SEBRAE

SEBRAE
SEBRAE

sábado, 16 de outubro de 2010

O ABORTO NA FOLHA DE SÃO PAULO

A revelação desagradável de que a senhora Mônica Serra fez um aborto em 1992, feita por uma ex-aluna sua, é pauta de qualquer jornal do Brasil que se guie pelas características da notícia. Um caso idêntico com a mulher de Obama, do presidente da Alemanha ou da China também seria explorado pela imprensa desses países. No país asiático, totalitário, provavelmente o assunto seria censurado. Mas aqui graças a Deus vivemos uma democracia e a missão dos jornalistas é mesmo informar, investigar, denunciar, formar opinião...E jornal, a gente aprende isso desde a faculdade, não vive só de notícias boas, muita coisa ruim vira manchete também. Infelizmente nossa grande imprensa tem tido uma postura, nos últimos anos, de só enxergar os erros de um lado, escondendo todos os mal feitos do outro. A Veja e a Época se revezam, toda semana, na descoberta de escândalos que possam atingir o presidente Lula, o PT e principalmente a candidatura de Dilma Roussef. Sobre Paulo Preto, o homem que sumiu com R$ 4 milhões da campanha de Serra ao que eu saiba não deram uma linha. Quem quiser saber alguma coisa disso procure a Carta Capital ou a IstoÉ, que possivelmente vão encontrar algo. As revistas atreladas aos tucanos também não têm o menor interesse de explicar porque Mônica, mulher de José Serra, fez um aborto em 1992. Se a interrupção da gravidez 18 anos atrás tivesse sido praticada pela senhora Roussef estava na capa de toda a Grande Imprensa e a eleição já estaria perdida. Não imaginei que nenhum jornal fosse falar do assunto. A Folha de São Paulo, porém, numa atitude um tanto estranha (será que com os números do Datafolha em mãos eles jogaram a toalha?) publicou reportagem a respeito do delicado assunto, assinada pela repórter Mônica Bérgamo. Isso aí deve fazer estragos no ninho tucano pois a Folha é a Folha, não é um bloguinho, como gostam de escrever uns otários para este espaço, pensando que conseguem me humilhar. Os veículos irmãos da Folha de São Paulo, como a Veja, a Época e o Estadão, devem estar se sentindo traídos. Na publicação do Grupo Abril, o jornalista Reinaldo Azevedo já criticou o jornal paulista e como é do seu costume procurou distorcer as coisas. Esse cara aí, que tem nome de jogador de futebol,  juntamente com o Diogo Mainardi e a revista que os abriga são hoje uma página vergonhosa do jornalismo brasileiro. Se pelo menos tivessem talento, como o Paulo Francis, que era reacionário mais escrevia bem e sabia das coisas... Mas nem isso esses pelegos têm. Fazem parte do esgoto do qual fala com propriedade meu colega Jodeval Duarte. Sobre o assunto, quero deixar claro que não condeno dona Mônica pelo que fez. Nem acho que o Serra está errado em ter normatizado o aborto quando era ministro. É uma questão de saúde pública e assim tem de ser tratada. Não podemos fechar os olhos e ignorar as 55 mil internações só este ano por abortos provocados. Quem faz isso não são os partidos políticos, nem a televisão, nem os jornais, as esquerdas ou a direita. São mulheres geralmente desesperadas, com medo dos pais, dos maridos, dos amantes, da miséria, da impotência para criar um filho. Diria, sem querer de maneira nenhuma imitar Jesus, que elas pecam, mas "não sabem o que fazem". A solução para esse drama passa por mais justiça social, mais educação, maiores investimentos na saúde, orientação sexual, distribuição de preservativos e anticoncepcionais, além da descriminalização das que foram estupradas, obrigadas a um ato doloroso que somente gera sofrimentos. O que está errado, é o Serra e sua mulher terem jogado isso na campanha para liquidar a Dilma, sabendo eles as circunstâncias que podem levar a um aborto. A hipocrisia deles, a mentira, a omissão (no debate da Band ele não defendeu a mulher porque sabia que tinha telhado de vidro), isto é que é o mais grave. Não adianta, neste momento, tentarem desqualificar o PT, a Sheila (ex-aluna de Mônica Serra que revelou o fato para o Brasil) os blog, os tuíteiros, quem está tendo a coragem de encarar o assunto. Outras ex-alunas já foram ouvidas pela imprensa e todas confirmaram a versão. Sheila não é Miriam Cordeiro, como também os serristas já estão querendo dar a entender: a moça da campanha de 1989 foi namorada de Lula, teve uma filha com ele e recebeu uma boa quantia em dinheiro para ir à televisão desqualificar o petista e ajudar o Collor a ganhar a eleição. A mulher desse rolo de 2010 não foi paga por ninguém, não é petista e contou a história espontaneamente, no Facebook, após ficar indignada com a atitude de José Serra no debate da TV Bandeirantes. Está sendo ameaçada, até o seu endereço agora é mantido em segredo. Tudo porque revelou uma verdade explosiva que pode ter influência na eleição presidencial. A direita é inteligente, é hábil, tem aliados de peso por todo lado, mas todos têm seus podres. Serra,  sem aparecer,  criou uma bomba anti-Dilma, anti-PT. A memória deve ter lhe traído, esqueceu do doloroso ano de 1992 e agora a bomba está no colo dele. Se no debate da Rede TV ou da Globo lhe perguntarem sobre o aborto feito por sua mulher, em circuntâncias difíceis, o que ele vai responder?

