ALEPE

ALEPE
ALEPE

GOVERNO DO ESTADO

GOVERNO DO ESTADO
GOVERNO DE PERNAMBUCO - FUNDARPE

sexta-feira, 27 de julho de 2018

GARANHUNS RECEBE NESTA SEXTA AULA ESPETÁCULO COM OBRA DO COMPOSITOR BRASILEIRO HEITOR VILLA-LOBOS


Projeto “O Canto de uma Nação: Canções Típicas Brasileiras de H. Villa-Lobos”, do pesquisador e cantor lírico recifense Marcelo Ferreira, chega Garanhuns nesta sexta-feira (27.07), às 16h, na Igreja de Santo Antônio.


Palestra multimídia sobre o surgimento da música nacionalista brasileira será apresentada pelo acadêmico, doutor pela Jacobs School of Music – Indiana University (EUA),  será seguida por recital com dez canções interpretadas pela cantora Gleyce Melo e pelo pianista Vitor Philomeno. O projeto tem incentivo do Funcultura/Governo de Pernambuco.

Não é difícil para um brasileiro moderno, desde Villa-Lobos, identificar as características de sua nação traduzidas em som. O Brasil é referência musical no mundo e tem uma contribuição original e única para a música erudita. Porém, essa identidade sonora é muito mais recente do que se imagina. Durante os quatro primeiros séculos de existência do país, a música executada e eventualmente composta por aqui era moldada pelo gosto da nobreza europeia e pela ideia aristocrata de que a única cultura válida era a do velho continente. A grande virada história tem início na década de 20, pela obra de Villa-Lobos, incluindo a composição do primeiro ciclo de canções nacionalistas brasileiras.”

“Essa atitude começa a mudar no fim do século XIX, ironicamente por imitar a tendência nacionalista europeia, e mesmo assim sofrendo uma imensa resistência de um grupo de críticos e compositores que defendiam o modernismo e não consideravam digna, assim como também não conheciam a cultura brasileira. Nessa atmosfera de mudança, não só na música mas também no acesso do povo brasileiro as culturas interioranas ou até mais remotas, como possibilitado por expedições como a do Marechal Rondon, nasce Heitor Villa-Lobos, o nosso primeiro compositor nacionalista”, acrescenta Ferreira, que realizou sua pesquisa sobre este ciclo focando exatamente sobre esse processo de surgimento da música erudita nacionalista brasileira, como conclusão de seu doutorado em canto e história da música na Jacobs School of Music – indiana University, nos Estados Unidos, o maior programa acadêmico de canto e ópera do mundo.

Na obra “Canções Típicas Brasileiras”, Villa-Lobos harmoniza melodias coletadas em suas pesquisas e viagens, reunindo num único ciclo canções indígenas, canções religiosas de origem africana, um desafio de viola, uma embolada, uma canção de ninar dos caboclos do Pará, e ainda três modinhas. Dessa forma, de forma nunca antes vista, Villa-Lobos coloca todo o seu país em uma única obra musical erudita, criando assim um marco na música brasileira.

SERVIÇO
Aula-espetáculo “O Canto de uma Nação: Canções Típicas Brasileiras de H. Villa-Lobos”
Quanto: Gratuito

·         21/07 (sábado): Gravatá - 11h (Festival Virtuosi), Igreja Matriz de Sant'Ana

·         24/07 (terça): Recife - 19h30 (Conservatório Pernambucano de Música - Auditório Cussy de Almeida)

·         27/07 (sexta): Garanhuns - 16h (Festival Virtuosi), Igreja de Santo Antonio

·         30/07 (segunda): Arcoverde - 19h (teatro Geraldo Barros no SESC Arcoverder)


Conteúdo:

Recital e Palestra – O Canto de uma Nação

1.         Palestra – Canções Típicas Brasileiras de H. Villa-Lobos: A Gênese da Canção Nacionalista de Câmara Brasileira.

1.        Introdução – O que é nacionalismo em música?
2.        Desenvolvimento da identidade musical brasileira: Os quatro primeiros séculos;
3.        Origens da canção de câmara brasileira e primeiros esforços nacionalistas;
4.        Primeiros anos da vida de Heitor Villa- Lobos: Influências e exposição;
5.        A origem e evolução dos materiais utilizados nas Canções Típicas Brasileiras;
6.        Canções Típicas Brasileiras – Análise individual das canções


Palestrante – Marcelo Ferreira
Duração – cerca de 45 minutos


2.         Recital – Canções Típicas Brasileiras (H. Villa-Lobos)

1.        Môkôcê cê-maká
2.        Nozani-na
3.        Papae Curumiassú
4.        Xangô
5.        Estrella é Lua Nova
6.        Viola Quebrada
7.        Adeus Ema
8.        Pálida Madona
9.        Tá Passaste por este Jardim
10.      Cabocla de Caxangá

Soprano – Gleyce Melo
Piano – Vitor Philomeno
Duração – cerca de 25 minutos


Duração Total – Aproximadamente 1 hora e 15 minutos

Classificação Indicativa – Maiores de 16 anos


        Ficha Técnica

Palestrante, Concepção e Coordenação
Dr. Marcelo Ferreira

Músicos
Gleyce Melo (Soprano)
Vítor Philomeno (Piano)

Realização
Jaraguá Produções

Produção Executiva
Carol Ferreira

Direção de Produção
Luiz Barbosa

Produção
Joli Campello
  
Assessoria de Comunicação
Aline Feitosa (Trago Boa Notícia)

Nenhum comentário:

Postar um comentário