Governo do Estado

Governo do Estado
Governo do Estado

terça-feira, 20 de dezembro de 2016

PRISCILA KRAUSE QUESTIONA GOVERNO SOBRE SEGURANÇA

Em meio à crise da segurança pública em Pernambuco, agravada pela ameaça de greve da Polícia Militar, a deputada estadual Priscila Krause (DEM) questionou na tribuna da Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe), na tarde desta segunda-feira (19), a regularidade do videomonitoramento das vias e espaços públicos, principalmente no Recife. A parlamentar apresentou documento da Secretaria de Defesa Social que registra o fim do convênio firmado em 2014 entre o governo estadual e a Prefeitura do Recife para instalação e utilização de 60 câmeras espalhadas por 28 bairros. Priscila também apresentou levantamento que aponta dívida do governo com as prestadoras do serviço das câmeras - no âmbito estadual - num montante que já soma R$ 15,9 milhões.

“São duas informações que precisam ser colocadas à sociedade com transparência para que o governo seja ágil e esclarecedor no seu posicionamento. Trata-se de um serviço importante para o combate à violência, um convênio muitas vezes enaltecido e que agora termina sem uma explicação, uma atenção com as pessoas, além dessa dívida expressiva, que inclusive deixa brecha para a não execução do serviço”, argumentou Priscila.

De acordo com comunicação interna da Secretaria de Defesa Social, o convênio 008/2014 “esteve vigente no período de 01/09/2014 a 30/09/2016, sem que fosse submetido a qualquer aditamento. Seu propósito era regular a operacionalização do sistema de Videomonitoramento para o município do Recife/PE, mediante a integração operacional entre a Secretaria de Defesa Social de Pernambuco e a Secretaria de Segurança Urbana do Município do Recife (Seseg)”. Previsto para instalar 200 câmeras, o convênio – que custaria R$ 27,3 milhões – instalou 60 e gerou despesas à administração municipal no total de R$ 7,3 milhões (o último empenho foi pago em 12 de setembro deste ano).

Além do encerramento do convênio, outro impasse que alerta sobre a viabilidade do serviço diz respeito ao pagamento da própria Secretaria de Defesa Social às empresas responsáveis pelo convênio PE Conectado, realizador do videomonitoramento. Dos R$ 31,54 milhões de serviços realizados, de acordo com dados do caixa estadual, R$ 15,9 milhões não foram pagos. Há faturas do mês de julho que ainda não foram quitadas. A principal empresa componente do consórcio é a Oi, que tem R$ 14,01 milhões a receber do governo de Pernambuco apenas pelos serviços de videomonitoramento. (Da Assessoria da Parlamentar/Foto: Cecília Sá Pereira).

2 comentários:

  1. Quando você toma uma decisão, está prevendo que deve-se alcançar um resultado mais na frente.

    Dito isso:

    O que estaria prevendo mais na frente o governo do estado, a partir do momento que manda a polícia recolher e apreender qualquer arma que esteja em posse da população? Pois a única coisa que vemos a policia fazendo nos blogs 24 horas por dia e noticiários policiais é apreender velhas soca-socas, garruchas e revolveres em posse de sitiantes na zona rural, já ouvi falar que o governo do estado inclusive paga uma certa quantia em dinheiro para cada policial que apreende uma arma, seja ela qual for.

    E qual o resultado desse politica IMBECIL? A EXPLOSÃO DO CRIME, DOS ASSASSINATOS E A REDUÇÃO DOS CASOS DE LEGÍTIMA DEFESA.

    SERIA PRECISO SER ALGUM GÊNIO PARA CONCLUIR QUE O GOVERNO DO ESTADO ESTÁ DO LADO DO CRIME, E CONTRA A POPULAÇÃO?

    POIS É ESSA A CONCLUSÃO QUE QUALQUER CÉREBRO FUNCIONAL CHEGA AO VER AS MEDIDAS TOMADAS PELO GOVERNO E SEUS RESULTADOS.

    Só lembrando que quando o projeto de lei 3722 que revoga o estatuto do desarmamento, chegou para ser votado no congresso, o primeiro governador que saiu correndo aos berros como uma cabrita no cio, foi Paulo Câmara, dizendo a seus puxa-sacos parlamentares, do PSB não deveriam votar nesse PL 3722.

    ResponderExcluir
  2. A violência é o pior dos mundos que deve preocupar todo mundo.Quem de nós não foi vítima desse flagelo na vida?

    Violência que às vezes acontece dentro da própria família.Assunto tão sério que muitas vezes não temos a coragem de atacar as suas raízes e publicá-las.

    Eu fui vítima dessa violência na época dos ex-governadores Moura Cavalcante,Marco Maciel,Roberto Magalhães e Gustavo Krause,Miguel Arraes, Jarbas Vasconcelos e Eduardo Campos.

    Todos tiveram grandes contribuições nessa área,mas também deixaram muito a desejar.Em 1989 parti de minha cidade com 15 homens e fomos ao Palácio do Campo das Princesas pedir ao ex-governador Dr. Miguel Arraes segurança.Naquela época se matava muito mais que hoje.

    As polícias totalmente desaparelhadas,não tinham viaturas,os carros tudo quebrado,faltava combustíveis,as polícias tinham que fazer suas próprias refeições,as reclamações foram muitas.

    O locutor de Arraes dizia que vamos tirar a espingarda 12 da zona rural.O locutor de Jarbas Vasconcelos dizia que vamos fazer o que as polícias do CEARÁ fazem,segurança total.

    Foi criado o Conselho da PAZ.Pouca gente quis ser presidente do Conselho da Paz nos municípios.O medo era tão grande que pouca gente se arriscaria.Por 4 anos eu fui presidente e na reeleição ninguém quis assumir.

    Nas reuniões apareciam um pingado de gente.Eram roubos e assaltos,crimes diversos um atrás do outro. Difícil discutir SEGURANÇA PÚBLICA com a população.

    Numa reunião entre o Delegado,o Sargento,o Diretor do ´Colégio Municipal Jandira Pedrosa e o Tebelião Ademilton Monteiro ,o Professor Iran Duque de Morais assim se expressou: " Delegado,não é função do Estado garantir minha segurança para que eu tenha o direito de ir e vir? O Delegado respondeu,sim.Mas o Estado não pode e nem condições de garantir a segurança de todo mundo.Quando nós estamos sem serviço e sem farda,quem garante a nossa segurança? A resposta foi,somente Deus é quem protege todos nós".

    A responsabilidade pela segurança pública primeiro é do Estado porque as polícias pertencem ao Estado,segundo do Município,terceiro a toda a população em geral.

    As Escolas tem um papel preponderante na Educação de jovens e adultos.Depois vem todos os segmentos organizados da sociedade: Igrejas e organizações comunitárias nas associações comunitárias rurais e urbanas.

    Quando as polícias Civis e Militares ao lado do Poder Judiciário envolvendo juízes e promotores com os seus servidores públicos agem em harmonia a segurança pública passa a ter um papel primordial em prol da própria sociedade.

    O PACTO PELA VIDA foi durante 8 anos a bandeira do ex-governador Dr. Eduardo Campos.E mesmo assim muitos hoje criticam a violência reinante em todo o Estado de Pernambuco.E é bom mesmo que todos discutam e debatam esse problema número um de todo mundo.

    ResponderExcluir