SEBRAE

SEBRAE
SEBRAE

ALEPE

ALEPE
ALEPE

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2019

AS TRAPALHADAS DOS FILHOS DO CAPITÃO


Por Michel Zaidan Filho

Felizes eram os tempos em que as trapalhadas dos” sobrinhos do capitão” eram só brincadeiras, não mais do que isso.

Já as dos filhos do capitão são mais complicadas, porque envolvem os negócios da República. Um presidente fraco, com filhos voluntariosos que querem interferir em tudo: fechar o judiciário, mandar na base do governo, influir na ação administrativa do Executivo e ainda alimentar uma relação perigosa com o submundo do crime organizado.

Isto tudo constitui um grave risco não só para a estabilidade do próprio governo, para sobretudo para o País. Não é aceitável nem benéfica a existência de uma administração pararela no centro do governo da República. Mais ainda quando ela não está submetida a nenhuma regra ou controle nem foi escolhida para isso.

Se achávamos que se constituía um sério risco a influência dos militares e evangélicos (para não falar nos interesses do mercado) no núcleo duro das esferas de poder, imagina um poder patrimonialista, familiar, sem responder a ninguém, agindo por conta própria e ameaçando terceiros.

Quando se diz que a cor desse agrupamento político não é fascista ou para fascista, é no sentido de que ela é algo mais atrasado, mais rudimentar, em matéria de ideologia política. Poderia estar mais perto da Máfia, talvez. Ou seja, uma organização criminosa com ramificações no clã dos Bolsonaro.

É disso que se trata. O resto é problemático, sobretudo o ataque sistemático às conquistas inscritas na Constituição de 1988, em relação à Seguridade Social, a dignidade da pessoa humana, a proteção dos direitos das minorias. No entanto, o que parece mais grave não é a face declarada desse imenso retrocesso político, a serviço dos interesses mercantis, é a face oculta, patológica, criminosa que se esconde por trás dessa programa ultraliberal que se quer implantar no Brasil.

Resta saber se esse poder paralelo (e familiar) ajuda ou complica as relações com os militares, os partidos, os líderes das duas casas no Congresso, o Poder Judiciário e a sociedade brasileira (incluindo os próprios eleitores de Bolsonaro). Ele pode corroer rapidamente o capital político amealhado, com a ajuda das igrejas, e atrapalhar os planos de governo. Há muita gente incomodada com a desenvoltura dos “filhos do capitão” no coração da República.

Nenhum comentário:

Postar um comentário