ALEPE

ALEPE
ALEPE

GOVERNO DO ESTADO

GOVERNO DO ESTADO
GOVERNO DE PERNAMBUCO - FUNDARPE

sábado, 24 de novembro de 2012

LEILÃO DE VIRGINDADE REPERCUTE NA IGREJA

Eu teria preferido escrever sobre outro assunto nesta semana, mas o leilão da virgindade de uma jovem brasileira, amplamente divulgado pela imprensa, requer uma reflexão. É um fato chocante e, ao mesmo tempo, parece tão banal que, talvez, só chamou a atenção porque o leilão aconteceu de maneira aberta, pela internet, e porque o valor do arremate foi alto. Um jovem russo tentou a mesma façanha; chamou a atenção pelo seu insucesso, pois a oferta foi muito baixa; ele desistiu do leilão e ficou deprimido. 

Afinal, o que está acontecendo? Pessoas colocam livremente a própria dignidade em leilão em troca de dinheiro? O fato foi acompanhado com curiosidade morbosa e até com torcida, para ver até aonde a oferta chegaria. Chocar, por quê? Nas calçadas de certas ruas da cidade e em tantas “casas do amor” não acontece o mesmo todos os dias, sem que isso chame a atenção, ou cause consternação em ninguém? Há mesmo quem queira legalizar a prostituição, como se fosse uma profissão qualquer. Tudo se resolve no nível econômico, também para traficar pessoas, reduzi-las a escravas, vender bebês, comerciar órgãos humanos… 

E há quem compre ou venda votos nas eleições, comprando ou vendendo a própria dignidade; e também quem suborne a Justiça, pondo em liquidação a própria consciência; há quem compre armas, use-as contra os outros, faça violência, mate, tudo pela vantagem econômica. E há quem trafique drogas, lucrando com o comércio da morte; e quem, simplesmente, vai roubando o que é dos outros ou de todos: tudo pela vantagem econômica que está em jogo… 

Grande novidade nisso tudo não há; coisas que sempre aconteceram. O novo é que, sem nos darmos conta, estamos assimilando uma cultura do mercado, na qual o fator econômico passou a ser o referencial maior: de uma cultura de valores éticos e morais, para uma cultura do valor econômico; o bem maior parece ser a vantagem econômica, que tudo permite e legitima, amolecendo qualquer resistência do senso moral. Tudo fica justificado, se há vantagem econômica. Aonde vamos parar? 

Está mais do que na hora de colocar tudo isso em discussão novamente; será que essa tendência cultural vai levar a um aprimoramento das relações humanas? A uma dignidade maior no convívio social? A uma valorização real das pessoas, ao respeito pela justiça e a paz? Provavelmente não. Certamente não. O ser humano, avaliado, sobretudo, na ótica da razão econômica, deixa de ser pessoa e vira objeto quantificável. 

Nisso também não há grande novidade; no passado, houve a exploração dos escravos, dos operários, das mulheres. Mas, sob protesto. O preocupante, agora, é que essa maneira de ver e fazer passe por aceitável e normal e a própria pessoa “objetizada”, outrora considerada vítima, agora seja vista como um sujeito autônomo e livre, que faz o que quer, também com sua própria dignidade; e tudo vai bem assim…

Voltaremos às feiras em que se vendem escravos? Livremente expostos à venda, aliás, ao leilão? O leilão da virgindade, por internet, é um fato que deve preocupar educadores, juristas, filósofos… Da curiosidade morbosa, é preciso passar à reflexão, talvez com um pouco mais de vergonha diante do que está acontecendo. Nossa dignidade comum está sendo leiloada! É deprimente!

(Texto do Cardeal Odilo Pedro Scherer - que ilustra a foto do post -, Arcebispo de São Paulo.  Publicado no Blog de Padre Emerson e originalmente no site/jornal O SÃO PAULO).

