quarta-feira, 6 de novembro de 2019

BOLSONARISTAS PODEM TER CANDIDATO EM GARANHUNS

Bolsonaro poderá ter um candidato à prefeitura de Garanhuns e não será pelo PSL e sim pelo partido denominado Patriotas.

O grupo está se organizando e tem dois nomes que poderão “topar a parada”.

Um é Eduardo Cabral, bolsonarista de primeira hora,  que está trabalhando em Brasília, no Governo Federal.

Outro é o Pastor Rômulo. Este já disputou até eleição de vereador no Recife, portanto tem experiência política.

Eles inclusive já conversaram com pessoas da imprensa em Garanhuns e talvez façam uma parceria para divulgação de notícias relacionadas ao projeto bolsonarista na Suíça Pernambucana. 


Presidente do PSL em Garanhuns, Coronel Campos, disse ao blog que independente do projeto do Patriotas, o seu partido terá candidatura própria no município, com ou sem apoio de Bolsonaro.

Ele acrescentou que o PSL por enquanto continua apoiando o presidente da República. Militar é um dos delgados nacional do partido. São poucos mais de 100 em todo o Brasil, o que demonstra prestígio do representante de Garanhuns.

*Na primeira foto o pastor Rômulo, na segunda Edu Cabral com o presidente.  Ao lado o Coronel Campos.

Um comentário:

  1. 0s deputados federais em sua maioria não entende ou se faz de entendido em aprovar uma mini reforma política acabando com as coligações proporcionais e permitindo as coligações majoritárias.

    As regras eleitorais são empurradas de guelra abaixo para serem praticadas nas eleições para vereadores.

    Já fizeram várias reformas.Em 1969 aprovaram apenas 2 anos de mandato de 1971 a 1972.Em 1975 aumentaram para 6 anos os mandatos de prefeitos e vereadores.De 1977 a 1982.Permaneceu na eleição e os mandatos foram mais 6 anos de 1983 a 1988.Nada mudou em 12 anos.

    Em 1992 voltou os 4 anos.Em 1995 aprovaram outra mini reforma criando o artigo segundo da lei eleitoral que aumentava os percentuais das vagas para vereadores.De 150% para 200% as vagas a serem preenchidas pelos candidatos a vereadores.

    Numa câmara de vereadores com 9 vagas que são a maioria os partidos coligados poderiam lançar 27 candidatos sendo 30% de mulheres e 70% de homens o que daria 8 mulheres 19 homens.

    0 deputado federal Miro Teixeira do PDT entrou com uma liminar contra o parágrafo segundo e foi derrubado.E ficou valendo apenas os 150% o que prevaleceu até 2016.

    Foi justamente o que aconteceu comigo em 1996.Entrei no PSDB porque os 9 vereadores eram todos do PFL e ninguém quis sair do partido.Apenas EU ZECA BARBOSA E GÊU topamos em sair pelo PSDB do FHC.

    E naquele fomos obrigado a sair candidato isolados por causa que tínhamos 30 candidatos a vereadores e se coligando poderíamos ter lançado apenas 22 candidatos.0 prefeito Marquidoves Vieira Marques lançou o sobrinho Aldemar Júnior Monteiro Marques faltando apenas 4 meses para as eleições.

    E cada partido PFL,PSDB,PP lançaram candidatos e assim o quociente eleito foi de 640 pontos. Eu tive 290 votos e Gêu 150 votos no tal de 440 votos ,mas para eleger um vereador teríamos que ter tido 640 votos.

    0 PFL fez 6 vereadores e o PP 3 vereadores e o PSDB do prefeito eleito Júnior Marques não elegeu nenhum. 0 prefeito teve 5.500 votos.

    Em 2019 os deputados federais voltam a fazer mais uma minirreforma política acabando com as coligações proporcionais e permanecendo com as majoritárias.

    Até hoje pelo que li até agora não entendi nada.Por que o fim das coligações apenas na proporcional quando deveriam ter sido de cabo a rabo?

    Em 2005 no auge do falso mensalão e que ainda hoje permanece as mesmas coisas no congresso nacional o ex-senador Jarbas Vasconcelos do PMDB apresentou uma PEC acabando com todas as coligações no Brasil.Mas o PMDB,PSDB e PFL nunca quiseram aprová-la.

    Essa disputa dos partidos para lançarem candidatos a prefeitos faltando um ano para eleições tem suas razões.Primeiro para alavancar os partidos e segundo buscar candidatos competitivos e em condições de disputar as eleições para atingir o quociente eleitoral.

    0 prefeito pode ser eleito sem eleger vereadores e os vereadores podem ser eleitos sem prefeitos.É um paradoxo essa reforma política aprovada por homens dentro do congresso nacional quando não entende de nada.

    0 correto seria que cada candidato a prefeito deveria ter os seus candidatos a vereadores disputando individualmente as prefeituras,os governadores estaduais e Presidente da República.

    0 voto distrital puro,a verticalização das eleições,o voto vinculado e a fidelidade partidária deveriam ter sido debatido exaustivamente.

    0 quociente eleitoral e partidário idem. Levei anos para querer entender e compreender os 2 quesitos em questão. Em Lagoa do Ouro e Correntes tinha um tabelião que entendia tudo que era DIMAS SOUTO PEDROSA.

    Não adianta mais pelo número pequeno de candidatos disputantes a vereadores quando cada partido somente poderá lançar o dobro das vagas a serem preenchidas que numa cidade com 9 vagas dá 18 candidatos sendo 13 homens e 5 mulheres serem lançados candidatos com 7,8,9,10,15,20,30 votos.

    0s partidos que se virem e por isso logo logo os candidatos estarão discutindo e debatendo sobre os possíveis candidatos a vereadores em todos os 5.570 municípios. Partidos pequenos desaparecerão do mapa em breve.

    ResponderExcluir