Governo do Estado

Governo do Estado
Governo do Estado

domingo, 4 de dezembro de 2016

OS DRAMAS HUMANOS NA OBRA DE JOSÉ CONDÉ

ESPECIAL - José Condé, escritor natural de Caruaru, nasceu em 1917, portanto no próximo ano deve ser comemorado o seu centenário.

É de se esperar que Raquel Lyra, que já terá assumido a Prefeitura, elabore uma programação festiva e cultural à altura do nome do romancista, autor de Histórias da Cidade Morta, Pensão Riso da Noite, Vento do Amanhecer em Macambira, Tempo Vida Solidão e Terra de Caruaru, entre outras obras reconhecidas pela crítica literária nacional.

Infelizmente, da mesma maneira que Luís Jardim, o grande nome da literatura nascido em Garanhuns, Condé está quase que esquecido e seus livros não são encontrados atualmente nas livrarias, a não ser nos sebos.

Condé nasceu na capital do Agreste, depois viveu em Recife, Petrópolis e finalmente no Rio de Janeiro, onde se consagrou com suas novelas e romances.

A prosa do caruaruense é simples, mas trata dos dramas humanos, da solidão, expõe a crueldade de homens brutos e se compadece das mulheres de pouco ou nenhum futuro.

Em “Terra de Caruaru”, um dos seus livros de maior êxito, mesmo sendo uma obra de ficção, José Condé conta a formação histórica da cidade, criando personagens fortes, alguns parecendo bem reais, lembrando pessoas que nós conhecemos em algum momento, nesses agrestes.

Mesmo morando no Rio de Janeiro, o escritor nordestino não esqueceu suas raízes e nos seus livros contou histórias passadas em Caruaru, no Recife ou cidades fictícias da região.

Tanto soube abordar os dramas rurais, de cunho regional, como a solidão nos centros urbanos, como faz com maestria ao narrar a vida do velho Naé, um “pobre diabo” vivendo em quase completa miséria e solidão, convivendo com pobres como ele na área do Cais do Apolo, na capital pernambucana.

José Condé morreu com pouco mais de 50 anos, em 1971,  deixou uma dezena de livros que merecem ser conhecidos por quem gosta da boa literatura com um toque regional, sem deixar de ser universal.

O homem, a vida, as incertezas, a angústia, o sofrimento, o seu tempo... tudo isso está na obra de Condé, que deve ser motivo de orgulho para os caruaruenses e pernambucanos.

Abaixo, um pequeno trecho de “Tempo, Vida, Solidão”, que expressa bem a força da literatura do escritor nascido em Caruaru:

O mundo era um só; onde estivesse o ser humano, aí estaria o mundo com suas esperanças ou tristezas. O mundo estava naquele bar sujo e sórdido perdido numa noite do Recife, onde dois garçons, em silêncio, observavam um velho, que, diante da mesa de mármore cheia de nódoas e moscas, bebia, impassível, um cálice de aguardente.

Rompendo o silêncio, o garçom português disse ao garçom mulato:

- Com efeito, a velhice deve ser uma coisa triste.

Entretanto, o velho Naé estava pensando: “Há muitos dias não me sinto tão feliz como hoje”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário