ALEPE

ALEPE
ALEPE

GOVERNO DO ESTADO

GOVERNO DO ESTADO
GOVERNO DE PERNAMBUCO - FUNDARPE

domingo, 17 de fevereiro de 2019

UM CAMINHÃO DE MERDA


Por Junior Almeida

Literalmente falando. Não é que o veículo fosse ruim que merecesse tal tratamento, ou mesmo que fosse um possante de carroceria carregado de estrume, produto que vale um bom dinheiro. Era um caminhão Mercedes Benz, com um grande tanque de metal de uma empresa “limpa fossas” da vizinha cidade de Garanhuns, que em atos de muita irresponsabilidade, crime ambiental e “filadaputisse”, descarregava sua “carga” na cidade de Capoeiras.


Foi assim: corria o ano de 2013, e algumas pessoas da cidade de Capoeiras, que faziam de um comércio na entrada da cidade, ponto para bate papos, começaram a notar que um caminhão amarelo modelo 1113, com um tanque escrito “LIMPA FOSSAS TAL”, estava vindo constantemente à Capoeiras. Alguns homens conversando, um teve a curiosidade de perguntar quem estava utilizando aquele tipo de serviço na cidade. Até se especulou ser o Banco do Brasil ou prefeitura, empresas com cacife financeiro para contratar tal empresa. Ninguém soube responder e a conversa mudou de rumo.


Eis que na outra semana o veículo estava novamente na cidade, e um dos homens presentes na conversa da semana anterior, soube por um morador de um loteamento novo, que o caminhão toda semana pontualmente despejava uma carrada de bosta no riacho do loteamento Napoleão Ferreira de Melo, de Ademilde. Absurdo, mas era verdade. O motorista saía de Garanhuns, bem carregadinho para sacanamente descarregar merda em Capoeiras.


-Bom saber disso. Disse o homem.


No comércio onde costumava frequentar para colocar a fofoca em dia, o homem que soube da novidade, tratou de espalhar a novidade para os amigos. Surpresos e indignados com tal atitude, os homens resolveram agir. Inteiraram-se do dia e horário que o caminhão de merda vinha à cidade, e prepararam a tocaia.


O dia da fétida descarga era aos sábados, por volta de dez, onze horas da manhã. No dia certo, os homens já esperavam o “freguês” desde cedo no comércio. Acompanhados de dois cabras, os homens viram quando o amarelinho da bosta apontou na pista, na PE 193, entrada da cidade para quem vem de Garanhuns.


Deixaram o caminhão passar por eles, e seguiram em dois automóveis atrás dele. No local da descarga, os homens de Capoeiras pegaram o motorista do caminhão com a boca na botija. Ou melhor, com a mão na merda, pelo menos na mangueira do tanque, pronto para desgraçar mais uma vez o pobre riacho e todas as pessoas que moravam na vizinhança.


-O que é que tu estás fazendo aí, boy? Perguntou ironicamente um dos cabras.


Meio assustado com o flagra, o motorista tentou disfarçar, alegando que o caminhão tinha dado um defeito, e ele estava verificando o que era. Nem deu tempo. Nem terminou de falar, e o homem já estava cercado pelos homens.


- Você vai experimentar um pouquinho do seu produto. Disse um dos homens.


Assustado o motorista disse que tinha ordens de um secretário da prefeitura para tal procedimento. Mentira das grandes. Jamais um funcionário de uma prefeitura, por mais doido ou corrupto que fosse, autorizaria uma cagada dessas.


O motorista ficou na traseira do caminhão, dois homens de Capoeiras subiram no tanque segurando a mangueira, outro ligou a torneira, e os demais fizeram a segurança para que o motorista não fugisse. O certo é que deram um belo banho de bosta no cabra safado, que voltou para Garanhuns todo sujo, e até hoje não se tem notícia se ele alguma vez voltou à Capoeiras.


*Foto meramente ilustrativa da internet.

Um comentário:

  1. hahahahahahah Fazia tempo que eu não ria lendo uma estória tão engraçada. Mas o referido caminhão amarelo ainda roda por aí, inclusive o proprietário reside às margens da BR 243, a caminho de Caetés/Capoeiras kkkkkkkkk

    ResponderExcluir