sábado, 19 de outubro de 2019

ROGER VADIM, O CINEASTA QUE DORMIU COM AS ATRIZES BRIGITTE BARDOT, CATHERINE DENEUVE E JANE FONDA




Por Altamir Pinheiro
Nada de orgia gente, tudo foi pura  verdade!!! Por mais incrível, espetacular, fantástico que isso possa parecer, o bimba doce de fato comeu Brigitte, Catherine e Jane – e não uma vez só, mas uma tuia de vezes. Viveu com cada uma delas, foi casado no papel com a primeira e a terceira, teve filhos com a segunda e a terceira. E isso para não falar que foi casado também com outro avião, outra deusa dinamarquesa, Annette Stroyberg. E mais tarde com a milionária Catherine Schneider e a atriz Marie-Christine Barrault. Mais ainda: soube manter-se amigo de todas as ex-mulheres, façanha  raríssima, e maravilhosa. Quando morreu, em 2000, aos 72 anos, foi enterrado por todas elas – Brigitte, Annette, Catherine, Jane e Marie-Christine estavam lá.
O historiador Sérgio Vaz nos conta que, Vadim começou a namorar Brigitte quando ela estava com 16 anos, e ele, com 22. Catherine tinha 17, e ele, 32. Jane, rompendo uma tradição, já era maior de idade: tinha 24. Um fato pitoresco contado no livro de memórias de Roger Vadim que estava separado de Brigitte Bardot (depois da separação ela tinha tido diversos amantes e alguns maridos. Estava casada então com Gunter Sachs, um bilionário alemão). Nesse ínterim, Brigitte convidou Vadim para fazer-lhe uma visita em sua casa, em Roma,  e num bate papo informal deles três  na sala de estar Brigitte convidou seu ex-marido no seguinte tom: Vavá(Vadim), venha me ajudar a escolher um vestido. Ao menos você sabe como vestir as mulheres.
Durante as filmagens de E DEUS CRIOU A MULHER, de 1956, o filme que transformou Brigitte em estrela internacional, Vadim e ela, casados à época, se encontraram com ninguém menos que Sir Winston Churchill, em Nice. O encontro e o diálogo entre o estadista que liderou a Grã-Bretanha na guerra contra o nazismo e a estrela de cinema lindíssima e sexy, relatado por Roger Vadim, foram assim: “Após a costumeira troca de formalidades, houve um silêncio. Churchill tinha os olhos brilhantes ao encarar a jovem atriz, e não dizia uma palavra. Parecia estar imaginando que banalidade viria daquela boca sensual, feita para o amor e as telas. (…) “- Quando eu tinha oito anos e o escutava pelo rádio, o senhor me assustava – falou enfim Brigitte. – Mas agora me parece tão gracioso, considerando que é uma lenda. (..) “O grande orador permaneceu calado. “- O que está fazendo em Nice? – perguntou Brigitte, a fim de quebrar o silêncio. “- Pintando – respondeu Churchill. – Você é uma atriz, e eu sou um pintor. Temos a arte em comum. (…)
Em se tratando da  sensualidade de BRIGITTE era tamanha que,  até falando a mulher  transmitia libertinagem, volúpia, satisfação. Brigitte Bardot(hoje, com 85 anos) era um tipo de fêmea que, no auge de sua carreira, na tela,  semeava voluptuosidade. Sua sensualidade vinha do corpo perfeito, da boca carnuda, do olhar expressivo e de um comportamento livre, incomum para as mulheres da época. BB chegou a ser considerada a versão francesa de Marilyn Monroe. Ao completar 18 anos, veio o casamento com o diretor de cinema Roger Vadim.  A união durou apenas cinco anos. Vadim foi responsável por lançá-la em "E Deus Criou a Mulher" (1956) e ainda a dirigiu em "Quer Dançar Comigo?" e "Amores Célebres".
Além de Roger Vadim,  CATHERINE DENEUVE (hoje, com 76 anos) foi casada com o fotógrafo David Bailey e Marcello Mastroianni(de 1971 a 1975),  Mastroianni  que morreu em 1996 aos 72 anos. Conta-se nos dedos as atrizes bonitas quando jovens que, com o passar dos anos, acabaram adquirindo maior magnetismo e beleza. Ao lado de Sophia Loren (84 anos), a francesa Catherine Deneuve  é uma dessas exceções. Certa vez disse  Deneuve: “Estou cansada da minha suposta beleza em primeiro plano, principalmente da dita “BELEZA FRIA”, que pouco tem a ver comigo. O consolo que tenho na maturidade, ao perder a beleza física, é que finalmente lembraram a boa atriz que sempre fui”.
JANE FONDA (82 anos) transbordando beleza e graciosidade, pertence à árvore genealógica dos Fondas, uma das maiores dinastias do cinema. É filha de Henry Fonda, astro do cinema nos anos 40 e 50, irmã do ator Peter Fonda (falecido este ano) e tia da também atriz Bridget Fonda. Jane Fonda foi lançada, tal como  Catherine Deneuve, Brigitte Bardot, pelo diretor Roger Vadim(que foi seu primeiro marido). Dirigida por ele, rodou, entre outros, o filme de ficção científica Barbarella (1968), cujas cenas arrojadas a tornaram uma SEX SYMBOL. Jane  ficou afastada dos holofotes durante 15 anos. Aos 53 anos, ela  resolveu largar uma bem-sucedida carreira, abandonando o ofício  e só aos 67 ela decidiu que o show tinha que continuar, inspirada pela separação traumática do então marido, o magnata das telecomunicações Ted Turner, em 2001.
O cineasta Roger Vadim ficará para a história não tanto pela sua obra como pelas mulheres que ao seu nome estiveram associadas. seu último casamento - com a comediante francesa Marie-Christine Barrault, em 1990 - durou até ao fim dos seus dias, até morrer. Vadim costumava  refletir sobre a vida ao dizer certa vez: "O mal que eu fiz foi ter tornado famosas mulheres que eram anônimas quando com elas me casei". Assista ao vídeo de Roger Vadim com as três mulheres de sua vida  que dormiram ao seu lado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário