SEBRAE

SEBRAE
SEBRAE

ALEPE

ALEPE
ALEPE

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

MANO BROWN ACUSA ALCKMIN DE MANDAR MATAR

Em plena Assembleia Legislativa de São Paulo o líder do grupo de rap Racionais MC´s, Mano Brown,  fez um discurso contundente contra o governador Geraldo Alckmin, a quem acusou de genocídio. O artista se mostrou revoltado porque neste ano de 2012 mais de 200 civis – a maioria negros pobres da capital – tiveram morte violenta no Estado. Um recorde que se soma a outro: o assassinato de mais de 100 policiais militares, no mesmo período e nas mesmas regiões da Grande São Paulo.

"Alckimin é o governador das chacinas, tá marcado na história", definiu o músico e poeta popular durante o recebimento do prêmio Santo Dias da Silva de Direitos Humanos. O nome do prêmio é uma homenagem ao metalúrgico católico morto pela PM, na década de 1970, durante uma greve da categoria na capital. Santo estava desarmado. "Alckmin é o governador que usou a morte como instrumento de domínio", acrescentou Brown, que, mesmo com o sucesso e a fama, não se afastou da periferia da capital.

Mano Brown disse que o governador “autorizou a matar” e defendeu um processo de impeachment para afastar Geraldo Alckmin do seu cargo. Até o momento o governador de São Paulo preferiu não se pronunciar sobre o desabafo do cantor, que no Legislativo Estadual deixou constrangidos os deputados.

10 comentários:

  1. Sem dúvida,o cara tinha fumado muita maconha.... Responsabilizar o Estado pela escalada da violencia e falta de segurança é uma coisa, agora acusar alguem pessoalmente como responsavel direto pelos índices de morte é uma insanidade sem tamanho. Só estando "noiado" pra fazer isso....

    E o titulo da sua postagem, Roberto, é um tanto sensacionalista e não condiz com a sensatez que um jornalista deveria ter.... a não ser que este odeie o PSDB ou os anti-petistas... que tal aproveitar para falar da morte do ex-prefeito Celso Daniel e da ameaça de morte que Marcos Valerio recebeu do secretario de Lula, o bandidao Okimoto?

    ResponderExcluir
  2. mano brown defensor de bandido. vai te lascar, mano bosta

    ResponderExcluir
  3. José Fernandes Costa17 de dezembro de 2012 17:28

    Quem reza pela bíblia da Opus Dei, como esse picolé de chuchu, Geraldo Alckmin, é capaz de tudo. - O que vem acontecendo em São Paulo é de estarrecer. - E esse debiloide, Alckmin, recusa até o auxílio do Governo Federal, para tentar pôr fim a esses massacres. - Alckmin é um déspota querendo passar por de bom moço./.

    ResponderExcluir
  4. Lula que foi chefe de uma quadrilha que patrocinou um rombo nas empresas publica de cerca de R$$ 370 milhoes de reais não foi fuzilado e nem sofreu impichiment imagina um politico honesto como o governador de São Paulo. com certeza que no discurso desse negão ele tava maconhado.

    ResponderExcluir
  5. Ah tá! Então vamos lá, foi o então governador do estado de São Paulo que teve sua vida regida pela criminalidade, foi o Alckmin que tem uma vasta lista de antecedentes criminais, o gestor também é responsável por digamos assim "induzir" a violência urbana e de modo geral em sua filosofia de vida onde só fala de cadeia e de assaltos, sequestros e coisas benéficas deste tipo! Foi esse homem que se intitula governador que faz letras absurdas contando a vida do crime e a tal admiração por esse estilo de vida. Esse cara chamado de Mano "Brow" não tem menos que 90% de suas músicas fazendo apologia ao tráfico de drogas e criminalidade na grande São Paulo.
    Esse "músico" digo entre aspas pois não acho que o Mano mereça esse título adotou e protagonizou um belo estilo de vida chamado: VIDA LOKA, onde o indivíduo "vida loka" é aquele que assalta, mata, trafica e depois vai inocentemente pagar sua pena em uma prisão imunda sem mínimas condições de vida. Pouco acredito nos políticos mas de uma coisa tenho certeza, quem não quer entrar nesse mundo e pagar por seus erros que viva como homem, trabalhe, viva honestamente, seja útil! Deixe de apelar a Direitos Humanos! Que aqui no Brasil só serve para encobrir bandido e meliantes!


    Augusto Ferraz

    ResponderExcluir
  6. COMO O MUNDO DA POLITICA DA MUITAS VOLTAS, QUEM SABE AMANHA ALCKMIN ESTÁ NO PT, AI ELE VIRA SANTO E TUDO NÃO PASSA DE MENTIRA E INVEJA.

    ResponderExcluir
  7. olhando bem para essa foto, cá entre nós, parecem me que se abriram as portas do cemitério. gente feia da peste.

    ResponderExcluir
  8. É interessante ler como as opiniões "common-sense" dos "Antipetralhas" e direitistas em geral são sempre carregadas de preconceito, racismo e de uma bagagem teórica tão rasa quanto o BBB13 (que eles irão aplaudir a cada paredão) e uma opinião política tão norteada pela Veja e afins.
    Vim ler o artigo, e me deparo com um monte de disparates imbecis dignos de Reinaldo Azevedo.
    Não vejo o Mano Brown como um santo, longe disto, mas é um ponto de vista do outro - o que as elites "bunda-branca" desse país se negam a enxergar. O Governador de SP é um ultra-direitista ortodoxo, e se vale das armas para tentar fazer o que acredita ser o correto - a limpeza étnica e a submissão das mão-de-obra escrava. A escalada de violência no estado de SP é um contra-censo encabeçado pelo modelo de política de segurança imposto pelo governador, aceitem isto ou não, é comprovado por inúmeras pesquisas internacionais que, quanto maior a opressão do estado, maior a violência urbana, o ciclo vicioso se alimenta a cada canetada do palácio dos bandeirantes. O Estado Paulista tem que aprender que deve se fazer presente na periferia, levar paz àquela população, e não declarar guerra. O Rio está aprendendo lentamente como isto pode funcionar, quem sabe, sem um fascista no comando, SP também possa encontrar seu caminho para dias menos violentos?

    ResponderExcluir
  9. Salve!

    Concordo com o último comentarista Joshua Tree.

    Quanto aos outros comentaristas, o que posso dizer é que são um BANDO DE RACISTAS SUPREMACISTAS SAFADOS DE MERDA.

    ESSE GERALDO ALCKMIN É UM CRIMINOSO DIREITISTA MESMO E OS POLICIAIS SEUS CAPATAZES MODERNOS. DANEM-SE ELES E ESSE GOVERNADOR DE MERDA

    ResponderExcluir