GOVERNO DE PERNAMBUCO

GOVERNO DE PERNAMBUCO
Governo de Pernambuco

O ANO COMEÇA DEPOIS DO CARNAVAL...

Por estes dias, em uma animada conversa com amigos, surgiu um assunto comum neste período: ‘Quando o ano “realmente” começa para nós brasileiros?’ A pergunta teve as mais diferentes respostas: ‘só depois da copa’, ‘quando as férias acabarem’, e a mais  categórica e recorrente: ‘o ano só começa na 1ª. segunda-feira depois do carnaval’. O bate-papo seguiu tomando outros rumos, como é comum em ambientes descontraídos, porém aquele questionamento continuou a vir ao pensamento...

É no mínimo curioso, que mesmo estando em Garanhuns, plena Avenida Santo Antônio, falou-se em “nós brasileiros” ou “no Brasil”, mas observei que é mesmo uma tendência de quando vai se falar em comprometimento, disposição, disciplina, trabalho, feriados e etc. há uma generalização que insinua que o ‘espírito brasileiro’ – como se fosse possível se adjetivar todo um povo contando com de mais de 200 milhões de pessoas com um único atributo – não é muito afeito ao trabalho ou de encarar responsabilidades com seriedade; não concordo com esta preconcepção, pois creio que, de modo geral, a grande maioria dos brasileiros é composta de pessoas lutadoras, empenhadas e cheias de esperança.

Fazer o que se gostar tem um papel motivador maior do que a recompensa financeira, pois esta é a consequência da realização pessoal de se estar envolvido com algo que lhe preenche os anseios profissionais-pessoais. Em muitos casos a raiz da procrastinação é a antevisão de ter que lidar com assuntos e situações que são tidas como desagradáveis, não que obrigatoriamente tudo com o que se lide tenha de ser obrigatoriamente agradável, mas quando a estamos mais satisfeitos e realizados, as tarefas “chatas” são desempenhadas com mais desenvoltura e eficiência.

Mas voltando ao questionamento crucial, parece-me que é mais uma daquelas questões que não possui uma resposta “correta”, pois varia de pessoa para pessoa, e ainda de como é encarado o transcorrer do tempo, os projetos que possui, o quanto é disciplinada e se sente responsável pelo próprio futuro. Pois se um projeto é formatado para ser executado em 12 meses seu cronograma ser executado em apenas 9-10 meses irá restar prejudicada a meta que se almeja, disso não há dúvidas. E podemos com isso ver que a ideia de que um ano tem 12 meses é mesmo uma mera ideia, e só passa a fato, quando você assim acredita nela e condiciona o início da dieta, do treino, do curso de línguas, de passar mais tempo com a família, de um novo empreendimento, a este seu ‘start’, que pode até mesmo coincidir com o 1º. de janeiro, ou com a 1ª. segunda pós folia de Momo, mas não necessariamente, pois a motivação pode surgir em plena quarta as 5 da tarde de um mês qualquer.

A combinação de bom planejamento e motivação são certamente os elementos essenciais para se alcançar metas com menos desperdícios, sejam de tempo ou de recursos financeiros, porque convenhamos, não é inteligente gastar mais do que o necessário para se alcançar os mesmos objetivos. Se considerar capaz de realizar projetos, dos menores aos mais ousados, e alcançar essas metas reforça nossa crença de sermos responsáveis por nosso próprio futuro, de termos as rédeas de nossa vida firmes em nossas mãos. 

É sempre mais producente nos fazermos as perguntas certas do que nos apegarmos a respostas que podem mudar com o passar do tempo. Por isso, vou acabando por aqui essa nossa “conversa” com esses questionamentos provocativos: Será que é mesmo o dia em que o ano se inicia que fará com que você concretize seus planos? Será que você está envolvido com atividades que realmente gostaria de estar desempenhando? Você está planejando bem seus objetivos?

E para você, o ano já começou ou só depois do carnaval?!


*Alfredo Gois é Administrador de Empresas
**Ilustração: Gabeira.com

Um comentário:

  1. Pouco importa, quando o ano começa no Brasil. O que importa é conseguir fazer o Brasil Começar, pois já vai fazer 518 anos que o Brasil foi descoberto e não começou a prosperar ainda.

    E os motivos são inúmeros, mas pode-se destacar os seguintes:

    1 - a mentalidade católica de que "É mais fácil um camelo passar numa agulha do que um rico entrar nos céus", impregnou-se na mente do brasileiro e é fruto de uma tradução vagabunda da bíblia hebraica feita por jesuítas para perseguir o Judeus ricos ainda na época do descobrimento, e tem um papel primordial no atraso intelectual, financeiro e até moral brasileiro.

    2 - o fator anterior somado ao surgimento de uma grande potência econômica baseado no consumismo como os Estados Unidos da América e sua máquina de propaganda, levaram o povo brasileiro a desenvolver mais recentemente uma mentalidade consumista "equivocada" onde o brasileiro não quer estudar, não quer trabalhar para ganhar dinheiro, mas quer possuir e consumir tudo. Isso pavimentou o caminho para a chegada ao Brasil de ideologias que manipulam os instintos mais medíocres das massas, como a "inveja". Por exemplo o Socialismo/Comunismo, onde ideólogos mal caráter trabalham o desejo por consumo da multidão de indolentes e invejosos contra aqueles que conseguem produzir algo aos trancos e barrancos.

    Resumo:

    Somando-se o "pensamento católico" de reprimir os prósperos oriundo ainda da perseguição aos Judeus, com o Socialismo/Comunismo que mata a prosperidade usando a inveja das pessoas como instrumento, a sociedade brasileira descobriu a receita mais que perfeita para garantir a derrota, o fracasso, a imoralidade e a vergonha em qualquer coisa que se tente fazer, e se por um acaso mesmo assim alguém conseguir ter sucesso? Nós mesmos procuraremos uma forma de destruí-lo a qualquer custo.

    Ou seja: Brasil é uma terra condenada! E brasileiro é um povo maldito por sua inveja!

    ResponderExcluir