Natal de Garanhuns

Natal de Garanhuns
A Magia do Natal

Governo do Estado

Governo do Estado
Governo do Estado

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

CAPOEIRAS SE DESPEDE DO MONSENHOR GERALDO

Por Junior Almeida

Depois de um dia inteiro de muitas missas e homenagens, foi sepultado no final da tarde da sexta-feira (13), na Matriz de São José em Capoeiras, o corpo do seu pároco, monsenhor Geraldo Batista de Lima. Sob forte comoção dos fiéis, o bispo diocesano, Dom Paulo Jackson, rezou a missa de corpo presente do seu colega de Igreja. Mais de trinta padres de várias paróquias vieram se despedir do monsenhor Geraldo, que era o mais velho da Diocese de Garanhuns, dentre eles, três encaminhados por ele à vida religiosa: Roberto Junior, Edson Viana e José Nemézio.

Autoridades de vários lugares também estiveram presentes ao último adeus a Padre Geraldo. De Caetés, o prefeito Armando Duarte e o presidente da Câmara, Irmão Naldinho. De São Bento do Una, a prefeita Débora Almeida, além da prefeita de Capoeiras, Neide Reino, e os ex-prefeitos, Aluízio Cabral, Carlos Batata, Dudu e Zezinho Borrego. Vereadores locais também estavam presentes, além do deputado estadual Alberto Feitosa e o coronel Duarte, comandante do quartel do Exército em Garanhuns, o 71 BI MTZ.

Os irmãos do monsenhor Geraldo, Quitéria, Maria, Josefa e Jorge, também estavam presentes na cerimônia fúnebre. Todo o comércio local cerrou suas portas mais cedo, mesmo sendo dia de feira, em respeito ao seu pastor. A tristeza era visível no rosto das pessoas, principalmente daqueles mais humildes, que tinham em seu padre, um conselheiro e amigo. Pessoas mais ligadas ao padre chegaram a passar mal, tamanha a emoção.

Depois da bela homilia de Dom Paulo Jackson, a prefeita Neide Reino, representando o povo de Capoeiras, usou da palavra, onde destacou a história do padre Geraldo com a cidade, que segundo ela se confundem numa só. Neide disse ainda que problemas que por ventura tenham existido entre o religioso e ela, ou mesmo com os demais prefeitos, foram todos superados, que esse tipo de coisa é salutar à democracia, que o importante é que tudo foi superado por todos, pois monsenhor Geraldo era um homem conciliador.

Monsenhor Patrocínio, contemporâneo de Geraldo Batista, representando o clero, se emocionou ao falar da luta diária do colega nos tempos de seminário. Com a voz embargada, o religioso relembrou as ações do então seminarista Geraldo Batista, que muitas vezes sacrificava seus estudos, indo às ruas conseguir doações para que os alunos do seminário não passassem por maiores apertos em seus estudos e até mesmo fome.

Na fala mais emocionante da celebração, o coordenador da Renovação Carismática local, Roberto Noronha, externou o seu sentimento de gratidão para com seu padrinho, monsenhor Geraldo. Mesmo triste com a partida do amigo, Roberto agradeceu tudo que o pároco fez por toda a comunidade nesses 45 anos em Capoeiras. Agradeceu pelo pulso forte na condução do seu rebanho e por ele ser um padre firme e forte na fé, segundo ele, um padre de verdade. Finalizou dizendo ter a certeza que monsenhor Geraldo agora estava ao lado de Frei Damião, rezando pelo povo da terra.


Quando Dom Paulo e demais religiosos encomendaram o corpo do Monsenhor Geraldo já era noite. Em seguida todos os padres seguiram em cortejo pelas ruas em frente à igreja levando o caixão do colega padre, para depois finalmente sepultá-lo na Igreja de São José. Só então a igreja foi liberada para que o povo pudesse ver o local onde foi sepultado o padre que tem a sua história irmanada com a história de Capoeiras. É consenso em Capoeiras, que o lugar agora tem duas histórias. Antes e depois do Padre Geraldo.

Vale aqui destacar o belo trabalho do vigário paroquial de Capoeiras, monsenhor José Augusto, que mesmo antes de padre Geraldo fazer sua viagem derradeira, vem conquistando a todos na comunidade, e que desde que o colega se foi, não descansou um só instante, dando assistência aos fies e convidados, celebrando missas e organizando o funeral. Testemunhamos até o religioso pagando no pesado, carregando cadeiras para que os presentes na missa rezassem confortavelmente. 

Fotos: 1-Crédito Junior Joaquim; as demais Junior Almeida.

2 comentários:

  1. Ainda parece mentira que mons geraldo se foi.Ninguém quer acreditar,parece um pesadelo,vai ser dificil se acostumar sem a presença constante desse homem que só nos fez o bem.
    Que Deus nos dê o conforto pra seguirmos em frente,especialmente as pessoas mais próxima do mons,
    vamos segurar na mão de Deus e seguir....

    ResponderExcluir
  2. Descanse em paz. Grande ensinador da palavra!

    ResponderExcluir