Assembleia Legislativa

Assembleia Legislativa
Assembleia Legislativa

quinta-feira, 9 de maio de 2019

FALANDO SOBRE UM AMIGO



Faça uma lista de grandes amigos,
quem você mais via há dez anos atrás...
Quantos você ainda vê todo dia?
Quantos você já não encontra mais?
(A Lista - Osvaldo Montenegro)

Quando resolvi escrever sobre Evando, não foi para falar de tristeza, muito menos de morte, afinal, homens como o Prof. Manoel Evando dos Santos não morrem, pois, as suas atitudes permanecem para sempre. Ele foi uma daquelas pessoas, que quando se aproximava da gente, tornava-se difícil de esquecer. Aquela figura que era uma mistura de jogador esforçado, e que se achava um craque. Professor por paixão e amigo dos seus amigos.
Conheci Evando no começo da década dos anos 70, quando fui aluno do Colégio Estadual. Em sua primeira aula fiquei com raiva. Fazia a 7ª série e o primeiro exercício que ele passou dava uma solução que terminava em 3 X 0. Resultado que indicava a vitória do Náutico, no dia anterior, sobre o meu Santa Cruz. Já olhei atravessado para aquele professor de matemática, mas, confesso que depois disso nunca esqueci dele. O tempo passou e eu me acostumei com o torcedor doente do alvirrubro, e com suas constantes ironias sobre futebol. Agora, se você quisesse ver uma fera, falasse do seu time de coração, quando o mesmo perdia!

O tempo passou e voltei a ser aluno de Evando no Diocesano, ai descobri sua outra paixão pelo futebol, sendo ele da cidade de Correntes, situada no Agreste Meridional de Pernambuco, um dos seus primeiros times foi a Correntina de Desportos, sendo o seu maior centroavante, e terminei aprendendo, com os tempos, todos os seus principais gols. Mais tarde, assistindo jogos da seleção na casa dele, quando um atleta perdia um gol ou fazia uma jogada errada, ele enchia o peito e dizia: “ah! se fosse aqui no meu pé, que eu iria ensinar como se fazia”. E no calor da emoção “metia o pau” no atleta de todas as formas, colocando-se como exemplo, para quem quisesse aprender futebol. Assim era Evando, antes de tudo um homem que colocava emoção em tudo que fazia.

Professor Eugenio, seu colega de profissão e da mesma disciplina, emocionado, disse: “A Educação de Garanhuns está de luto. O Esporte da Cidade das Flores sofre com essa grande e irreparável perda. Não temos mais a convivência do professor Manoel Evando dos Santos, conhecido por muitos como Evando Lustosa. Natural da cidade de Correntes-PE, mas adotou a Suíça Pernambucana e fez daqui a sua morada. Tinha 74 anos. Foi o professor de Matemática de várias gerações. Fez parte do quadro de profissionais da Escola Professor Jerônimo Gueiros (Colégio Estadual de Garanhuns), do Colégio Diocesano de Garanhuns, da Faculdade de Formação de Professores de Garanhuns/Universidade de Pernambuco, além de outras instituições que contaram com os seus serviços na área da educação. Além da educação, tinha outra grande paixão. Era torcedor do Náutico, onde foi sócio benemérito. Em vida, contribuiu muito para o engrandecimento do futebol profissional da AGA – Associação Garanhuense de Atletismo e do Sete de Setembro. Também fez parte do Nacional, clube amador de Garanhuns, onde foi sócio e atleta”.

Quero concluir essa homenagem, lembrando dos amores de Evando: A família, onde era apaixonado pelos(as) filhos(as): Roberta (in memoriam) Rivelino, Renata, Renato, Ricardo e Eliane (essa com muito carinho, minha afilhada, um presente especial que ele e a esposa Wilde, deram a mim e a Salete) e sua última filha Cláudia. Mesmo depois de mais de 20 anos do falecimento de Roberta se referia a ela com os olhos cheios de lágrimas, com um amor constante e infinito.
A educação era seu dia a dia. Orgulhava-se dos(as) seus(suas) alunos(as) e ex-alunos(as). Sendo discípulo do Mons. Adelmar da Mota Valença, muitas vezes, era duro com os(as) estudantes, porém quanto mais reclamava, mais eles gostavam do prof. Evando. Depois nem lembrava do que tinha dito. Voltando a ser a criança que conquistava as amizades e levava pra sempre no coração. Educar, mais do que dar aulas, dava exemplos de vida, o que sabia fazer com carinho e muita emoção.

Os Colégios onde educou, e me perdoem os outros, mas, refiro-me a dois. O Estadual de Garanhuns, onde ensinou por 30 anos, e o Diocesano, onde lecionou por 35 anos, passando por 3 diretores: O padre Adelmar, por quem tinha uma grande admiração, o padre Ivo seu amigo pessoal e por mim, onde trabalhamos juntos por 30 anos. No Diocesano foi por 3 vezes presidente da Associação dos ex-alunos, inclusive em duas datas emblemáticas, nos 70 e 100 anos. Era uma figura ímpar, querendo ver tudo organizado. E quem falasse ao contrário, deixava os seus brios feridos.

Deixei por último um dos seus principais amores: As amizades. Como Evando era amigo dos(as) seus(suas) amigos(as), cuidava de cada um(a). Preocupava-se com todos(as), nos momentos complicados. É difícil fazer uma relação de todos(as), mas, na área da educação, lembro de alguns(as) por motivos óbvios, tanto pela amizade constante, como pelas desavenças históricas que nos levava as gargalhadas. Adilson, Souza, Aldemir, Eugenio, Ari Pereira, Carlos Guilherme, Luiz Tenório, Antônia Zedinira, Maria José, Lenice, ... , meu Deus, quantos e quantas compartilharam dias e homéricas pelejas com Evando.

Eu sou testemunha do seu cuidado com os(as) amigos(as), pois durante minha doença, ele me ligava e sempre que era possível, chegava para uma conversa. Nem sua dificuldade de locomoção o impedia de sair de casa, dirigir e rever a todos(as). Em sua última visita eu estava na UNIC. De repente, entra Evando, já cansado. Eu sorri, e indaguei: Evando, como você vem para uma ladeira dessa? Consegue subir? Ele me respondeu imediatamente: “Quem não consegue és tu, eu estou um menino”. 

E, assim era o prof. Evando. Com suas histórias e aventuras. Disse aos(às) filhos(as) e agora repito. Um homem como ele não morre, continua nos(os) seus(suas) amigos(as). E encerro imaginando uma cena que deve acontecer no céu. Quando D. Almira, com sua meiguice, vê-lo, vai logo dizer: “Menino, nem aqui tu me deixas em paz”! E os dois irão rir de tudo isso.

Uma homenagem dos Professores Albérico e Eugenio
ao Prof. Manoel Evando dos Santos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário