GOVERNO DE PERNAMBUCO

GOVERNO DE PERNAMBUCO
Governo de Pernambuco

A CARNAVALIZAÇÃO DO MITO


Por Michel Zaidan Filho*

Devemos a um conhecido estudioso da cultura de massas no Brasil a chave hermenêutica precisa para entender determinadas manifestações político-culturais em nosso país, em nosso estado e em nossa cidade. Refiro-me ao uso da categoria estética do “grotesco”, associada russo Mikail Bakhitin à “carnavalização” da cultura ocidental. Originalmente   empregada para o estudo da   cultura popular na Idade Média, especificamente a obra do monge Rabelais, a poética do grotesco tornou-se uma espécie de cânone literário e estético de larga aceitação na   análise de outros contextos culturais distintos e distantes da límpida e elegante   linguagem   simbólica   da   cultura oficial dos   bem-pensantes e bem comportados ou   socialmente aceitos pelo asceticismo da tradição judaico-cristã que nos formou.

Segundo o crítico da cultura de massas, nada definiria   melhor a identidade do ade do brasileiro (e certamente do pernambucano e recifense) do que o carnaval, enquanto manifestação da estética do riso ou do grotesco. E seu maior   intérprete teria sido, aliás, um pernambucano, Abelardo Barbosa (Chacrinha). Este seria o modelo, por essência, da alma “brincante”, “lúdica” “bioenergética” do   povo   brasileiro. O que o tornaria resistente às crises ou propenso a esquecê-las. Como diz a propaganda   da cerveja que é patrocinadora   da folia: “Crise? – que   crise?”. O carnaval, como estética do grotesco, é um rito de inversão simbólica que empodera “imaginariamente” os de baixo   contra os de cima, durante o   ciclo momesco.

Assim, não haveria nada mais   estranho do que a imagem um carnaval organizado pelos poderes públicos como   principal produto turístico a ser vendido a turistas e visitantes do mundo inteiro, sob a justificativa do “exótico”, do “diferente”, do “telúrico” ou “regional”. Que a tapioca de coco ou a batida de limão seja oferecida como a marca da nossa identidade cultural, entende-se. O carnaval, como rito de inversão, não pode e não deve ser transformado numa espécie de “ativo cultural” ou uma “vantagem cultural civilizatória”, destinada a fazer do Brasil o lugar da confraternização das raças.

Mais surpreendente é ver a folia transformada em altar, monumento  ou  consagração de notabilidades políticas de aldeia, com a  participação          de  familiares, apaniguados e clientes  de toda espécie, para que depois possa ser usada em cartazes de campanha eleitoral  antecipada, nas barbas  da inerte e cega justiça eleitoral. 

Como a política de Pernambuco, com ou sem Ariano Suassuna, vem se tornando o palco de um espetáculo  armorial, com rainhas, infante e um cordel de áulicos   sempre dispostos a aplaudir  o  espetáculo mambembe, talvez possamos aplicar aos  políticos pernambucanos a  categoria de “grotesco”, oriunda da poética do riso, da mofa, do escárnio  ou  da sátira. A política de Pernambuco hoje é objeto da carnavalização, no  sentido mais preciso (e profundo) do termo. 

O  sentido bizarro, grotesco, risível das nomeações pós-carnavalescas       do   atual representante do Poder Executivo Estadual, só podem ser entendida no registro da política do  grotesco e do risível. Pernambuco está sendo objeto de gozações e de riso no Brasil todo como uma espécie de reino armorial onde o seu mandatário (ou mandado) não governa, não  administra, cumpre ordens dinásticas ditadas por eminências não tão  pardas assim, que  apresentam seus pedidos e são regiamente atendidas. Mesmo quando essas medidas contrariam os princípios comezinhos da impessoalidade, da moralidade, da legalidade, que caracterizam a administração republicana. Aqui a famosa tese dos cidadãos “superintegrados juridicamente” e dos “subintegrados” virou a tese dos filhos de algo (“fidalgos”) e a vala comum dos outros cidadãos que  estudam, trabalham duro, prestam concursos, não recebem salário, mas são  obrigados a pagar impostos para sustentar a vida nababesca dos  primeiros.
             
