SEBRAE

SEBRAE
SEBRAE

sábado, 20 de julho de 2013

UM PERFIL DE TADEU ALENCAR

Quem tem um primeiro contato com o Secretário da Casa Civil do Governo de Pernambuco, Tadeu Alencar, fica fortemente impressionado. Ele é inteligente, raciocina rápido, é simpático e sedutor, como em geral são os bons políticos. Tido como o braço direito de Eduardo Campos, o secretário lembra muito o chefe. Fisicamente, no jeito de falar, na argumentação, na paixão pela atividade pública e de gestor.

Talvez por conta dessas qualidades e da confiança depositada nele pelo governador, Tadeu com frequência é apontado pela imprensa da capital como o nome preferido de Eduardo para a sucessão estadual em 2014. Ele não diz que sim nem que não, está mais interessado em tocar o seu trabalho na Casa Civil, talvez em fortalecer o PSB e consolidar a candidatura do partido à Presidência da República.

Quem afinal é este homem que em tão pouco tempo tornou-se um dos técnicos e políticos mais requisitados pelos prefeitos, deputados e pelo próprio governador do Estado?

ORIGENS - Francisco Tadeu Barbosa de Alencar nasceu na cidade de Juazeiro do Norte, no Ceará, no dia oito de abril de 1963. Ainda é parente de um cearense ilustre, Miguel Arraes de Alencar, este natural do Crato e que por três vezes foi governador de Pernambuco.

Ainda moço Tadeu Alencar veio morar no Recife para fazer faculdade, tendo se formado em Direito na tradicional escola da Universidade Federal de Pernambuco, por onde passaram tantos políticos e juristas famosos do Estado e do País.

Trabalhou no Banco do Brasil entre os anos de 1982 e 1991, período em que participou ativamente do movimento sindical como delegado do Sindicato dos Bancários de Pernambuco. Foi auditor fiscal do Tribunal de Contas do Estado (1991-1993), destacando-se também à frente da Associação dos Servidores do TCE.

Em 1993, aprovado em concurso público de provas e títulos, Tadeu Alencar tornou-se procurador da Fazenda Nacional. No órgão, atuou como procurador-geral adjunto do Ministério da Fazenda Nacional, em Brasília, entre os anos de 2003 e 2006, durante o primeiro Governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Convidado pelo governador Eduardo Campos assumiu, na primeira gestão (2007-2010), o cargo de secretário como Procurador Geral do Estado.

Nesta função promoveu uma ampla reestruturação do órgão, dando ênfase à  posse de novos procuradores, reformas físicas, reaparelhamento das áreas de Tecnologia da Informação, logística, além de investimentos acadêmicos. Imprimiu como uma das marcas de sua gestão a recuperação de créditos da dívida ativa – que permitiu o retorno aos cofres públicos estaduais de R$ 349 milhões no período de quatro anos.

Tadeu integrou o Conselho Superior da Advocacia-Geral da União. Como procurador geral da Fazenda Nacional em exercício, representou o Ministério da Fazenda no Conselho de Administração da Empresa Gestora de Ativos e ocupou a vice-presidência da Companhia Pernambucana de Saneamento (COMPESA).  Foi também membro fundador e vice-presidente do Conselho de Relações Internacionais do Instituto Pernambuco de Estudos Tributários, integrou os conselhos fiscais do Banco do Nordeste do Brasil, da Caixa Econômica Federal e do Serviço Federal de Processamento de Dados (SERPRO), além de delegado do Sindicato dos Procuradores da Fazenda Nacional.

RECONHECIMENTO - Em reconhecimento aos serviços prestados à administração pública, Tadeu Alencar foi homenageado por importantes instituições do Estado e do Brasil.

Recebeu a Medalha do Mérito Judiciário Desembargador Joaquim Nunes Machado, do Tribunal de Justiça de Pernambuco; o título de Cidadão de Pernambuco, da Assembleia Legislativa; a medalha Nilo Coelho, do Tribunal de Contas de Pernambuco; a Medalha do Mérito Eleitoral Frei Caneca, do Tribunal Regional Eleitoral e a Medalha Mérito Legislativo, da Câmara dos Deputados.

Tadeu tem gosto pela cultura e a literatura. Desde os anos 80 que escreve poemas e textos em prosa em estilo poético. Por conta dessas inclinações literárias foi convidado a assumir a cadeira cujo patrono é Miguel Arraes no Instituto Cultural do Vale do Cariri, no Crato, em setembro de 2011.

O Secretário tem grande interesse em genealogia, através do qual desenvolveu pesquisa sobre os seus ancestrais, como Bárbara Pereira de Alencar, heroína da Revolução Pernambucana de 1817 e da Confederação do Equador, em 1824.  É também articulista do Jornal do Commercio. 


Política muitas vezes é destino. Se os ventos soprarem a favor, Tadeu Alencar poderá ser o candidato de Eduardo ao Governo do Estado. E a depender da situação do neto de Arraes na conjuntura nacional, poderá ser um nome forte para vencer a eleição do próximo ano.

2 comentários:

  1. Roberto,
    Sempre ouvi falar no nome de Tadeu Alencar nestes dois governos de Eduardo Campos. Sempre achava que este nome não me era estranho, agora com a divulgação de seu perfil, foi que a "fixa caiu". (Quando ele Tadeu) foi delegado sindical, eu era da Diretoria da Federação dos Bancários de Alagoas, Pernambuco e Rio Grande do Norte. O Sindicato dos Bancários de Pernambuco fazia oposição muito forte a Federal, da qual eu era Diretor, mas sempre me dei bem com toda Diretoria do referido Sindicato, e me lembro muito bem do Tadeu, até porque ele era também colega do Banco do Brasil. Como eu era da Comissão de negociação junto ao BB, sempre tinha contato com os Sindicatos de todo País, principalmente de Pernambuco, o qual eu representava na Comissão. Pelo que conheço de Tadeu, seria uma boa escolha para suceder Eduardo Campos no Palácio do Campo das princesas.
    Sales/Garanhuns

    ResponderExcluir
  2. PAULO CAMELO, COMENTA: Mais um "poste" para enganar os otários, a exemplo do prefeito do Recife, Geraldo Júlio.

    ResponderExcluir