*As ilustrações: 1º) A reportagem de Mônica Bérgamo na Folha de São Paulo trata do delicado assunto de um lado e do outro mostra o santinho de Serra usando Jesus como cabo eleitoral; 2º) A coreógrafa Sheila Ribeiro que revelou a história no Facebook.

10 comentários:

  1. acho um boato sem fundamento ,como e que uma mulher iria realizar uma afirmação desta natureza e tão intimo em uma escola ou mesmo a uma adolescente aborto e um problema delicado e profundo para qualquermulher não e assunto banal para conversas banais nem em escola nem em botequim me poupe com essa conversa pra boi dormir pelo mesnos que se tenha umbridade em inventar inventar

    ResponderExcluir
  2. Essa moça aí não ia inventar uma história dessas porque poderia até ser presa. Ainda mais que todas as colegas de classe confirmaram e o jornal Folha de São Paulo não publiciaria uma história sem fundamento. O aborto aconteceu e Serra e a mulher ficaram muito mal na fita, só quem está cego pela eleição não está bendo a verdade. Se isso aí fosse com a Dilma todo acho que todo mundo acreditava, mas como é com a mulher do Serra ficam tapando os olhos, querendo se enganar. Acorda gente. Maria José.

    ResponderExcluir
  3. Amigo Roberto Almeida,

    Pois eu sou, muito mais, o seu "bloguinho", aliás, o nosso "bloguinho" pernambucano de Garanhuns do que este jornal podre, propriedade de uma dessas famílias tradiconais, da fina flor da granfinagem brasileira, também apodrecida, que é a Folha de São Paulo, junto com o Estadão, o Globo, a Rede Globo de Televisão, a Veja e similares.
    E ainda tem mentes imbecis, idiotas, como esses carolas medievais de igrejas de padres pedófilos e pastores comedores de crentes babacas, que não acreditam. Ainda tem gente que acha a mulher de Serra uma santa. O castigo foi pouco. Ela foi dizer que Dilma queria "matar criancinhas", quando ela, Mônica Serra, é quem tinha feito um aborto, aos quatro meses de uma gravidez normalíssima.
    Eles mesmos incluíram o assunto na eleição, o que já era um absurdo, pois vamos eleger uma presidenta e não uma madre superiora para um convento qualquer. Mesmo porque eu, na mimha vida de 58 anos, já vi muita putaria e nojeira dentro de convento religioso e em igreja de evangélico milagreiro.
    A estratégia de Sera deu xabu. Eles se lascaram na banda podre, deles próprios.
    Na Carta Capital desta semana está na capa outra denúncia, comprovada pela Polícia Federal, de propinas pagas a criadores de cavalos, daqueles cavalos Nelore, que comem e vivem melhor do que a maioria dos brasileiros. Coisa de ricões, como José Serra. Pois bem, um dos principais envolvidos, acusado de receber gordas verbas das negociatas com a empresa Qualix, é o presidente nacional do PSDB e coordenador da campanha de Serra, Sérgio Guerra.
    Que moral tem Serra e sua corja de neoliberais, escórias da política brasileira?
    Serra é um rico metido a merda, cheio de preconceitos com a população pobre, que acha que o voto do pobre é inferior ao do rico. É isto o que eles escrevem no Estadão, ridicularizando o voto do nordestino. Serra nunca governou para a pobreza, pelo contrário, sempre beneficiou os empresários do agro-negócio,
    latifundiários que o apoiam pela vida afora.
    Esta é uma eleição do pobre contra o rico. Nordestino e pobre, que tenha vergonha na cara e dignidade, tem que votar é em Dilma 13, para não voltar a ser esmagado como sempre foi, em 500 anos da direitona, de FHC e Cia.
    Um País que teve a felicidade de ter Lula presidente não pode dar um passo para trás. Precisamos avançar com Dilma 13, a doce guerrilheira/guerreira do povo brasileiro.
    Xô, Serra!!!
    Viva, Lula! Viva, Dilma 13!

