Natal de Garanhuns

Natal de Garanhuns
A Magia do Natal

Governo do Estado

Governo do Estado
Governo do Estado

segunda-feira, 18 de julho de 2016

MAIS UM AMIGO DE AÉCIO NEVES É DESMASCARADO

Por Junior Almeida

Parece praga ou castigo, mas não é. É apenas o curso natural das coisas de que nenhuma verdade fica encoberta por muito tempo. Alguns podres demoram às vezes uma vida para aparecerem, isso é verdade, mas outros vêm bem rapidinho. Agora parece ser rotineiro que personagens que se via na TV bradando por ética na política e na vida como um todo, perderem sua máscara de honestidade, e se mostrarem bem mais sujos do que os que supostamente combatiam. Quem não lembra das falas indignada de Aécio Neves falando em decência, quando se sabe o quão sujo ele é? Tem exemplo mais bizarro do que o ex-presidente da Câmara Federal Eduardo Cunha, que foi o juiz do processo provadamente sem crimes de Dilma Roussef?

Saindo da esfera política, onde a grande maioria é corrupta e luta desesperadamente para que se acabe com as investigações que possam chegar a eles, e falando dos artistas. Tem coisa mais esdrúxula ver um Alexandre Frota da vida falando em decência e sugerindo pautas na educação? E um artista decadente como Lobão ou Roger, do Ultraje a Rigor, falando suas abobrinhas na TV? É de ri pra não chorar. Essa semana caiu a máscara de Ratinho, que vive dando porrada na mesa e falando de cara feia contra o que acha errado. Tai o homem... Condenado por manter miseráveis trabalhando em suas fazendas, quase como escravos.  


E o craque Neymar? Muito bonitinho defendendo Aécio Neves e sua direita na campanha presidencial, falando em ética, decência, contra a corrupção, e todas essas coisas que a direita fala de boca pra fora, mas que no fundo são iguais ou piores à esquerda que fez um bocado de caca no poder. A pose do jogador não demorou a cair, pois a justiça que o interpelou foi a da Espanha. Processado e condenado por sonegação naquele país. Neymar foi tão desonesto, que chegou a criar uma empresa de fachada só para burlar o fisco dos dois países. Uma pessoa dessa tem que moral pra apontar o erro dos outros?

E Ronaldo, o dito “Fenômeno”? Esse é outro fenomenal em polêmicas. Grande nome do esporte mundial, o ex-atleta se envolveu em algumas situações de grande repercussão em sua vida. Teve aquelas contusões incríveis e dolorosas que deixou o mundo torcendo por ele e fora de campo o bisonho caso de ter sido flagrado com travestis. Mas isso é pessoal, gosto dele, então deixa pra lá. O episódio mais ou menos recente que Ronaldo protagonizou foi o afinco com que se meteu na campanha do seu amigo Aécio Neves. Pior. Depois da eleição perdida, o Fenômeno entrou na onda de chororô do mega delatado mineiro, e danou-se a opinar, cobrando decência na política brasileira. Até uma camisa com a frase A CULPA NÃO É MINHA. VOTEI NO AÉCIO, Ronaldo vestiu. Que cara de pau. É o famoso safado de cara lisa, pois quando o ex-jogador teve a ousadia de vestir tal camiseta, já tinha passado a mão de montão em dinheiro público.


Ronaldo Fenômeno ocupou cargo no Comitê Organizador Local da Copa de 2014 (COL), e foi o suficiente para “passar a mão” em dinheiro público. Sua empresa, a 9ine, recebeu comissão de 10% por intermediar um negócio entre um cliente e um estádio da Copa do Mundo. Documentos obtidos pelo UOL Esporte, que noticiou o escândalo no último dia 13, mostram que a 9ine negociou a venda de cadeiras da Marfinite para a Arena Fonte Nova, em Salvador e, por sua participação, deveria receber R$ 800 mil em um negócio, de R$ 8 milhões. 

Ronaldo como era de se esperar nega tudo, dizendo que não houve conflito de interesses em fazer negócios para a arena, e que todo dinheiro que ganhou foi jogando futebol e explorando a sua imagem. Sempre assim, todos que bradavam ética pouco a pouco vão sendo desmascarados, vão aparecendo enrolados em escândalos e mais escândalos, enquanto quem foi massacrado pela mídia e seus seguidores, num efeito manada, como Dilma Roussef, a cada dia que se passa provam sua inocência perante tantas acusações.

Nenhum comentário:

Postar um comentário