SEBRAE

SEBRAE
SEBRAE

ALEPE

ALEPE
ALEPE

sábado, 20 de junho de 2015

CÂMARA MUNICIPAL REJEITA A INCLUSÃO DE DISCUSSÃO SOBRE IDEOLOGIA DE GÊNERO: A medida fazia parte do Plano Municipal de Educação e foi rejeitada por unaminidade

Prédio da Câmara Municipal de Vereadores.
 Nesta quarta-feira passada, dia 17, a Câmara Municipal de Garanhuns se posicionou contra alguns pontos da meta 2.7 do Plano Municipal de Educação, que previa a discussão da ideologia de gênero e diversidade nas escolas do município.  Na redação inicial, a meta 2.7 tinha esta redação: “implementar ações de pesquisas, desenvolvimento e construção de matérias didático pedagógicos, inclusive dos próprios estudantes, que respeitem, valorizem e promovam a diversidade a fim de subsidiar práticas pedagógicas adequadas a educação especial, educação do campo e para as relações etnicorraciais e de gênero". 
 Um acordo firmado entre os parlamentares, porém, excluiu do texto as palavras diversidade e gênero, evitando assim a discussão de gênero e orientação sexual nas escolas. A votação ainda irá para segundo turno, mas se o resultado de 13 a 0 contra a discussão permanecer - o que não deve mudar -, o texto será de fato suprimido, e a ideologia de gênero não será discutida no âmbito escolar.
 O vereador Sivaldo Albino falou sobre a decisão da Câmara em uma rede social: "Acabei de votar contra a Ideologia de Gênero nas Unidades de Ensino do nosso município. Era uma questão que foi muito debatida durante os últimos dias, mas que, ao meu ver, poderia causar muitos transtornos as famílias garanhuenses. Sou contra toda e qualquer manifestação que venha a interferir no conceito da família cristã, principalmente a tentativa de promover nas unidades de ensino a discussão sobre ideologia de gênero".


Texto: Com informações do Blog VeC Garanhuns.



Nota do Blog: É lamentável que tal assunto não seja ao menos levado em pauta. Seria compreensível e talvez aceitável a decisão da Câmara, se o texto e a forma como iria ser realizada esta proposta tivessem sido discutidas, e após isto rejeitadas. Mas, nossa Câmara renega e exclui do texto qualquer alusão a diversidade sexual, sem nem ao menos chegar perto do cerne da questão, ou tentar entendê-la. Uma pena, até por que mesmo com esta decisão, mesmo com a pressão das Igrejas e famílias ditas tradicionais, pessoas de diferentes orientações sexuais continuarão a vir à este mundo, e passarão pela escola sem a mínima orientação ou apoio, algo que os alunos tem direito, nesta ou em outras questões. 
 Sei que muitos leitores dirão que esta é uma questão da família, e não da escola. Ora caros leitores, quantos pais vocês não conhecem usam a escola apenas como um depósito para seus filhos? Os jogam na rede de ensino e esperam que esta lhe dê educação, sabedoria e lhes ensine como lhes agir diante do mundo. Esperam que a escola cumpra seu papel de instituição educadora, mas que também faça as vezes de pai e mãe, eximindo deste suas responsabilidades. Vocês acham que este perfil de pessoa realmente conversará algum dia com seu filho sobre orientação sexual? Que irá parar para ouvir as dúvidas e angústias de seu filho? Acho difícil. 
 Por isso a escola deveria ser importante neste aspecto, para que o jovem que tenha dúvidas sobre sua orientação sexual tenha alguém para conversar e expor seus sentimentos. A escola daria o apoio necessário ao aluno para que ele possa chegar sozinho à conclusão sobre sua sexualidade, e que tomada esta decisão mesmo que ele seja um pouco diferente da maioria, ele saiba que ainda faz parte de um conceito maior, denominado humanidade.

6 comentários:

  1. Para a escola orientar não precisa de legislação pois isto é a sua função precípua. Educar é obrigação da família. Daqui a pouco precisaremos de legislação para saber que nome podemos usar

    ResponderExcluir
  2. Caro Roberto Almeida pelo que vejo você está sozinho nessa questão, pois graças ao bom senso de nossos vereadores essas questões não são tão importantes assim, a não ser para uma minoria alienada com essa questão de terceira via. Deixemos como está criado desde o princípio. MACHO E FÊMEA.

    ResponderExcluir
  3. Seria interessante você pesquisar um pouco mais sobre ideologia de genero, pois talvez vc não tenha a noção exata sobre o tema, a ideologia é algo que vem pra contrariar as leis da natureza ou seja a lei de Deus.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amigo, não me leve a mal, mas eu pesquiso sobre o assunto muito antes de esse debate vir à tona. Seu argumento se desfaz com duas simples constatações, o Brasil é um Estado laico, logo não deveria ter interferência de qualquer religião em suas leis. Segundo, homossexualidade existe na maior parte do mundo animal, não apenas entre os humanos. Então, como pode ser contrário à natureza? Utilizar destes argumentos é apenas tomar como muleta o argumento de outros para justificar seu preconceito.

      Tiago Almeida

      Excluir
  4. Isso não é só na questão da sexualidade, uma prática comum e criminosa acontece todos os dias nas escolas de nossa cidade, a obrigatoriedade da "reza do pai nosso", quando digo isto, não é que sou conta tal reza, ao contrário sou a favor, mas em seu devido lugar e não em instituições públicas de um Estado Laico responsáveis pela formação de nossas crianças em idade ainda que nem sabe o que é bom ou ruim para si mesmos. Acredito que não seria passado em panos brandos se fosse entoado todos os dias cânticos do candomblé ou mesmo a prática insistente sobre a não existência de Deus.

    Cidadão Comum do Estado Laico.

    ResponderExcluir
  5. Interessante essa ideia de o Brasil é um Estado Laico, será q essa prática de quererem colocar abuso nas crianças essa tal de homossexualidade como q fosse um normalidade, para responderem a crimes são de menores, quando para falar de sexo não. Sr Roberto, não vejo atualmente as escolas como grande coisa para o ensinamento da sexualidade, isso deve-se aprender através dos pais(homem e mulher) conforme a constituiu o nosso Deus. A escola hoje é um instituição falida, professores desmotivados, alunos que têm mais respeito pelo seu Docente, não se pode mais reprova-los, para que entrem na média de aprovação do Governo. Ainda vejo um pouco de disciplina em escolas militares, alunos com seu fardamento, não podem usar celular, etc. E em algumas poucas escolas particulares, porém parabenizo a Câmara de Garanhuns pela rejeição dessa pouca vergonha q é essa ideologia de gênero, continuem sempre valorizando a moral, os bons costumes e as famílias. Não existe essa tal de homofobia q se prega tanto nesse país, devemos respeitar qualquer ser humano existente na terra, independente de sua opção sexual, porém a queles q não aceitam também suas opiniões deveram serem respeitadas e aceitas, cada ser humano deverá gosta disso ou daquilo, torcer por time ou por outro, um partido político, etc. Devemos também entender que a sociedade existe primeiro de q qualquer classe social, então devemos nos adapta a ela, e não queremos q toda sociedade adapta-se por causa de um grupo pessoas q se acham diferentes e que podem tudo, como digo respeito sera dados a todos.

    Fábio - Heliópolis

    ResponderExcluir