SECRETARIA DE SAÚDE DO ESTADO

O INTERMINÁVEL CENTRO DE CONVENÇÕES DO SESC

O prédio da administração do Sesc
O Centro quando desabou parte da obra, em 2010

EXCLUSIVO - Em outubro passado, daqui a pouco completa quatro meses, anunciamos em primeira mão a reintegração – por determinação judicial – da professora Graça Carneiro na gerência do Sesc Garanhuns.

Passado esse tempo todo, queremos cobrar de Graça Carneiro e de outras autoridades do Serviço Social do Comércio, esclarecimentos sobre a demora para ser concluída a obra do Centro de Convenções.

Por que a cobrança?

Ora, a direção do Sesc Pernambuco começou a falar nesse Centro de Convenções no início da década passada. Em 2001, numa entrevista exclusiva ao Jornal Correio Sete Colinas, o professor Josias Albuquerque anunciava a intenção de construir a obra, que segundo ele poderia ficar pronta até o Festival de Inverno daquele ano.

BUROCRACIA  - Aí então vieram os problemas burocráticos. A entidade da classe comerciária precisava de um terreno para construir o Complexo, que iria incluir um grande auditório, teatro e um moderno cinema. O então prefeito Silvino Duarte teve sensibilidade com a questão e conseguiu junto à Câmara a doação do terreno da Secretaria de Obras do Município para o Sesc.

Esse “repasse” legal do terreno da Prefeitura para o Serviço Social foi concluído no Governo de Luiz Carlos de Oliveira e a construção da obra foi iniciada por volta de 2010. Neste mesmo ano parte da estrutura dos trabalhos desabou, um fato que teve repercussão nacional. Felizmente foi num dia sem movimento, logo cedo e não tivemos vítimas.

O prédio do Centro de Convenções do Sesc está muito bonito, perto de ficar pronto, mas ainda não foi entregue à comunidade garanhuense. É claro que já se gastou na obra muito mais do que os R$ 5 milhões anunciados no começo. O colunista Saulo Paes, em 2010, publicou uma nota falando no investimento, que estaria na ordem de R$ 20 milhões. 

Mas ninguém tem informações claras sobre os aditivos nos contratos e sobre os gastos em cada etapa dos serviços. O Sesc Pernambuco tem um Portal da Transparência, mas este está desatualizado desde 2013, sem informações específicas sobre Garanhuns.

Passaram os anos finais da gestão de Silvino, 8 anos de Luiz Carlos e dois anos e um mês da administração Izaías Régis. Todo esse tempo sem que a obra, que parece interminável, seja concluída. Caso fosse um trabalho da Prefeitura ou do Governo do Estado, a imprensa, vereadores ou deputados e a própria população estariam em cima, fiscalizando, cobrando explicações. Como o Sesc é uma empresa de natureza privada vai ficando por isso mesmo. Até o dia em que resolvam inaugurar com discursos e muitas palmas. E os quase 10 anos gastos numa obra que deveria ter sido feita em um ano ou dois serão esquecidos.

4 comentários:

  1. Meu amigo, mostre uma foto atual de como se encontra o Centro de Convenções do SESC e não uma foto antiga...Você está atrasado nas informações...

    ResponderExcluir
  2. A foto está devidamente identificada como de 2010, quando parte da estrutura da obra caiu. Você não deve ter lido o texto, que deixa claro que o Centro de Convenções está muito perto de ser concluído. O foco da matéria não é como está o prédio atualmente e sim que o Complexo foi anunciado para 2001 e estamos em 2015, sem que tenha sido entregue à população. Quem está atrasado é o Sesc - 10 anos ou 14 anos se levarmos em conta uma entrevista que nos foi dada pelo professor Josias Albuquerque - e não este jornalista.

    ResponderExcluir
  3. Essa pisou na bola, mais pelo o menos teve corage de se identificar e não criticar ou isculhambar com o dono do blog e os comentarista com o nome somente de anonimo.

    ResponderExcluir
  4. Apesar do SESC ser uma entidade privada ela nos deve explicações, pois o terreno foi doado pelo município para a construção do CC. Penso que nesse tipo de negociação o município deveria estipular uma data para entrega do empreendimento com a finalidade de garantir o investimento.

    ResponderExcluir