PREFEITURA DE GARANHUNS

PREFEITURA DE GARANHUNS
PREFEITURA DE GARANHUNS

sexta-feira, 20 de julho de 2018

HOJE FAZ 83 ANOS QUE LAMPIÃO ATACOU PARANATAMA


Por Junior Almeida

Serrinha do Catimbau, hoje Paranatama, antiga vila de Garanhuns se viu em apuros naquele sábado 20 de julho de 1935, com a presença nada amigável do Rei do Cangaço e parte da sua horda. Segundo  o inquérito,  estavam na ação Virgulino Ferreira, o Lampião, sua companheira Maria Bonita, Maria Ema, Medalha, Fortaleza, Juriti, Moita Braba e Gato, que estiveram no dia anterior, sexta-feira, no Sítio Azevém, onde assaltaram a casa e bodega do casal Zé Basílio e Maria Gracinda, a Branca, mãe de um menino de oito meses e grávida do seu segundo filho. Os  cabras também estupraram as duas irmãs do dono da casa: Antônia e Josefa. Do Azevém a súcia foi para o Sítio Queimada do André, onde foi assassinado o idoso José  Gomes.


Já na vila, distante aproximadamente uma légua do local desse crime de morte, o bando de Virgulino Ferreira foi recebido à bala, numa heroica e arrojada resistência liderada por moradores locais, tendo à frente João Caxeado e Ozéias Correia. No fogo de Serrinha  do Catimmbau Lampião sofreu uma de suas mais desmoralizantes derrotas, pois além de ter sido morto um cachorro do bando de nome “Dourado”,  Maria Bonita, a rainha do cangaço, levou dois tiros: um na e outro na bunda.  Lampião babou de ódio e jurou o povo do lugar. Versos atribuídos ao célebre cangaceiro diziam:

       Mataram o meu cachorro
       Balearam a baianinha
       Quando nós voltar
       Toca fogo em Serrinha.

Lampião e seus cabras saíram corridos de Paranatama. Se ficam morriam. A vitória do bem contra o mal foi a glória de Serrinha, que demonstrou galhardia e desassombro, mostrando que é terra de homens valentes, briosos, embora depois viesse o medo das pessoas simples daquela terra, pois não se poderia desprezar em nenhum momento as ameaças de Lampião. 83 anos depois desse episódio a população local se orgulha em ter imposto ao maior de todos os cangaceiros uma derrota inesquecível.

Para se ter noção da importância desse tiroteio na história do cangaço, Maria Bonita que foi baleada em Serrinha, até a data de sua morte três anos depois em Sergipe, teve sequelas por conta do ferimento. Vivia a escarrar sangue. Ela chegou o a sair do coito de Angicos, para ir se tratar em Propriá, poucos dias antes de tombar sem vida pelas mãos das volantes do tenente João Bezerra. VIVA SERRINHA! 

*Fotos: 1-igreja de São Luiz Gonzaga, em Paranatama; 2- Bando de Lampião; 3 Capa do livro LAMPIÃO, O CANGAÇO E OUTROS FATOS NO AGRESTE PERNAMBUCANO, que  narra de maneira completa essa história e outras sobre o cangaço no Agreste do Estado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário