessa um vídeo do youtube com uma bela interpretação da música A Lista, uma das mais significativas de sua carreira).

Osvaldo Montenegro esteve fazendo show neste final de semana em Caruaru. Continua com os cabelos longos e a barba crescida. Só que os fios estão todos brancos, ele está magro, os olhos um pouco fundos. Aparenta mais do que 54 anos de idade. Ele nunca chegou a ser um mega sucesso, embora nos anos 80 tenha se tornado conhecido nacionalmente ao ficar nos primeiros lugares em festivais de musica na antiga TV Tupi e na Globo.Em Garanhuns já se apresentou mais de uma vez, inclusive no nosso consagrado Festival de Inverno.

Osvaldo Viveiros Montenegro nasceu no Rio de Janeiro, no dia 15 de março de 1956. Só por curiosidade: o artista é mais velho do que o titular do blog exatamente um ano e quatro dias. Seu amor pela música começou na  terra natal, ainda criança, principalmente por influência dos pais, que tocavam piano.Aos oito anos, foi morar na cidade histórica de São João Del Rey, em Minas Gerais. Neste município, ficou encantado com as serestas que eram realizadas regularmente e terminou por aprender violão com um dos músicos do lugar. Precoce mesmo, antes dos 10 anos já arriscava sua primeira composição “Lenheiro”, nome do rio que corta a cidade mineira. Aos 13 anos, quando tinha retornado ao Rio de Janeiro, cria  “Canção pra Ninar Irmã Pequena”, incluída posteriormente na trilha do vídeo “Vale Encantado” com o título “Canção pra Ninar Gente Pequena.

Osvaldo morou depois uns tempos em Brasília e se identificou muito com a Capital Federal. Com 14 anos começou a freqüentar os festivais da cidade e fazer contato com muitas pessoas que seriam parceiros ou teriam influência em sua carreira.

Seu primeiro disco, “Trilhas”, foi gravado em 1977, por um selo independente. No ano seguinte lançou o segundo álbum “Poeta Maldito, Moleque Vadio”, dessa vez pela multinacional Wea. Nenhum desses trabalhos, porém, teve grande repercussão.

O artista iria chamar a atenção mesmo do grande público em 1979, quando ficou em terceiro lugar no Festival da Tupi, interpretando de forma arrojada a música “Bandolins”. 

O tipo bonito, carismático, a voz forte e o ar de seresteiro antigo com sotaque moderno deram desde o início a Montenegro uma aspecto diferenciado na Música Popular Brasileira, que se renovava naquele final de década. Bandolins tem letra e melodia lindas e os versos que se repetem, na interpretação um tanto mítica de Osvaldo envolvem todo aquele som num ar de mistério.

Em 1980, num festival de música promovido pela TV Globo, o cantor chega ainda mais longe, conquistando o primeiro lugar com a canção “Agonia”, que mantém o estilo de Bandolins. Osvaldo passa a imagem de um grande “menestrel”, com uma mensagem nova dentro da MPB.

Importante ressaltar aqui que este artista não se limitou, em mais de 30 anos de carreira, só em  compor e cantar. Ele tem uma ligação muito forte com o teatro e montou nas últimas décadas 16 espetáculos musicais, como Labirinto, Léo e Bia, A Lista e Menestréis. Um desses musicais, “Veja Você Brasília”, de 1982, tinha no elenco os nomes de Zélia Ducan e Cássia Eller, que então eram duas grandes desconhecidas.

Osvaldo Montenegro também  escreveu um livro e realizou um filme. Na TV Brasil, junto com Roberto Menescal, apresentou a partir de 2006 o programa Letras Brasileiras.

Além de cruzar no seu caminho com Zélia, Cássia e Menescal, ao longo da carreira o multi-artista  natural do Rio de Janeiro faria parcerias com Geraldo Azevedo, Alceu Valença, Zé Ramalho, a atriz Glória  Pires e os compositores Milton Guedes e Mongol. Este último compôs com ele alguns dos seus grandes sucessos. Osvaldo tem ainda no currículo a gravação em 1992 do disco Seu Francisco, com todas as músicas assinadas por Chico Buarque.

Em 2004 o menestrel lançou um CD comemorando os 25 anos de carreira. Antes disso, virou cult com o espetáculo, DVD e disco A Lista, nome também de uma de suas mais inspiradas composições:

"Faça uma lista de grandes amigos/ Quem você mais via há dez anos atrás
Quantos você ainda vê todo dia/ Quantos você já não encontra mais...
Faça uma lista dos sonhos que tinha/ Quantos você desistiu de sonhar!
Quantos amores jurados pra sempre/ Quantos você conseguiu preservar..."

Com aparência de um grande sonhador, um ar de envelhecido antes do tempo, sem receber a devida atenção da crítica e da mídia, nem por isso Osvaldo Montenegro deixa de ser um grande nome da Música Popular Brasileira e já escreveu seu nome na história da cultura musical deste país. (A principal fonte de consulta foi o site oficial do cantor).

Nenhum comentário:

Postar um comentário