Natal de Garanhuns

Natal de Garanhuns
A Magia do Natal

Governo do Estado

Governo do Estado
Governo do Estado

quarta-feira, 4 de maio de 2016

O MAESTRO FRANCÊS E A HECATOMBE

O maestro francês Fernand Jouteux, que viveu em Garanhuns quase 20 anos, do final do século XIX até as primeiras décadas do século XX, testemunhou de perto os acontecimentos da Hecatombe de 1917, que no próximo ano completa um século. Ígor Cardoso, no livro “O Maestro do Chapéu de Coro”, que já comentamos no blog, deixa claro que o músico ficou chocado com os acontecimentos e após a série de assassinatos pensou em voltar para a Europa, o que faria alguns anos depois.

Fernand Jouteux era amigo do Cônego Benigno Lira (que hoje é nome de rua na cidade), religioso que tentou acalmar os ânimos depois da morte do coronel Júlio Brasileiro, mas sem sucesso. Pessoas foram trancadas na cadeia pública, sob o pretexto de proteção e lá dentro foram assassinadas covardemente.

Outra informação preciosa de Ígor é que há uma possibilidade de Jouteux ter cruzado com o bando de Lampião, quando de sua andanças pela Bahia, para ver de perto os destroços de Canudos, o arraial de Antônio Conselheiro. A obra prima do maestro foi a ópera "O Sertão", baseada no livro homônimo (só que no plural) de Euclides da Cunha.

Luís Jardim, na época muito novo, foi embora de Garanhuns por conta da Hecatombe. Passou um pequeno período no Recife, depois foi para o Rio de Janeiro e lá se consagrou como escritor e ilustrador.

Como se vê, os crimes hediondos ocorridos na Suíça Pernambucana, na segunda década do século XX, assombraram as pessoas sensíveis e os talentos artísticos que nós tínhamos.

É preciso sempre recordar esses acontecimentos históricos, mostrar novos dados, mas sempre lamentando o ocorrido e pregando para que coisa parecida nunca mais se repita.

*Na foto,  reproduzida do blog de Anchieta Gueiros,  o calendário anual que circulou na época, com as vítimas da tragédia.

5 comentários:

  1. Roberto, meu prezado, ainda imensamente feliz por uma leitura tão atenta, e lisonjeado por figurar aqui, torno a agradecer! Forte abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seu livro é muito precioso amigo. Acho que o prefeito do município, a Câmara Municipal ou Secretaria de Cultura de Garanhuns deviam premiá-lo de alguma maneira como reconhecimento pelo seu trabalho de pesquisa e a publicação de sua obra.

      Excluir
  2. Mesmo o jornal eletrônico do Roberto Almeida nunca ter enveredado especificamente no campo da cultura propriamente dita, quase sempre, esse blog abrange a chamada cultura diversificada, quando o blogueiro escreve sobre músicas, cinema, teatro, livros, festivais e dana-se por aí afora. Fala-se isso em razão de, a leitura, o teatro, a música e, evidentemente, os livros, oferecem à alma uma verdadeira cultura íntima e deve fazer parte da educação de um povo, de uma pátria, de uma sociedade. Como se sabe, a cultura não se herda, conquista-se. E, de um certo modo esse blog abre o caminho e nos oferece um razoável conhecimento Conjuntural dos hábitos sociais e até religiosos, como também das manifestações intelectuais e artísticas, que caracteriza uma comunidade como a nossa que abrange cerca de meio milhão de pessoas que circundam a área metropolitana de Garanhuns.

    POIS BEM!!! Como a cultura é um vício saudável, na minha concepção, o primeiro blog de Garanhuns que se propôs a estampar cultura pura e genuína em suas páginas foi o Blog de ANCHIETA GUEIROS e logo após o do INSTITUTO GARANHUNS. Estes dois bons blogs culturais pregam a filosofia de Simone de Beauvoir, um dos nomes mais influentes do feminismo moderno, que por ser desaforada, pra época(décadas de 50, 60), costumava dizer que, “É preciso erguer o povo à altura da cultura e não rebaixar a cultura ao nível do povo”.

    Tergiversando sobre cultura é do conhecimento de muita gente, que o atual prefeito de Garanhuns teve a visão clara e penetrante de se criar uma secretaria de cultura, secretaria esta, que foi muito bem-vinda em razão do bom senso(até que enfim!!!) ao se perceber que, Investir em cultura não é caridade: é uma parceria que ajuda a projetar Garanhuns nacionalmente(Está aí os festivais como nossa matéria prima que não nos deixa mentir).

    Seguindo esse pessoal que arrota cultura, outro grande marco da blogosfera garanhuense vem ou veio a ser a intuição que tiveram o Sr. Prefeito juntamente com a Secretária Cirlene Leite em criar A COMISSÃO MEMORIAL DO CENTENÁRIO DA HECATOMBE DE GARANHUNS, donde, criou-se um BLOG específico para retratar O maior fato histórico-político ocorrido no período da República Velha. Em que pese Martin Luther King ter afirmado que NÃO SE HONRA A CULTURA COMEMORANDO O GENOCÍDIO, é preciso dizer que nesse caso específico há um porém ou inconveniente que restringe ou limita-se(ou há um desconto) do que foi dito pelo grande líder negro norte-americano da década de 60, haja vista o que relata a própria comissão ao afirmar que esse fato histórico nas ruas da Garanhuns de 1917, não se resume a sua PASSAGEM TRUCULENTA, mas remete a conhecer uma Garanhuns de progresso e exuberância, que tem nos principais políticos, personagens da Hecatombe de Garanhuns, uma grande contribuição para o seu desenvolvimento político-cultural.

    P.S.: - A cultura histórica (mesmo que truculenta) tem o objetivo de manter viva a consciência de um povo, de uma comunidade por pequena que seja venha ter conhecimento do seu próprio passado. E por falar do passado, A título de curiosidade, no governo Silvino Duarte, a pessoa encarregada de comandar a cultura de Garanhuns fora procurada por minha pessoa e naquela oportunidade sapequei-lhe a seguinte pergunta: como é que estão os preparativos para a comemoração do centenário de nascimento do escritor LUIZ JARDIM?!?!?! Angelicalmente, a figura saudou-me com uma baixada nos piscinês até o pau da venta e, com os olhos esbugalhados, indagou-me: QUEM?

    ResponderExcluir
  3. O Anchieta tem sempre uma preocupação sincera com a História e a Cultura de Garanhuns e por isso que no nosso trabalho sempre estamos recorrendo a ele como fonte de informação. A nosso ver quem desconhece a história e os valores culturais do próprio lugar onde vive é um ser alienado, é um sujeito desprovido de verdadeira cidadania.

    ResponderExcluir
  4. RERRATIFICAÇÃO: LEIA-SE: ESTÃO AÍ OS FESTIVAIS em vez de ESTÁ AÍ OS FESTIVAIS...

    ResponderExcluir