ALEPE

ALEPE
ALEPE

GOVERNO DO ESTADO

GOVERNO DO ESTADO
GOVERNO DE PERNAMBUCO - FUNDARPE

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

GARANHUNS PRECISA DE FORÇA POLÍTICA

A reportagem principal do Correio Sete Colinas desta semana, que tem a manchete de capa acima, parece estar causando grande interesse entre os garanhuenses. Pelos comentários enviados a esse blog e pela procura do jornal nas bancas, acertamos na "mosca", como se diz popularmente. Creio, no entanto, que tem gente comentando sem ter lido a íntegra do texto do veículo impresso. Como algumas pessoas têm preguiça de ir até a banca mais próxima ou não querem gastar um real, vou transcrever no Blog um trecho da referida matéria. Aí ficará melhor para alguém emitir sua opinião:

"...Na década de 80 chegamos a ter José Tinoco, Cristina Tavares, Ivo Amaral e José Cardoso, lutando pelo município no Legislativo do Estado e na Câmara Federal. Hoje, talvez tenhamos de comemorar se elegermos pelo menos um para a Casa de Joaquim Nabuco. E veja que temos quase 90 mil eleitores. Bastava a população votar maciçamente nos candidatos da terra que elegeríamos dois precisando de poucos votos nas cidades da região.


Petrolina teve Nilo Coelho governador e senador, teve candidatos a vice-governador, tem um secretário forte como Fernando Bezerra Coelho. Belo Jardim teve José Mendonça na Câmara Federal até quando quis, Mendoncinha foi secretário, deputado estadual e federal, vice-governador e governador por 11 meses. Caruaru teve Roberto Fontes na vice de Joaquim, Jorge Gomes como vice de Arraes e hoje João Lyra é o vice de Eduardo. Sem falar que Miriam Lacerda é a companheira de chapa de Jarbas Vasconcelos.

Esses três municípios têm força política, por isso conseguem as coisas, crescem, se desenvolvem. Num ritmo maior do que Garanhuns, principalmente a Capital do Agreste e a grande cidade que floresce à beira do Rio São Francisco.

Garanhuns, pobre Garanhuns, não ocupa um mísero cargo de segundo escalão no Governo do Estado.

Uma cidade bonita, cheia de encantos, de vales, colinas, verde, água por todo lado, clima especial, mas um povo desnorteado e uma elite que vive da nobreza do passado. Dos tempos do algodão e do café, da bacia leiteira poderosa, dos fazendeiros que faziam as leis.

Todas as cidades de porte médio do Estado ganharam novas indústrias. Timbaúba, Vitória de Santo Antão, Santa Cruz do Capibaribe, Belo Jardim, Petrolina, Caruaru, Bom Conselho... Daqui a pouco instalam algum grande empreendimento em Lajedo, como previa o velho Dourado. E nós só escapamos porque estamos atraindo cursos de nível superior como Veterinária, Agronomia, Direito, Psicologia e Medicina.

Não somos a cidade do já teve, como se diz muito. Somos, contudo, o município que poderia ter muito mais. Essa conquista depende de todos nós: dos representantes da imprensa, dos educadores, dos empresários, dos clubes de serviço, das igrejas, da população de modo geral e principalmente de uma representação política de respeito.

Jamais votaria num forasteiro. Prefiro Izaías com todos os seus defeitos, ou Sivaldo, investindo na renovação. Escolheria Fernando Ferro (é de Bom Conselho e morou em Garanhuns na juventude), Paulo Camelo ou João Guido, em vez de apostar em Maurício Rands ou Ana Arraes, que nunca vi circulando pela XV de Novembro ou pela Santo Antônio.

Garanhuns precisa de mais força política. Necessita compreender que somente quando todos derem as mãos em torno de um projeto coletivo, deixando de lado as mesquinharias e vaidades, poderemos também ter senadores, vice-governadores, governador, ou pelo menos ocupar algum cargo de segundo ou primeiro escalão no âmbito estadual".

