ALEPE

ALEPE
ALEPE

GOVERNO DO ESTADO

GOVERNO DO ESTADO
GOVERNO DE PERNAMBUCO - FUNDARPE

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

OS GASTOS COM A COPA DO MUNDO

O pior sobre a Copa é a desinformação. É da desinformação que se alimenta o festival de besteiras que são ditas contra a Copa.

Não conheço uma única pessoa que fale dos gastos da Copa e saiba dizer quanto isso custará para o Brasil. Ou, pelo menos, quanto custarão só os estádios. Ou que tenha visto uma planilha de gastos da copa.

A “Copa” vai consumir quase 26 bilhões de reais. A construção de estádios (8 bi) é cerca de 30% desse valor.

Cerca de 70% dos gastos da Copa não são em estádios, mas em infraestrutura, serviços e formação de mão de obra.

Os gastos com mobilidade urbana praticamente empatam com o dos estádios.

O gastos em aeroportos (6,7 bi), somados ao que será investido pela iniciativa privada (2,8 bi até 2014) é maior que o gasto com estádios.

O ministério que teve o maior crescimento do volume de recursos, de 2012 para 2013, não foi o dos Esportes (que cuida da Copa), mas sim a Secretaria da Aviação Civil (que cuida de aeroportos).

Quase 2 bi serão gastos em segurança pública, formação de mão de obra e outros serviços.

Ou seja, o maior gasto da Copa não é em estádios. Quem acha o contrário está desinformado e, provavelmente, desinformando outras pessoas.

Os atrasos nas obras pelo menos serviram para mostrar que a organização do evento não está isenta de problemas que afetam também outras áreas. De todo modo, não dá para se dizer que a organização da Copa teve mais colher de chá que outras áreas. 

Certamente, os recursos a serem gastos em estádios seriam úteis a outras áreas. Mas se os problemas do Brasil pudessem ser resolvidos com 8 bi, já teriam sido.

Em 2013, os recursos destinados à educação e à saúde cresceram. Em 2014, vão crescer de novo. 

Portanto, o Brasil não irá gastar menos com saúde e educação por causa da Copa. Ao contrário, vai gastar mais. Não por causa da Copa, mas independentemente dela.

No que se refere à segurança pública, também haverá mais recursos para a área. Aqui, uma das razões é, sim, a Copa.

Dados como esses estão disponíveis na proposta orçamentária enviada pelo Executivo e aprovada pelo Congresso (nas referências ao final está indicado onde encontrar mais detalhes).  

Se alguém quiser ajudar de verdade a melhorar a saúde e a educação do país, ao invés de protestar contra a Copa, o alvo certo é lutar pela aprovação do Plano Nacional de Educação, pelo cumprimento do piso salarial nacional dos professores, pela fixação de percentuais mais elevados e progressivos de financiamento público para a saúde e pela regulação mais firme sobre os planos de saúde.

Se quiserem lutar contra a corrupção, sugiro protestos em frente às instâncias do Poder Judiciário, que andam deixando prescrever crimes sem o devido julgamento, e rolezinhos diante das sedes do Ministério Público em alguns estados, que andam com as gavetas cheias de processos, sem dar a eles qualquer andamento.

Marchar em frente aos estádios, quebrar orelhões públicos e pichar veículos em concessionárias não tem nada a ver com lutar pela saúde e pela educação.

Os estádios, que foram malhados como Judas e tratados como ícones do desperdício, geraram, até a Copa das Confederações, 24,5 mil empregos diretos. Alto lá quando alguém falar que isso não é importante.

Será que o raciocínio contra os estádios vale também para a Praça da Apoteose e para todos os monumentos de Niemeyer? Vale para a estátua do Cristo Redentor? Vale para as igrejas de Ouro Preto e Mariana? 

Havia coisas mais importantes a serem feitas no Brasil, antes desses monumentos extraordinários. Mas o que não foi feito de importante deixou de ser feito porque construíram o bondinho do Pão-de-Açúcar? 

Até mesmo para o futebol, o jogo e o estádio são, para dizer a verdade, um detalhe menos importante. No fundo, estádios e jogos são apenas formas para se juntar as pessoas. Isso sim é muito importante. Mais do que alguns imaginam.

(*) Texto de Antonio Lassance,  doutor em Ciência Política e torcedor da Seleção Brasileira de Futebol desde sempre.

4 comentários:

  1. Esse não é torcedor da seleção é do PT. Cícero Garanhuns.

    ResponderExcluir
  2. Cícero bobão o Antônio Lassance é cientista político e exibiu dados e argumentos tu não tem vergonha de escrever uma besteira dessas não home?

    ResponderExcluir
  3. O Ministério da Fazenda e do Planejamento cortaram 44 bilhões do orçamento, acabou de ser anunciado, seria mais simples não ter feito Copa coisa nenhuma.

    ResponderExcluir
  4. Eu gostaria de ouvir e ler as críticas sobre a COPA DO MUNDO NO BRASIL/2014 era dos presidenciáveis (Marina-Eduardo -Aécio) e dos partidos de oposição de forma direta.

    Eu faria uma crítica muito forte se o Lula e a Dilma tivessem escolhido as SEDES do mundial por questão meramente política.

    Todos esses movimentos prejudicam todos os Estados e todas as Capitais do país e o turismo levando insegurança ao nosso povo, então vejamos:

    Em Pernambuco a Arena foi construída pelo Governador com recursos da iniciativa privada e pública.Dr. Eduardo é candidato contra Lula e Dilma.

    Em São Paulo a Arena foi construída pelo Governador Geraldo Alckmin do PSDB que apoia Aécio Neves.

    Em Belo Horizonte a Arena foi construída pelo Governador Anastasia que apoia Aécio Neves do PSDB.

    Em Manaus a Arena foi construída e aprovada na gestão do Prefeito Artur Virgilio do PSDB.

    No Ceará o governador era do PSB e agora PRÓS.Em Brasília na gestão do Agnelo Queiroz do PT.No Paraná a Arena da Baixada está sendo construída pelo Governador José Richa do PSDB. No Mato Grosso idem.No Rio Grande do Sul com Tarso Genro do PT.Fora as outras Arenas, todas pertencem a governos heterogêneos.

    O incrível de tudo isto é que nenhum deles recusou e devolveu ao governo brasileiro a ARENA porque não poderiam construí-las e que iriam gastar muito dinheiro. Respeito todas as críticas adversárias porque estamos numa democracia.

    A VIOLÊNCIA de todas as formas e de todas as espécies são os piores dos mundos que uma nação poder enfrentar e conviver.

    Existem milhares de formas e fórmulas para se protestar sem causar vítimas ou destruições.

    Os meios de comunicações existem justamente para isto.Sabemos que o povo brasileiro não é ainda Educado politicamente falando.

    Eu fui candidato 8 vezes para vereador como Estudante Universitário e Professor e perdi 6 delas simplesmente porque combati a praga do voto comprado nas eleições.

    Presenciei dezenas de Professorese estudantes votarem em candidatos semianalfabetos,mas não votaram no Professor que foi relator da Lei Orgânica Municipal e leu e escreveu mais de 600 processos licitatórios e centenas de Projetos de Lei e requerimentos.

    E muitas das pessoas que zombavam da minha cara estão hoje na oposição combatendo o que eles fizeram e praticaram por mais de 20 anos(comprar o voto) na escalada da noite para o dia.

    Portando, não me junto com facilidade aqueles que ontem blasfemavam e gritavam contra os meus atos e meus posicionamentos de moralizar a política. Temos que ter vergonha na cara e sentimentos sim senhor!

    ResponderExcluir