    Ruy Sarinho
    Olinda/PE

    ResponderExcluir
  4. eita dois anÔnimos ignorantes e desatualizados,deixem de comentários fúteis?
    nossa democracia merece melhor comentário.
    carlos/caetés

    ResponderExcluir
  5. ESSE PAPINHO FURADO DE QUE EU VIM PARA CONFUNFIR E NÃO PARA EXPLICAR NÃO COLA MAIS?!?!?! A VERDADE É UMA SÓ: DILMA PRESIDENTE; ABORTE ESSA IDÉIA!!! Dr. NULO NELES!!!

    ResponderExcluir
  6. Nota oficial do Comitê do Zé Serra

    “Diante de matéria publicada hoje, a campanha de José Serra esclarece: Monica Serra nunca fez um aborto. Essa acusação falsa, que já circulava antes na internet, repete o padrão Miriam Cordeiro de que o então candidato Luiz Inácio Lula da Silva foi vítima na eleição de 1989. E dá continuidade ao jogo sujo que tem caracterizado a presente campanha desde que um núcleo do PT, montado para fazer dossiês contra o candidato tucano à Presidência, foi descoberto em Brasília. Primeiro eles atacaram a filha de José Serra. Depois atacaram o seu genro. Agora eles agridem a sua mulher, Monica, que tem a irrestrita solidariedade, amor e respeito de seu marido, de seus filhos, netos e de milhões de brasileiros.”

    O Zé Serra respondeu. Agora vão fazer exame médico na Mônica, para ganhar as eleições como Collor ganhou do Lula? Mais uma na conta do PT, que deve voltar para o ABC paulista. E com a ajuda do comentarista de Olinda, ele vai mais rápido ainda. E agora ele ataca o Sérgio Guerra, e o Serra só tem a agradecer. Continue escrevendo assim amigo, que o Serra pode até ganhar no Estado. Como já disse, com textos assim, se fosse lido pelo Einstein (creio que não, porque tem mais de 4 linhas), o Serra já estaria eleito.

    Hoje não posso me estender muito, pois tenho uma obrigação com Deus. A igreja de Casa Forte me espera. Mas, mulheres do meu Brasil, não tem outro jeito, neste segundo turno, mulher só pode votar em homem, não temos alternativa...

    Lucinha Peixoto (Blog da CIT)

    ResponderExcluir
  7. Lula foi o unico presidente que trabalhou fortemente para o desenvolvimento do nordeste seja no campo social,com o bolsa familia,que alias tras a reboque a injeçao de capital no comercio das cidades mais pobres,na educaçao,com a implantaçao das universidades no interior,no campo da infra estrutura,com a transposiçao do Sao Francisco,a ferrovia,a refinaria e os investimentos que virao em torno disso tudo.Nordestino que vota em Serra é burro ou masoquista,gosta de sofrer,nordestino que anula o voto é covarde.

    ResponderExcluir
  8. Essa tal de Lucinha é uma papa hóstia metida a intelectual, qualquer nordestino com mais de 10 neurônios sabe muito bem, quais serão a consequências de um governo Serra para a nossa região.

    ResponderExcluir
  9. Essa Lucinha parece uma beata e se Serra divulgar uma carta dizendo que seus filhos foram gerados sem sexo ela acredita. Se revelar que é Jesus Cristo ela também acredita.É inocência demais ou levou uma lavagem cerebral.

    ResponderExcluir
  10. LuCINHA(ignobel de literatura)tens mais rejeição do que teu candidato serra no nordeste hein!
    tu e altamir que dupla de dois.
    einstein,recife/PE

    ResponderExcluir