8 comentários:

  1. POR PAULO CAMELO: Caro conterrâneo Roberto Almeida. Indiscutivelmente você é um formador de opinião e que está abordando um tema complexo em discussão, aqui denominado: "GARANHUNS PRECISA DE FORÇA POLÍTICA".
    PARTE I
    Qualquer análise que você faça se depara em dois extremos, para os quais você e a maioria das pessoas evitam discutir. De um lado nós temos um forte contingente de políticos que defendem o sistema econômico capitalista e não possuem uma ou mais referências políticas, genuinamente garanhuense(s), aqui denominadas de líderes burgueses. Ou seja, esse setor político está órfão. A morte prematura de Vavá Moraes, último líder burguês de Garanhuns, representou uma grande perda política e econômica para Garanhuns. Em Caruaru, Petrolina e Belo Jardim, existem vários líderes políticos e líderes burgueses. Em cidades menores, como por exemplo Lajedo, existem líderes políticos e burguês. Não estou defendendo quem quer seja, apenas analisando a política como ela se apresenta no contexto social. No outro extremo, ou seja, diametralmente oposto, nós temos a esquerda autêntica, através de Paulo Camelo. No entanto, Paulo Camelo não conseguiu chegar ao poder para fazermos o grande teste da esquerda no poder municipal. De forma que Garanhuns está estacionada, pois nem à Direita possui seu líder burguês, nem tão pouco à esquerda consegue chegar ao poder. Algumas pessoas podem discordar, mas é a pura realidade. Sendo assim, Garanhuns só irá se movimentar se à Direita conseguir ter seu Líder Burguês, ou se à esquerda, autêntica, chegar ao poder municipal através de Paulo Camelo, único nome que lutou na época do governo militar e que pode representar à esquerda Garanhuense.
    PARTE II
    1) O grupo Ferreira Costa, genuinamente Garanhuense, não quer se envolver em política. Logo, cai por terra a tentativa de extrair desse grupo a Liderança Burguesa que tanto à Direita precisa;
    2) Trazer o deputado Armando Monteiro, para exercer a função de líder burguês, ou seu substituto Jorge Corte Real, é forçar a natureza, sem resultado prático;
    3) Tentar transformar Izaías numa liderança política Local e a nível Estadual, é perda de tempo, uma vez que o mesmo perdeu o crédito com a população. Quanto mais Izaías diz que trouxe isso ou aquilo, mais ele se queima com a população;
    4) Por outro lado, tentar transformar Zé da Luz numa liderança Local e Estadual, é outra perda de tempo, porque Zé da Luz não sabe se expressar, requisito indispensável para um parlamentar, e tem vários processos em julgamento;
    5) Tentar transformar Leonardo Dias, numa liderança Local, é forçar a natureza, além de uma demonstração da nossa fragilidade política;
    Donde concluímos que nas cidades por você citadas, Caruaru, Petrolina e Belo Jardim, a Legião Estrangeira não manda na política. Ao contrário de Garanhuns, onde os Nativos não decidem sobre nada, uma vez que as decisões são tomadas a nível Local e Estadual, a exemplo do Festival de Inverno, pela Legião Estrangeira. Logo, meu conterrâneo Roberto Almeida, se constitui numa contradição entre o tema por você levantado e a ênfase que você dar ao candidato Leonardo Dias.

    ResponderExcluir
  2. É PRECISO QUE TODA GARANHUNS SAIBA QUE ESSE TAL DE FERNANDO FERRO FOI QUEM CONTRIBUIU E MUITO COM O FECHAMENTO DO CURSO DE MEDICINA AQUI EM GARANHUNS. VAMOS FICAR ATENTO NESSE CARA!!! NESSE TRAIDOR!!!

    ResponderExcluir
  3. Caro Roberto concordo em quase tudo que você escreveu na matéria a cima. Porém a falta de representação pçolítica em nossa cidade não é culpa dos eleitores e sim da falta de políticos bairristas e compromissados com as nossas causas. Você lembrou bem a década de 80 quando tinhamos dois deputados estaduais e dois federais. O que resta do trabalho destes parlamentares para Garanhuns, você lembra? Temos um representante que está disputando o seu terceiro mandato. Qual a grande obra deste parlamentar, você conece? Tivemos nas duas ultimas eleições um deputado federeal bem votado em Garanhuns. Qual sua grande obra em Garanhuns, especialmente na industria, você sabe? Alguem vai dizer: mas e os centros de saúde, e eu pergunto (perguntar não ofende) é de graça? Portanto não é o povo que não vota são os nossos representantes que, quando eleitos, nada fazem por Garanhuns e região.
    Outro ponto tambem que eu quero discordar do amigo e quanto a palavra forasteiro. Será que os nossos atuais candidatos conseguem se eleger só com os votos de Garanhuns? Caso a resposta seja não creio que neste contexto os nossos políticos tambem são forasteiros pois precisam dos votos de outros municípios para se eleger. Portanto dizer que não vota em candidatos de fora porque são forasteiros é pedir para que eleitores de outras cidades tambem não votem e aí é jogar por terra o sonho dos nossos candidatos de chegar ao Palacio de Joaquim Nabuco. É bom lembrar que o candidato de Garanhuns, Correntes, Lagedo, Caruaru, Petrolina etc é representante do estado e não de uma cidade, de uma região. Há quanto tempo Garanhuns não tem u deputado federal? Já pensou se não fosse Ricardo Fiuza, Maurício Rands, Inocêncio Oliveira, Armando Monteiro e outros locando recursos para Garanhuns o que seria desta cidade? Portanto o importante na hora de votar e tentar escolher o melhor (nimguem advinha) pois só assim chegaremos, quem sabe um dia, a termos bons representantes tanto na camara estadual como federal.

