sexta-feira, 18 de janeiro de 2019

A HONRADEZ DE ÁLVARO FERNANDES


Por Altamir Pinheiro

Quando a honra de um homem é inatacável, fica-lhe decente qualquer roupa que vista. Até sua última veste numa urna mortuária lhe cabe bem, pois foi o que percebi, em que pese a tragédia de que fora acometida o amigo que se foi, inesperadamente... Já dizia o jornalista, poeta, dramaturgo e escritor francês Nicolas de Chamfort que, “A estima vale mais do que a CELEBRIDADE, a consideração mais do que a FAMA, e a honra mais do que a GLÓRIA”. Boa parte desses atributos ora narrados eu via na forte, equilibrada e sincera personalidade do amigo Álvaro Fernandes que se foi com apenas 66 anos de idade, marcada por uma desgraça medonha, horrenda e porque não dizer, tenebrosa...

Na Bíblia Sagrada, existe uma passagem que relata que a terra não era digna de alguns homens que pisaram em seu chão, ou seja, para Deus, algumas criaturas são tão especiais que sequer deveriam ter vindo para esse mundo de tantas injustiças e perversidades, por merecerem algo bem mais valoroso. Sem dúvidas, como seres humanos, estamos todos em pé de igualdade, porém, assim como as estrelas do céu, em que umas brilham mais do que as outras, alguns seres humanos se destacam mais por ostentarem alguns atributos singulares neste mundo em que vivemos, dentre eles destacaria o meu amigo que se foi precocemente por uma fatalidade que a vida lhe reservou...

Charles Chaplin brilhantemente disse: “Não se mede o valor de um homem pelos seus ternos bem talhados ou pelos bens que possui, o verdadeiro valor do homem é o seu caráter, suas ideias e a nobreza dos seus ideais”. Conceitos como personalidade,  respeito, seriedade e moralidade são cada vez mais relegados na conduta humana. Honra, uma palavra pequena, mas carregada de um grande poder extraordinário e disponível para aqueles que caminham nela. De um certo modo o meu amigo seguia esta trilha.

Quero relatar aqui, um fato que aconteceu há cerca de 25 anos, donde, naquele momento Álvaro era um pequeno empresário de vendas de automóveis usados e eu um simples caixa do Banco do Brasil. POIS BEM!!! Por um infortúnio da minha parte um certo dia autorizei o pagamento de um cheque emitido ou assinado  por Álvaro Fernandes, pois apesar de haver suficiência de fundos ele estava suspenso, havia uma contraordem ou melhor o cheque estava sustado e eu, me abestalhei naquele exato momento, vacilei e dei autorização para que daqui de Garanhuns fosse pago no BB de Vitória de Santo Antão (a operação bancária chamava-se CONSULTA DE CHEQUES por telefone), no outro dia a bomba estourou!!

Corrigido, em termos de hoje, o valor do cheque seria na base de R$ 100.000,00(cem mil reais). Por indiferença, falta de humanismo ou  estupidez, meus colegas me deram às costas ao episódio como também à gerência do banco, inclusive a respeito do fato, fiquei respondendo processos internos administrativos. Afinal, quem teria piedade ou daria bola para mim além de ninguém?!?!?! Mas houve quem me estendesse à mão amiga e honrada: o também prejudicado(por tabela!!!) Álvaro Fernandes. Álvaro, além do conforto, me deu todo apoio ao afirmar que conhecia quem sacou o cheque(que era seu cliente) e estava a minha inteira disposição para ajudar-me no que fosse preciso e possível para a recuperação do valor sacado indevidamente. Que nome isso tem? Se não é solidariedade ou  honradez, claro que  é coisa melhor!!!

Lembro-me muito bem da data em razão de ser dia da fogueira de São João. À noite “zarpei”, sozinho,  com destino a Vitória de Santo Antão. Naquela ocasião, armado, estava decidido pra matar e pra morrer e topava qualquer parada.  Lá, o gerente do BB me deu todo apoio, fomos à casa do cidadão, mas ele tinha viajado para Petrolina. “Zarpei” de imediato cortando todo o sertão pernambucano chegando ao   amanhecer e indo à procura do dito cujo no hotel onde ele estava hospedado. BOTEI PEGADO NA FIGURA!!! Ele também estava errado porque sabia que no cheque havia uma contraordem (por ele não cumprir com Álvaro o que estava acertado que era o documento do carro), então ele foi intimado a vir a  Garanhuns para a gente acertar todo esse parangolé... De resto, só me sobra dizer que tudo foi acertado da melhor maneira possível e entre mortos e feridos salvaram-se todos!!!

Depois desse périplo: Garanhuns / Vitória / Petrolina / Garanhuns, está implícito  ou vem à tona um  simples desabafo, donde, nunca tinha exposto ao público tal acontecimento, pois sinto-me na obrigação de informar que para o  bem da verdade, o tempo deixa perguntas, mostra respostas, esclarece dúvidas, mas acima de tudo, o tempo traz verdades. E essas verdades, quando nos tocam profundamente, a gente tem que compartilhar, pois é o que estou fazendo neste exato momento. E tem mais: quero acreditar ou continuo teimando que meu amigo Álvaro NÃO alçou  voo rumo à oficina celeste, pois um  homem honrado não MORRE NUNCA!!!


Nenhum comentário:

Postar um comentário