domingo, 30 de junho de 2019

LERO-LERO GOVERNAMENTAL - Por Homero Fonseca


É conhecida a tática do pessoal do atual governo de afirmar uma coisa, desdizer-se totalmente pouco depois e seguir em frente com a cara limpa. Também é lançada mão de uma mentira que, repetida vezes seguidas, ganha foros de verdade. A narrativa oficial tenta fazer crer que a presença de Bolsonaro na reunião do G20 no Japão foi um sucesso. Na realidade foi um fracasso. Nem coloco em cena o constrangedor episódio do sargento-traficante no avião oficial preso pela polícia espanhola (aliás, grotescamente capitalizado como “prova do combate às drogas pelo governo”, num acinte à inteligência do público).

Um exemplo gritante foi a questão ambiental, cuja política predatória do governo é sobejamente conhecida. Bolsonaro se reuniu “informalmente” (fora da agenda oficial) com Macron e depois com Merkel, que haviam publicamente feito sérias ressalvas à posição brasileira. Embora tenha falado suas costumeiras bazófias de público, no encontro com os governantes francês e alemã baixou a crista, lembrando que o Brasil continua participando do Acordo de Paris (que prevê metas mundiais de preservação da natureza e combate à poluição). O mesmo na reunião formal do BRICS, quando assinou a nota final conjunta enfatizando a importância do Acordo. Durante a campanha eleitoral, Bolsonaro afirmou várias vezes ser contra o Acordo de Paris e que seguiria seu mentor Trump, que retirou os EUA do tratado.

O mesmo se observa na reunião realizada paralelamente na Bélgica, onde estava o inacreditável chanceler Ernesto Araújo, quando foi assinado o acordo de cooperação entre União Europeia e Mercosul. As negociações duraram 20 anos, foram iniciadas ainda no governo FHC, mas o governo também procura capitalizar. “Bolsonaro comemora acordo”, registra o UOL, hoje: https://www1.folha.uol.com.br/mundo/2019/06/apos-chegada-tensa-ao-japao-bolsonaro-deixa-g20-comemorando-acordo-com-a-ue.shtml

Que tal lembrar a célebre entrevista de Paulo Guedes, publicada em 30/10/2018, pela BBC Brasil e o G1 (portal da Rede Globo)? Nela, o superministro afirmou que “a Argentina e o Mercosul não são prioridades do Brasil”, alegando motivação ideológica. Segundo o G1, as declarações de Guedes “geraram surpresa e desconcerto nos membros do Mercosul.” Leiam aqui: https://www.google.com.br/webhp?hl=pt-BR&sa=X&ved=0ahUKEwi3itzUiq7cAhWVZt4KHVlWAxIQPAgD

Essa tática de mentiras sistemáticas, inspirada em Goebbels, se não denunciada, pode ser muito perigosa, como sabemos.

*Homero Fonseca é jornalista, escritor e coach literário. Foi editor da revista Continente. Autor do romance "Roliúde", entre outros livros.

Nenhum comentário:

Postar um comentário