Governo do Estado

Governo do Estado
Governo do Estado

domingo, 15 de janeiro de 2017

COMO OS PRESBITERIANOS CHEGARAM A GARANHUNS

Jornalista, advogado e professor, Manoel Neto Teixeira registra no “Álbum de Garanhuns”, obra já citada no blog, a chegada dos presbiterianos na Suíça Pernambucana.

Segundo o autor, a Igreja Presbiteriana de Garanhuns foi fundada oficialmente no dia 22 de janeiro de 1900, com sede central na Avenida Santo Antônio.

Manoel Neto informa que antes da construção da sede-matriz "os primeiros passos dos presbiterianos tiveram como abrigo pequenos imóveis situados na Rua Dom José, onde foram ministradas as preleções iniciais que culminariam com a inserção dessa nova opção religiosa para o povo de Garanhuns e de todo o Agreste Meridional”.

Os pioneiros da Igreja Presbiteriana da cidade teriam sido Mac Call, David Law, George Burtler e sua esposa Rina. A eles se juntariam depois João Gueiros, Jerônimo Gueiros, Clarindo Gueiros, Francisco de Carvalho Gueiros, Juvêncio Godoy, César Cavalcanti e Francisco Furtado.

Manoel Cipriano, pai de Leny e do professor Elon, juntamente com sua esposa Lídia e toda família, que residiram muitos anos na Rua Quinze de Novembro, merece uma citação especial, neste post, como uma das personalidades marcantes da Igreja Presbiteriana de Garanhuns.

Silvandro Cordeiro Fonseca, autor de um livro sobre o centenário da Igreja Presbiteriana de Garanhuns (citado por Manoel Neto), diz que a inserção da nova corrente evangélica no município não foi pacífica, “tendo em vista as reações contrárias e até perseguições descabidas de alguns católicos que não admitiam outra opção religiosa na cidade”.


Os presbiterianos contam hoje em Garanhuns, além da Igreja Central, com templos religiosos na Avenida Rui Barbosa, no bairro da Boa Vista, na Avenida Duque de Caxias, na Vila do Quartel, a Congregação Peniol, na Cohab III e a 4ª Igreja Presbiteriana, entre a Boa Vista e o centro da cidade.

Fotos Google: 1) A Igreja Presbiteriana do centro; 2) Capa do livro de Manoel Neto Teixeira.

Nenhum comentário:

Postar um comentário