quarta-feira, 25 de abril de 2018

HISTÓRIA DA HECATOMBE DE GARANHUNS VAI VIRAR GIBI


Por Junior Almeida

A terrível chacina que ficou conhecida como A Hecatombe de Garanhuns foi uma das maiores tragédias do Nordeste, senão do país, naquele longínquo janeiro de 1917.  Alguns escritores, como Mário Matos e principalmente Alfredo Leite discorreram sobre o funesto episódio da terra de Simôa Gomes, porém, com obras não exclusivas sobre o crime.

Em 2009 o professor Cláudio Gonçalves foi outro escritor local que voltou a escrever sobre o tema, com o livro “Os Sitiados: A Hecatombe de Garanhuns”, e em 2017, ano do centenário do episódio, Cláudio publicou um livro dedicado totalmente ao fato: A Cobertura Jornalística da Hecatombe de Garanhuns 1917, a obra mais completa sobre a chacina, que já teve esgotada a sua primeira edição e que coloca o escritor garanhuense como um dos maiores historiadores da Suíça Pernambucana.

A publicação de Cláudio Gonçalves ajudou a dar mais visibilidade ao fato, e esse ano o seu livro chegou às mãos de três jovens de Recife, responsáveis por um site dedicado a análise de filmes, quadrinhos e séries, o Max Con PE. O estudante de computação gráfica, Vandeson Nunes, junto com  os amigos Eurico Santos e Felipe Soares, esse último com trabalhos já publicados em histórias em quadrinhos, achando o enredo do livro perfeito para uma boa HQ, resolveram produzir um gibi contando a história da “nossa” hecatombe.

Vandeson, roteirista que está à frente do projeto, disse ao blog que pensava a princípio fazer um trabalho para todos os públicos, inclusive jovens estudantes, mas percebeu através do livro do professor Cláudio, que existem muitos fatos extremamente violentos, e que estuda uma maneira de colocá-los, ou não, na obra. O roteirista também se diz impressionado com o ar surreal do crime, a covardia e violência da hecatombe, que segundo ele, cabe perfeitamente numa novela policial.

A equipe produtora da HQ que dar destaque a certos personagens envolvidos na hecatombe, como o Padre Benigno Lyra, e um dos jornalistas que cobriu a tragédia, Oscar Mello. A previsão que o trabalho fique pronto  até o final do ano, mas os produtores planejam fazer o lançamento oficial em janeiro de 2019, quando a Hecatombe de Garanhuns estará completando 102 anos.

*Fotos: 1- Trabalho em HQ produzido anteriormente por Vandeson Nunes; 2- Capa do livro do professor Cláudio Gonçalves; 3 e 4 - Arte conceitual do projeto.

4 comentários:

  1. Para mim, a história deve ser contada como o fato se deu. Com todos os detalhes existentes e verdadeiros. – Entender que o público jovem vai se assustar com lances de extrema violência, é bobagem! - Os jovens dos nossos dias, vivem ligados em tudo que é de violência, por meio das TVs e de outros veículos! - E só envereda para o terreno do crime alguns que preferem o mundo criminoso! - Não me parece acertado encobrir parte da tragédia, contando a história pela metade! Assim, quem tiver interesse, lê a história completa. Quem não tiver interesse, abstém-se de ler! – Essa é essa a minha opinião a respeito desse tema que marcou com sangue a imagem de Garanhuns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pela opinião, amigo. Com certeza, por se tratar de um período onde a violência imperava e por se tratar de um massacre bárbaro, colocarei passages onde a violencia se faz presente.

      Excluir
  2. Anciosa pra ver esse trabalho pronto. Parabéns pela iniciativa de divilgar mais um fato da história de Pernambuco.

    ResponderExcluir
  3. Anciosa pra ver esse trabalho pronto. Parabéns pela iniciativa de divilgar mais um fato da história de Pernambuco.

    ResponderExcluir