7 comentários:

  1. José Fernandes Costa24 de novembro de 2012 20:10

    Por favor, quem puder avise ao cardeal Odilo Scherer: - MUITO PIOR do que essa moça leiloar a virgindade dela, foi a Igreja Católica receber UM BILHÃO de liras do narcotraficante Enrico De Pedis. E recebeu aquele dinheiro para quê? Para sepultar o mafioso De Pedis, com o título de "benfeitor dos pobres", na Basílica de São Apolinário. E Enrico De Pedis, o narcotraficante, foi sepultado ao lado das "autoridades" católico-romanas e outras "figuras de relevo", da Itália! - O nome de Enrico De Pedis foi gravado em diamantes na lápide tumular, dentro daquele templo. Quando esse escândalo veio à tona, o vigário-geral de Roma, Ugo Poletti, disse que haviam feito a dita homenagem, porque a Basílica estava precisando de reformas e de dinheiro. - Agora, digam-me o que é pior: a Catarina Migliorini vender a virgindade que é dela, ou a Igreja Católica vender um recanto do Vaticano para abrigar os restos de um criminoso hediondo? - E tem mais: a ex-amante de Enrico De Pedis afirmou, em 2008, que o arcebispo Paul Marcinkuns, associado a De Pedis, foram os responsáveis pelo sumiço de Emanuela Orlandi, de 15 anos de idade, filha de um funcionário do Vaticano, que sabia muito bem dos crimes de Marcinkus e de Enrico. - Para calar o pai da jovem, sequestraram-na. E Emanuela nunca mais apareceu. - A tumba de De Pedis foi aberta diante de investigadores italianos. - Isso tudo foi descoberto, por meio de denúncias anônimas, que levaram os promotores de Justiça da Itália a exigir que o Vaticano dissesse a verdade sobre o assunto. - Com isso, o corpo do narcotraficante foi retirado da Basílica de São Apolinário, ou seja, das dependências "sagradas" do Vaticano. E foi mandado para lugar não sabido. - É o que se sabe. - Assim, que moral têm os dirigentes dessa igreja para condenar algum mortal? - Mas isso é só um pequeno pecado dos que fazem parte da história da Igreja Católica. - Há muitos e muitos outros./.

    ResponderExcluir
  2. UM BELO TEXTO MOSTRANDO A REALIDADE BRASILEIRA EM TODOS OS SENTIDOS.MERECE SER LIDO PELOS NOSSOS ADOLESCENTES E PELOS HOMENS E AS MULHERES QUE AINDA PREZAM PELA DIGNIDADE HUMANA.

    COMO SE COMPORTARÃO AS NOSSAS CRIANÇAS E OS NOSSOS ADOLESCENTES DIANTE DA DEPURAÇÃO DOS VALORES ÉTICOS DA NOSSA GENTE?

    ResponderExcluir
  3. Muito equilibrado e de valor o artigo do arcebispo de São Paulo; Dom Odílio não atacou a garota que leiloou a virgindade e sim a inversão de valores, o mercantilismo de uma sociedade movida pelo dinheiro; acredito que o Sr. José Fernandes foi infeliz em sua crítica uma vez que os erros de setores específicos da igreja não justificam atitudes como essa de Catarina de se vender dessa forma; não sou puritana até acho que a moça é livre para praticar esse gesto; mas uma mulher realmente inteligente e digna jamais se passaria a esse papel de se expor publicamente por motivação financeira; eu me pergunto: depois que Catarina for desvirginada pelo japonês como ficará a cabeça dela? Terá a consciência de que é uma puta de luxo e dificilmente conseguirá deixar de ser? Não acho que ela esteja dando um bom exemplo e tenho certeza de que o cardeal expressou o pensamento de muitas pessoas católicas ou não.

