segunda-feira, 2 de dezembro de 2019

MORTES EM PARAISÓPOLIS GERAM PROTESTOS



Paraisópolis, favela de São Paulo, já foi até tema de novela da Globo.

Na madrugada deste domingo (dia 1º), porém, o local foi abalado por uma tragédia, com a morte de nove pessoas, quase todas pisoteadas.

Vídeos foram divulgados através da internet mostrando excessos de policiais militares, apontados como principais responsáveis pela tragédia.

Jornalista Reinaldo Azevedo criticou duramente a ocorrência, que denominou de massacre e com todas as letras culpou o Governo de João Dória, do PSDB, pelo que aconteceu.

Ele disse que nada justifica a ação da PM, que a seu ver mostrou despreparo e está tentando desmentir a verdade mostrada nas imagens que circulam pela rede.

Reinaldo aproveitou para criticar projeto do ministro Sérgio Moro, na sua avaliação uma espécie de “licença para matar”.

No entender do jornalista, se casos esses como o de São Paulo são registrados agora, ficará muito pior se o pacoto anticrime de Moro for aprovado.

Governador João Dória se solidarizou com as famílias dos mortos, mas disse na TV que a política de segurança adotada no estado vai continuar a mesma.

Infelizmente, o Rio de Janeiro e São Paulo têm governadores terríveis, que não se preocupam com a morte, desde que as vítimas sejam os mais pobres, os favelados, os segregados da sociedade.

Brasil vive um estado de barbárie, fato reconhecido pelo jornalista Reinaldo Azevedo em sua coluna no Portal UOL.

*Na foto da Folha de São Paulo, protesto em Paraisópolis contra o massacre do domingo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário