SECRETARIA DE SAÚDE DO ESTADO

MIL VEZES CLARICE LISPECTOR

Em dezembro de 98 comemorou-se os 20 anos de sua morte. No entanto, Clarice Lispector nunca esteve tão viva nas bibliotecas, salas de aula, cabeceiras e palcos do país. Quem assistiu à peça Clarice, Coração Selvagem, encenada na última quinta-feira no Theatro São Pedro e protagonizada por Aracy Balabanian, clone da escritora, entendeu melhor a razão de Clarice Lispector ter se transformado no mito que é.

Perturbadora. Enigmática. Insolúvel. Hermética. Bruxa. Esses são alguns dos adjetivos que não desgrudam do seu nome. Nunca houve uma palavra, dita ou escrita por Clarice, que não funcionasse como um soco no estômago. Nada é fácil em sua obra, cada frase sua merece uma releitura, duas, três, até que a compreensão do que foi dito deixe de doer. No entanto, ela própria achava que escrevia de uma maneira simples, e de fato: para ela o simples escondia-se no hiato que existe entre uma coisa e outra. "Vou agora te contar como entrei no inexpressivo que sempre foi a minha busca cega e secreta. De como entrei naquilo que existe entre o número um e o número dois". Simples e enlouquecedor. Todos nós buscamos definições inatingíveis, que não se deixam capturar pelas mãos e muito menos pelas palavras. Clarice foi quem chegou mais perto.

Vida e obra de Clarice resume-se a esta apreensão do instante, daquilo que existe entre o dia e a noite, entre o sim e o não, daquilo que Sartre chamou de "a náusea", daquilo que nos causa insônia e medo, daquilo que nos deixa no limiar da loucura, daquilo que nos faz lembrar que o mundo, afinal, não é assim tão bem costurado. "Não tem pessoas que cosem pra fora? Eu coso pra dentro".

Clarice Lispector é traduzida e estudada no Brasil e fora dele. Seus livros tornaram-se universais porque é universal a sua angústia, a sua maneira de refletir o revés do espelho. Do livro de contos Laços de Família: "A vida sadia que levara até agora pareceu-lhe um modo moralmente louco de viver". Qualquer um de nós, num exercício de livre pensar, concordará que as regras impostas pela sociedade, a obediência servil, a lobotomia autorizada com que conduzimos nossas vidas, tudo isso é muito mais demente do que seguir os próprios instintos e tentar iluminar o breu que há dentro de nós. Traduzindo para um exemplo banal: louco é Bill Clinton por obedecer a um desejo transgressor dentro da Casa Branca ou loucos somos nós de dar tanta atenção a um assunto que não nos diz respeito? Clarice Lispector definiria o affair presidencial assim: "Seu coração enchera-se com a pior vontade de viver".
Saber onde fica o norte e o sul, saber se amanhã vai chover, saber a parada do ônibus em que devemos saltar, tudo isso nos dá a falsa sensação de estarmos protegidos. No entanto, estaremos sempre em perigo enquanto soubermos tão pouco sobre nós mesmos. Clarice Lispector, em sua literatura de auto-investigação, entendeu-se dentro do possível e aceitou-se no impossível. A platéia aplaude por dentro.
*Texto da escritora gaúcha Martha Medeiros. Publicitária, começou a escrever crônicas no jornal Zero Hora, de Porto Alegre e se tornou um fenômeno literário. Já publicou livros infantis, romances e volumes de crônicas como "Trem Bala", "Feliz por Nada", "Coisas da Vida" e "A Graça da Coisa".

4 comentários:

  1. EU NUNCA FUI UM SEBOSO DE CAETÉS... NEM MUITO MENOS DE GARANHUNS. PORÉM, FUI RATO(DE UM CERTO MODO, AINDA SOU!!!) DE LIVRARIAS DO SEBO, QUE NO RECIFE FICA NAS IMEDIAÇÕES DA PRAÇA MACIEL PINHEIRO, DONDE, MUITAS VEZES JÁ FOI “MEUS PASTOS”, EM FUÇAR LIVROS ANTIGOS NO SEBO, BEBERICAR UM TREMENDO CHOPE GELADO NO MUSTANG DA BOA VISTA E APRECIAR A ESTÁTUA E CONHECER A CASA ONDE MOROU A UCRANIANA CLARICE LISPECTOR, NA REFERIDA PRAÇA. O QUE ME DEIXAVA REJUVENESCEDOR AO APRECIAR AQUELA ESCULTURA QUE APRESENTA CLARICE SENTADA, EM CADEIRA DE ENCOSTO ILUMINADA POR UM ABAJUR ALTO, COM UMA MÁQUINA DE ESCREVER NO COLO. A ESCULTURA RETRATA A INTIMIDADE DO GESTO DE ESCREVER E EVOCA A INSPIRAÇÃO QUE CLARICE LISPECTOR FOI BUSCAR NAQUELA PRAÇA, UM LUGAR DE SUA INFÂNCIA. DIGO ISSO COM SAUDADES, MAS AO MESMO TEMPO COM PESAR, E PORQUE NÃO DIZER COM RAIVA, HAJA VISTA, HOJE, VOCÊ CHEGA ALI, NAQUELE “RIBUTAIO DE PRAÇA” E NÃO ENCONTRA ESTÁTUA, ESCULTURA, NEM “CARAIO DE ASA” NENHUM!!! OS TROMBADINHAS E MACONHEIROS, DEPREDARAM, TUDO!!! NÃO TEM MAIS NADA NAQUELA FULEIRAGEM. SÓ LEMBRANÇAS... LEMBRANÇAS... PARA TODOS AQUELES QUE ADORAM VIAJAR: NÃO É NO BAFO DA BAFORADA OU DUMA TRAGADA DE MACONHA, NÃO!!! É DA CULTURA!!! QUANDO EU CHEGO NAQUELAS IMEDIAÇÕES E ME DEPARO COM TAMANHA DEPREDAÇÃO, LEMBRO-ME DELA COM ESTA SEGUINTE RELÍQUIA: “Minhas saudades têm estado agudas, mas dentro de uma névoa - como uma sirene de noite no mar"...

    ResponderExcluir
  2. Quem me tira esta duvida. Essa escritora nasceu em um engenho de cana por nome Ucraniana ou o rapaz lá de cima quer dizer que ela nasceu na Ucrania esse país que estar em guerra.

    ResponderExcluir
  3. É verdade. Transformaram aquela praça em um reduto de adolescentes fazendo sexo em plena luz do dia. Lamentável.

    ResponderExcluir
  4. PREZADO ANÔNIMO(18:06),

    Quem vai lhe dá a resposta é a própria Clarice ao falar de suas origens: “Sou brasileira NATURALIZADA, quando, por questão de meses, poderia ser brasileira NATA. Fiz da língua portuguesa a minha vida interior, o meu pensamento mais íntimo, usei-a para palavras de amor.”

    ResponderExcluir