Governo Municipal

Governo Municipal
Juntos por uma Grande Cidade

Governo do Estado

Governo do Estado
Governo do Estado

sábado, 22 de abril de 2017

RAQUEL LYRA ENFRENTA PROBLEMAS EM CARUARU

Uma coisa é fazer uma campanha política bonita e ganhar eleição, outra completamente diferente é governar e atender as demandas da população.

Em 2016, no segundo turno da eleição, Raquel Lyra (PSDB) fez uma das mais bonitas campanhas que já se viu em Pernambuco e derrotou o experiente Tony Gel por mais de 11 mil votos de vantagem.

Agora no governo, a filha de João Lyra começa a enfrentar as primeiras dificuldades.

A violência em Caruaru, principal tema de discussão entre os candidatos nos dois turnos, continua a mesma.  Embora a prefeita tenha proposto a união de todos contra a criminalidade na capital do Agreste os assaltos e homicídios continuam em alta.

Para dar ainda mais “dor de cabeça” à tucana, neste final de semana os professores entraram em estado de greve.

Eles reclamam que na cidade existem cinco categorias de professores e nem todos estão recebendo o piso salarial a que têm direito, de acordo com o Fundeb.

É cedo ainda para julgar Raquel Lyra, mas ela precisa se cuidar porque Caruaru tem uma tradição de bons gestores, como José Queiroz (quatro vezes), Tony Gel e João Lyra.


Na campanha ela passou a impressão que seria melhor que seus antecessores, criou muito expectativa e se fizer uma gestão inferior a de Queiroz ou de Tony Gel não será perdoada pelo eleitor.

*Na foto publicada originalmente pelo colunista João Alberto, a prefeita Raquel e o seu pai, o ex-governador João Lyra.

2 comentários:

  1. Raquel está no comecinho do mandato. A violência é gritante, no Estado de Pernambuco! - E, por que não dizer: a violência é gritante nos quatros cantos do Brasil. - Sem precisar falar que o mundo inteiro é violento pela própria natureza humana. - Basta um exemplo de violência infame: uma idosa de 78 anos foi agredida e espancada uma UTI, por um enfermeiro que devia cuidar dela! – Isso aconteceu no dia 17 deste mês, na Unidade de Terapia Intensivas (UTI), do Hospital do Servidor Público Municipal de São Paulo. - A violência perversa nas ruas é só mais um quesito tenebroso! - Não precisa dizer mais quase nada. /.

    ResponderExcluir
  2. É interessante como a violência cai na conta da Prefeitura de Caruaru, mas em Garanhuns a "culpa é do governo do Estado''. Raquel pelo menos tem um plano de enfrentamento para o problema; em Garanhuns, homicídios, roubos e o tráfico são tratados da mesmíssima forma que qualquer problema complexo: são delegados às outras esferas de governo.

    ResponderExcluir