    ResponderExcluir
  4. Plinio Pinheiro
    Rua São José - São José - Garanhuns - PE

    Em resposta ao Sr. Paulo Camelo...

    Seu Camelo, segura a onda. O seu candidato a Presidente, o veinho Plínio, gosta muito de um baseado. Ele disse na revista Época que não faz mal dá "uns tapinhas". Já imaginou o Brasil cheio de violências e a maconha liberada? Se oriente meu senhor. Conhece o ditado se correr o bicho pega e se ficar o bicho come? Eu prefiro a segunda opção.

    ResponderExcluir
  5. Caro Roberto, só para não ficar de fora da discussão, vou fazer algumas considerações a respeito da matéria:
    Não vejo nenhum problema em votar nos “forasteiros”, quando as opções locais não inspiram confiança. Claro que, havendo pessoas confiáveis para nos representar nas instâncias de poder, seria ótimo para todos. Mas, é preciso considerar que um parlamentar não constrói nada. O papel do deputado é elaborar leis e projetos que, às vezes, se transformam em benefícios para a população, a depender da boa vontade do executivo. Concordo que pode haver uma interferência, que influencie na execução de obras e implantação de projetos estruturadores para a cidade. O estranho é que todos os Deputados votados em Garanhuns, dizem aos quatro cantos que trouxeram isso, trouxeram aquilo para o município. Rios de dinheiro foram anunciados que estavam destinados para a cidade. Agora eu pergunto: onde está esse dinheiro, o gato comeu? Ou será que as obras não foram implantadas por falta de projetos? Concordo com a análise de Simão, no sentido de procurar onde estão os benefícios trazidos por deputados votados em Garanhuns, embora os tenha defendido quando diz: “Já pensou se não fosse Ricardo Fiuza, Maurício Rands, Inocêncio Oliveira, Armando Monteiro e outros locando recursos para Garanhuns” e eu incluiria Paulo Rubem, que tem destinado emendas ao orçamento para a área da educação e cultura. Portanto, temos que votar em políticos sérios, que tenham o propósito de fazer valer a força da região, não só Garanhuns, mas todo o Agreste que está carente de investimentos para impulsionar o seu desenvolvimento.

    ResponderExcluir
  6. POR PAULO CAMELO: COMENTANDO A "RESPOSTA" DO PLÍNIO PINHEIRO: GOSTARIA MUITO DE LHE RESPONDER, MAS INFELIZMENTE VOCÊ NÃO FEZ REFERÊNCIA AO TEXTO EM TELA. LEMBRANDO QUE O VOTO É LIVRE.

    ResponderExcluir
  7. Concodo sim com Simal Silva, que falta sim uma representação política em nossa cidade por este motivo é que devemos dar uma oportunidade aos novos como o vereador; SIVALDO é um cara inteligente e tem uma visão futurista para nossa cidade, portanto falta de opção não É.

    ResponderExcluir
  8. BEM LEMBRADO O NOME DE VAVA MORAES. GRANDE LIDER QUE AMAVA GARANHUNS. QUE TRAZIA RECURSOS PARA CIDADE. CASO ESTIVESSE VIVO GARANHUNS SERIA OUTRA CIDADE. QUEM SABE SE O POLO TEXTIL DE CARUARU SANTA CRUZ NAO SERIA EM GARANHUNS. SO ACHO QUE GARANHUNS DEVE MUITO A ESSE CIDADAO, ESQUECIDO POR MUITOS. NAO SEI COMO ATE HOJE NAO TEM NENHUMA HOMENAGEM A ELE NESTA CIDADE. A UNICA QUE HOMENAGEU FOI SAO BENTO DO UNA, COLOCANDO UMA RUA COM SEU NOME. AI VAI A DICA A ESSES NOVOS POLITICOS.

    ResponderExcluir