Quando isto terá fim?


*Michel Zaidan Filho é filósofo, historiador, cientista político, professor titular da Universidade Federal de Pernambuco e coordenador do Núcleo de Estudos Eleitorais, Partidários e da Democracia.

4 comentários:

  1. Esses meninos são bons. Todos eles vão longe...

    ResponderExcluir
  2. José Fernandes Costa23 de fevereiro de 2016 11:51

    Michel Zaidan ilustrou essa "tese de doutorado" com os filhos de Eduardo Campos. - Por que ele não foi direto ao assunto que causa inveja a tanta gente, Pernambuco afora? Qual seja: a nomeação de João Campos pra chefia de gabinete do governador Paulo Câmara! - Será que João Campos é o responsável pelos males que o Brasil carrega há 516 anos? - Um rapaz de 22 anos, que "pagou" 10 cadeiras do curso de engenharia em um semestre, deve ter algum valor. – E só o fato de ser bisneto do ex-governador Miguel Arraes de Alencar, já é uma referência e tanto. – 2. Em todos os recantos da federação, políticos escolhem pessoas da família para cargos de confiança! - Sem falar no empreguismo descarado que assola: câmaras de vereadores; Congresso Nacional; Poder Judiciário; tribunais de contas; poderes executivos; e os raios que os partam. - 3. Não sei por que tanto ódio à família de Eduardo Campos? - Esse ódio não é só de Michel Zaidan. Ele tem-se manifestado, principalmente, nos inúmeros textos tronchos e descabidos que invadiram as tais "redes sociais"! (Redes sociais da ignorância e dos asnos maus escrevinhadores, com recados sem pé nem cabeça.) - Notem que numa dessas “correntes” dos desinformados analfabetos, citaram até o doutor Ciro de Andrade Lima (pai de dona Renata Campos), como sendo um dos beneficiados pela família Campos. Isso é absurdo dos absurdos! Doutor Ciro é um médico de reputação acima de qualquer suspeita, com mais de 50 anos de exercício da medicina! - Ele não merece ter seu nome chafurdado por porcos imundos que se julgam donos da internet! E na ânsia de denegrir pessoas, os tais ignorantes desinformados se esqueceram de citar fatos que até tinham cabimento! - 4. Talvez, João Campos esteja pagando pelos desmandos cínicos e escancarados que sempre ocorreram e ocorrem no Brasil de todos os tempos. E agora, com esse desarranjo na política em geral, onde as oposições perdidas e sem rumo querem beber o sangue dos que estão no poder, tudo é pretexto para chacotas e achincalhes, deboches! – (NÃO me inveje, trabalhe!) /.

    ResponderExcluir
  3. Não é que o Brasil não esteja em crise, o fato é que estes filhos não não têm culpa de alguma "falcatrua" cometido pelo pai, e mesmo com isto, aquele homem merece ser honrado, pois mudou a Educação do nosso estado. Eduardo Campos foi e sempre será um Grande homem, assim como seu Avô. Muito mal posta esta foto destes Três GRANDE JOVENS! "Na minha opinião"

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. José Fernandes Costa23 de fevereiro de 2016 18:15

      DE ACORDO!! - Para mim, os filhos de Eduardo Campos MERECEM TODO O RESPEITO POSSÍVEL !!! - Por que esse MASSACRE??? - Em entrevista ontem na Rádio CBN, o ex-governador João Lira Neto disse ter recebido um telefonema de João Campos. - No telefonema, João se queixa de um deputado federal de Pernambuco que investiu de maneira afrontosa contra a nomeação dele para o cargo. - E note-se que tal deputado sempre foi puxa-saco de Eduardo Campos e do doutor Miguel Arraes. - Mas hoje ele está do outro lado. - Está de braços dados com Armando Monteiro. - É ÓDIO, É DESPEITO, É INVEJA; É TUDO!! (Por favor, não me invejem, TRABALHEM!!) /.


      Excluir