    ResponderExcluir
  4. José Fernandes Costa26 de novembro de 2012 00:32

    Pergunto aos moralistas de plantão: qual foi o exemplo da prostituta Xuxa para os baixinhos e as paquitas? Se estas e aqueles seguiram bons caminhos, não foi pelos exemplos da Xuxa, que começou a vida fazendo filmes pornôs! - E Elba Ramalho, Suzana Vieira e tantas outras que são louvadas, nos quatro cantos do país? Que fizeram e fazem elas? - Sustentam gigolôs e depois levam deles chutes nos traseiros. - Achando pouco, elas vão abrir as pernas para a Playboy, em troca de dinheiro! São mais prostitutas do que a Catarina! - 2. Quanto ao cardeal Odilo, é melhor ele olhar para o rabo. - As lições dele não ajudam coisa nenhuma. Toda essa ladainha dele já é conhecida de todos nós. - Então, para que esse discurso de uma igreja que sempre nos trouxe maus exemplos? Igreja que sempre acumulou fortunas, enquanto prega a humildade na pobreza. E o Banco do Vaticano? Que lavava dinheiro no Banco Ambrosiano da Itália? Dinehrio vindo do narcotráfico e de outras atividades sujas! - A nossa formação é forjada dentro da família. - Nenhuma igreja tem história moral suficiente para melhorar a cabeça de quem tem a cabeça torta! - Só alguns religiosos, têm trabalhos edificantes para nos mostrar e servirem de exemplos para muitos. Mas não é a igreja tal ou qual que tem história para nos ensinar o melhor caminho. Quem tem educação de berço, pode complementá-la com religião sadia. - Mas se o indivíduo não tiver estrutura familiar e der de cara com certos religiosos de ocasião, estará ferrado para o resto da vida. - Esse cardeal deveria ter falado tudo, menos de quem vende isso ou aquilo. - Porque essas igrejas nunca deram bons exemplos. - Repito: as exceções são por conta de alguns religiosos abnegados. - Não é o discurso de um cardel qualquer que vai servir de orientação para essa juventude. - NÃO condeno a Catarina só por essa atitude. A vida dela será escrita daqui para a frente. - Mas não pelas mãos da maioria desses religiosos que aí estão, escrevendo artgigos inflamados para inglês ver./.

    ResponderExcluir
  5. A iniciativa inédita desta jovem chamou atenção do mundo. Este fato, realmente chamou atenção da sociedade organizada. Cada vez mais fica difícil uma mulher virgem. Ficou tão banal, que elas a perdem ainda na adolescência, e com qualquer "Zéninguem" a custo de nada. Basta ver o valor do lance ganhador. Embora no sentido figurado, é aquela velha história da lei da oferta e da procura. Costuma-se dizer nos sites que falam sobre a sexualidade, que a virgindade é uma virtude em extinção. No meu entendimento a Igreja Católica é quem menos está credenciada de abordar o tema, basta ver os escândalos de pedofilia que os seus membros vêm sendo acusados pela imprensa internacional. Isto posta para dizer, que a sociedade reviu seus conceitos, mesmo sem perceber.
    Josias/Garanhuns

    ResponderExcluir
  6. Eu nunca pensei em concordar com a Telma, mas, agora concordo, como o faço com o Cardeal, apesar de reconhecer os erros que ainda existem em nossa Santa Madre Igreja. Este negócio de leiloar a virgindade, disse-me um amigo que entende de Economia é apenas um jogo de oferta e procura. Quando aparece uma virgem é uma coisa tão rara que o preço sobe muito. O Sr. Ccsta, como sempre, aproveita para atacar erros da Igreja que não tem nada a ver com o caso. Este tema se tornou caro para ele, porque no Mural da AGD ele usou um termo chulo para se referir à virgindade e eu o reprimi com veemência. Se alguém insistir em seu erro ele, sem argumentos, vai encontrar erros de português nos textos.

    Lucinha Peixoto (Blog da Lucinha Peixoto)

    ResponderExcluir
  7. José Fernandes Costa26 de novembro de 2012 10:50

    Eu falei com argumentos. E ninguém os contradiz. - Os escândalos do Vaticano dos quais falei, são recentíssimos. O rolo do Banco do Banco do Vaticano com o Ambrosiano, protagonizado pelo arcebispo todo-poderoso, Paul Marcinkus, foi na década de 1980 do século recém-findo. - O enterro do narcotraficante Enrico De Pedis se deu em 1990. Tudo isso na gestão papal de João Paulo II. O mesmo João Paulo II que se apressou em "santificar" Josemaría Escrivá de Balaguer, fundador da Opus Dei. - NEM precisei falar da venda das indulgências pelos papas do Século XVI. - NEM de outras negociatas de papas e cardeais, associados a reis e rainhas de então. - Lembrem-se de que os cardeais são representantes da "Santa" Sé, aqui na terra. - Posto isso, para dar liçõs de costumes e comportamentos, é NECESSÁRIO que a sua instituição tenha e pratique os bons constumes e o bom comportamento. - E não me venham dizer que eu estou retaliando A ou B, por me haver respondido com argumentos tortuosos. - Também, não fui infeliz no primeiro, nem no segundo comentário. - Se o cardeal veio falar de quem se vende, devia ter citados as vendas MORBOSAS (verbete usado pelo cardeal) feitas pela sua igreja./.

    ResponderExcluir