Governo do Estado

Governo do Estado
Governo do Estado

domingo, 25 de setembro de 2016

PAZ NA TERRA

Roberto Carlos é criticado por falar demais do amor em suas canções. É considerado repetitivo e óbvio. Outros o condenam por nunca ter se posicionado politicamente, chamam-no de alienado e alguns o acusam de ter sido conivente com o regime militar de 64.

O cantor e compositor, porém, já criou mais de 600 músicas, a maioria com o parceiro Erasmo Carlos. E algumas vezes fugiu ao roteiro “dor de cotovelo”, como quando protestou contra a matança das baleias, criticou os efeitos colaterais do "progresso" e homenageou taxistas, motoristas, mulheres pequenas, mulheres de 40 e até as que usam óculos.

Uma preocupação sua como homem e artista tem sido cantar a paz, apelar pelo bom senso e se apegar no Cristo ou em Deus, buscando intimamente um mundo melhor.

Nas suas mensagens de fundo religioso criticou a ciência mais de uma vez, mas na música Seres Humanos se rendeu à evolução e admitiu que o mundo hoje é “melhor do que há muito tempo atrás” graças às criações do próprio homem que “inventou a luz elétrica, o avião, o rádio, a TV, o computador” e outras maravilhas.

Independente dos seus defeitos e limitações Roberto é um bom cantor e excelente intérprete, como provou quando se apresentou num estádio cheio, em Porto Alegre, ao lado de Luciano Pavarotti.  E apesar de suas manias e erros – como quando processou e tentou arrancar dinheiro do jornalista e historiador Paulo César Araújo – o cantor de Cachoeiro de Itapemirim tornou menos árida a vida de muitas pessoas, em mais de 50 anos de carreira.

Roberto Carlos pode ser somente bem intencionado, meramente comercial ou utópico. Mas o discurso pacifista de “Paz na Terra”, de 1985, não pode deixar de ser escutado, ainda mais quando embalado com imagens espetaculares de crianças, como podemos conferir neste vídeo do YouTube:


Um comentário:

  1. Cantor ruim e musicas ruins, não passa de mais um lixo cultura criado pela Globo para imbecilizar o povo.

    ResponderExcluir