Governo de Pernambuco

Governo de Pernambuco
Festival de Inverno

Alepe

Alepe
Alepe

terça-feira, 28 de outubro de 2014

O DILEMA DE PAULO CÂMARA

No Recife alguns jornalistas comentam que o governador eleito Paulo Câmara (PSB) não queria participar ativamente da campanha do segundo turno. Eleito com a maior votação proporcional do Brasil, por que se queimar na disputa entre Aécio e Dilma? Pressionado pela viúva de Eduardo, Renata Campos, terminou coordenando o trabalho dos tucanos em Pernambuco e se deu mal. Venceu a eleição do dia 5 de outubro com 68% dos votos dos pernambucanos e perdeu a do dia 26, tendo de engolir a vitória de Dilma com mais de 70%. Se Paulo não se libertar da tutela dos Campos poderá ser um governador enfraquecido.

6 comentários:

  1. roberto,pelo que estar parecendo,esse e um laranja da familia campos.

    ResponderExcluir
  2. Em resumo: Laranjão.

    ResponderExcluir
  3. Ele vai se libertar com o tempo, ainda é muito cedo, deixa o homem tomar posse, que veremos.
    Afinal, quantos não querem chupar essa laranja.

    ResponderExcluir
  4. Uma pesssoa que dar uma surra no adversário de quase 2 milhoes de voto nao vai governar sozinho. vai governar com o povo e com o senador Fernando que deu uma surra no adversario de quase um milhao e mei de voto

    ResponderExcluir
  5. O PSB tá parecendo que é de propriedade da viúva de Eduardo Campos.

    ResponderExcluir
  6. Verdade, um laranjão que está completamente perdido, aliás não é para menos, já que Eduardo escolheu o pior, pensando que, se perdesse a eleição para Presidente o que era óbvio, contudo, governaria Pernambuco. Acontece que veio o que todos sabemos e devido a comoção e emoção dessa tragédia absurda, a maioria deixou-se levar por uma pessoa sem o menor carisma e sem a menor liderança a pedido da família enlutada e votou como se Eduardo fosse. Pernambuco fica onde está, não acredito que Dilma vá levantar a bola desse cidadão até porque é uma bola de chumbo. A família de luto governa e esse cidadão faz o papel como Governador de direito, porém nunca como Governador de fato. As obras federais continuarão, outras virão, porém direto para os Municípios, sem passar pelo crivo do Palácio do Campo das Princesas.

    ResponderExcluir